Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar recua com realização de ganhos após acumular alta de 6,81% em janeiro

Marcello Casal JR/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/02/2020 | 10:10


O dólar opera em baixa no mercado doméstico nesta segunda-feira e em relação a outras moedas emergentes ligadas a commodities, respondendo a um movimento de realização de ganhos recentes na esteira dos temores com o impacto do surto do novo coronavírus na economia chinesa e mundial. A percepção de especialistas é de que esse surto tem rápida disseminação pelo mundo, mas seria menos letal que outros surtos recentes, como a epidemia de SARS.

Na sexta-feira, o dólar à vista encerrou janeiro em nova máxima histórica, em R$ 4,2850. O ganho acumulado em janeiro somou 6,81% ante o real, o maior desde agosto de 2019, quando o mercado se estressou com a Argentina, por conta das baixas chances de Mauricio Macri ser reeleito.

Nesta segunda, o Banco Central retoma os leilões diários de swap cambial, para rolar vencimentos de abril. A oferta de swap nesta segunda é de até 13 mil contratos (US$ 650 milhões), para os vencimentos de 3 de agosto de 2020, 1º de outubro de 2020 e 1º de dezembro de 2020, às 11h30.

Há expectativa pela decisão de juros do Copom, nesta quarta-feira. A percepção predominante é de mais corte de juros - a aposta majoritária é de redução de 0,25 ponto - em meio ainda à possibilidade de políticas monetárias mais frouxas no mundo por causa dos impactos do coronavírus.

Na China, para tentar reduzir o pânico na volta dos mercados nesta segunda-feira, o banco central (PBoC) injetou 1,2 trilhão de yuans (US$ 173 bilhões) em liquidez no sistema financeiro por meio de uma oferta de contratos de recompra reversas (repos) de sete e 10 dias, reduzindo os juros dessas operações em 10 pontos-base, a 2,4% e 2,55%, respectivamente.

Apesar da agressiva intervenção do PBoC, os últimos indicadores da China desagradaram. O índice de gerentes de compras (PMI) industrial chinês caiu de 51,5 em dezembro para 51,1 em janeiro. Já dados oficiais mostraram que o lucro de grandes empresas industriais da China caiu 3,3% em 2019. Apenas em dezembro, a redução anual nos lucros foi de 6,3%, maior do que a de novembro, de 5,4%.

Logo após o Copom, o IPCA de janeiro, na sexta-feira, fica no foco, diante da expectativa de arrefecimento dos preços após o choque das carnes. Deve ajudar na inflação o acionamento da bandeira verde na conta de luz em fevereiro, em substituição à amarela vigente em janeiro.

Hoje o relatório Focus mostrou que as projeções para câmbio seguem em R$ 4,10 para 2020, mas passaram de R$ 4,00 para R$ 4,05 em 2021. A projeção para o IPCA deste ano caiu de 3,47% para 3,40% e a estimativa é de estabilidade em 3,75% para 2021. As projeções para Selic em 2020 seguem em 4,25% ao ano e para 2021, passaram de 6,25% para 6,00%. A estimativa para alta do PIB em 2020 passou de 2,31% para 2,30%, e segue em 2,50% para 2021.

Às 9h55, o dólar à vista caía 0,36%, aos R$ 4,2695, após ter fechado em recorde histórico de R$ 4,2885 na sexta-feira. O dólar futuro para março recuava 0,31%, aos R$ 4,2750.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar recua com realização de ganhos após acumular alta de 6,81% em janeiro


03/02/2020 | 10:10


O dólar opera em baixa no mercado doméstico nesta segunda-feira e em relação a outras moedas emergentes ligadas a commodities, respondendo a um movimento de realização de ganhos recentes na esteira dos temores com o impacto do surto do novo coronavírus na economia chinesa e mundial. A percepção de especialistas é de que esse surto tem rápida disseminação pelo mundo, mas seria menos letal que outros surtos recentes, como a epidemia de SARS.

Na sexta-feira, o dólar à vista encerrou janeiro em nova máxima histórica, em R$ 4,2850. O ganho acumulado em janeiro somou 6,81% ante o real, o maior desde agosto de 2019, quando o mercado se estressou com a Argentina, por conta das baixas chances de Mauricio Macri ser reeleito.

Nesta segunda, o Banco Central retoma os leilões diários de swap cambial, para rolar vencimentos de abril. A oferta de swap nesta segunda é de até 13 mil contratos (US$ 650 milhões), para os vencimentos de 3 de agosto de 2020, 1º de outubro de 2020 e 1º de dezembro de 2020, às 11h30.

Há expectativa pela decisão de juros do Copom, nesta quarta-feira. A percepção predominante é de mais corte de juros - a aposta majoritária é de redução de 0,25 ponto - em meio ainda à possibilidade de políticas monetárias mais frouxas no mundo por causa dos impactos do coronavírus.

Na China, para tentar reduzir o pânico na volta dos mercados nesta segunda-feira, o banco central (PBoC) injetou 1,2 trilhão de yuans (US$ 173 bilhões) em liquidez no sistema financeiro por meio de uma oferta de contratos de recompra reversas (repos) de sete e 10 dias, reduzindo os juros dessas operações em 10 pontos-base, a 2,4% e 2,55%, respectivamente.

Apesar da agressiva intervenção do PBoC, os últimos indicadores da China desagradaram. O índice de gerentes de compras (PMI) industrial chinês caiu de 51,5 em dezembro para 51,1 em janeiro. Já dados oficiais mostraram que o lucro de grandes empresas industriais da China caiu 3,3% em 2019. Apenas em dezembro, a redução anual nos lucros foi de 6,3%, maior do que a de novembro, de 5,4%.

Logo após o Copom, o IPCA de janeiro, na sexta-feira, fica no foco, diante da expectativa de arrefecimento dos preços após o choque das carnes. Deve ajudar na inflação o acionamento da bandeira verde na conta de luz em fevereiro, em substituição à amarela vigente em janeiro.

Hoje o relatório Focus mostrou que as projeções para câmbio seguem em R$ 4,10 para 2020, mas passaram de R$ 4,00 para R$ 4,05 em 2021. A projeção para o IPCA deste ano caiu de 3,47% para 3,40% e a estimativa é de estabilidade em 3,75% para 2021. As projeções para Selic em 2020 seguem em 4,25% ao ano e para 2021, passaram de 6,25% para 6,00%. A estimativa para alta do PIB em 2020 passou de 2,31% para 2,30%, e segue em 2,50% para 2021.

Às 9h55, o dólar à vista caía 0,36%, aos R$ 4,2695, após ter fechado em recorde histórico de R$ 4,2885 na sexta-feira. O dólar futuro para março recuava 0,31%, aos R$ 4,2750.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;