Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Após reajuste, Lauro estuda aumentar piso salarial do Paço


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

15/04/2013 | 07:17


 

Após conceder reposição salarial de 6,87% ao funcionalismo, o prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), designou comissão para avaliar reajuste no piso salarial praticado pelo Executivo. A ideia é subir de R$ 761,21 para R$ 875,75 o valor da referência mais baixa adotada a servidores públicos.

A proposta foi tratada durante as negociações salariais com o Sindema (Sindicato dos Servidores Públicos de Diadema). Atualmente são 195 servidores que recebem o piso, que passariam a ganhar vencimentos da referência 2.

"Vamos fazer o levantamento do impacto que isso pode trazer à folha salarial. Quando você aumenta o piso, aumenta também salários de outras categorias que têm como base o piso salarial da Prefeitura", alegou Francisco José Rocha, secretário de Finanças do governo Lauro. "Concedemos o reajuste. Não dá para fazer tudo de uma só vez, da noite para o dia", complementou.

Para a presidente do Sindema, Jandyra Uehara Alves, a majoração é factível porque há poucas pessoas recebendo a menor referência salarial do Paço. "Esperamos a abertura para negociar. São poucas políticas de valorização do piso. Diadema hoje tem piso baixo", lamentou.

Jandyra afirmou também esperar pelo avanço do PCCR (Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração), que está travado desde as gestões de José de Filippi Júnior (PT) e Mário Reali (PT). "Isso seria fundamental para o funcionalismo."

Rocha disse que há espaço orçamentário para discussão do PCCR, mas avisou que o tema necessita de longo debate para ser implantado.

 

ESTRANHAMENTO

A reposição inflacionária oferecida pelo governo Lauro ao funcionalismo tem gerado desconfiança de petistas. A bancada do partido na Câmara ensaia enviar requerimento à Prefeitura solicitando informações sobre o reajuste.

A dúvida é sobre o discurso crítico de Lauro sobre dívidas herdadas de Reali, porém com capacidade financeira para incrementar os salários dos servidores.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após reajuste, Lauro estuda aumentar piso salarial do Paço

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

15/04/2013 | 07:17


 

Após conceder reposição salarial de 6,87% ao funcionalismo, o prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), designou comissão para avaliar reajuste no piso salarial praticado pelo Executivo. A ideia é subir de R$ 761,21 para R$ 875,75 o valor da referência mais baixa adotada a servidores públicos.

A proposta foi tratada durante as negociações salariais com o Sindema (Sindicato dos Servidores Públicos de Diadema). Atualmente são 195 servidores que recebem o piso, que passariam a ganhar vencimentos da referência 2.

"Vamos fazer o levantamento do impacto que isso pode trazer à folha salarial. Quando você aumenta o piso, aumenta também salários de outras categorias que têm como base o piso salarial da Prefeitura", alegou Francisco José Rocha, secretário de Finanças do governo Lauro. "Concedemos o reajuste. Não dá para fazer tudo de uma só vez, da noite para o dia", complementou.

Para a presidente do Sindema, Jandyra Uehara Alves, a majoração é factível porque há poucas pessoas recebendo a menor referência salarial do Paço. "Esperamos a abertura para negociar. São poucas políticas de valorização do piso. Diadema hoje tem piso baixo", lamentou.

Jandyra afirmou também esperar pelo avanço do PCCR (Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração), que está travado desde as gestões de José de Filippi Júnior (PT) e Mário Reali (PT). "Isso seria fundamental para o funcionalismo."

Rocha disse que há espaço orçamentário para discussão do PCCR, mas avisou que o tema necessita de longo debate para ser implantado.

 

ESTRANHAMENTO

A reposição inflacionária oferecida pelo governo Lauro ao funcionalismo tem gerado desconfiança de petistas. A bancada do partido na Câmara ensaia enviar requerimento à Prefeitura solicitando informações sobre o reajuste.

A dúvida é sobre o discurso crítico de Lauro sobre dívidas herdadas de Reali, porém com capacidade financeira para incrementar os salários dos servidores.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;