Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Saúde que vem do mar

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Luis Felipe Soares
Diário do Grande ABC

24/03/2013 | 07:00


Tão tradicional quanto trocar ovos de chocolate na Páscoa, o almoço da data especial é marcado por pratos com bacalhau. O sabor marcante e o alto valor nutritivo do peixe fazem de sua escolha uma ótima pedida para a alimentação.

O ingrediente chama a atenção por ser rico em minerais, entre eles o ferro e o fósforo. Porém, pessoas hipertensas devem tomar cuidado ao encher o prato, uma vez que a quantidade de sódio é alta - 100 gramas do peixe são suficientes para a quantidade recomendada para consumo diário.

Um dos trunfos é que sua taxa de colesterol é quase zero. Além disso, o alimento conta com o ácido ômega 3, fundamental para combater a parte ruim da gordura e que também ajuda a aumentar o HDL, o ‘colesterol bom'.

O bacalhau é recomendado para quem possui doenças cardiovasculares e lida com desordens inflamatórias. A dica para se obter o melhor do prato é escolher sua versão assada.

Entre os maiores produtores do mundo estão na Noruega, Portugal, Islândia e Itália. O Canadá é outro destaque fora do continente europeu.

No contexto histórico, a tradição de comer peixe na Páscoa vem desde a Idade Média. O consumo de carne vermelha é evitada por fazer alusão ao sangue que Jesus Cristo derramou para tentar salvar os pecados do mundo.

O período da Quaresma, no qual as pessoas procuram comer somente carne branca, simboliza uma aproximação com o sacrifício do filho de Deus. Ruim seria se o bacalhau fosse proibido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Saúde que vem do mar

Luis Felipe Soares
Diário do Grande ABC

24/03/2013 | 07:00


Tão tradicional quanto trocar ovos de chocolate na Páscoa, o almoço da data especial é marcado por pratos com bacalhau. O sabor marcante e o alto valor nutritivo do peixe fazem de sua escolha uma ótima pedida para a alimentação.

O ingrediente chama a atenção por ser rico em minerais, entre eles o ferro e o fósforo. Porém, pessoas hipertensas devem tomar cuidado ao encher o prato, uma vez que a quantidade de sódio é alta - 100 gramas do peixe são suficientes para a quantidade recomendada para consumo diário.

Um dos trunfos é que sua taxa de colesterol é quase zero. Além disso, o alimento conta com o ácido ômega 3, fundamental para combater a parte ruim da gordura e que também ajuda a aumentar o HDL, o ‘colesterol bom'.

O bacalhau é recomendado para quem possui doenças cardiovasculares e lida com desordens inflamatórias. A dica para se obter o melhor do prato é escolher sua versão assada.

Entre os maiores produtores do mundo estão na Noruega, Portugal, Islândia e Itália. O Canadá é outro destaque fora do continente europeu.

No contexto histórico, a tradição de comer peixe na Páscoa vem desde a Idade Média. O consumo de carne vermelha é evitada por fazer alusão ao sangue que Jesus Cristo derramou para tentar salvar os pecados do mundo.

O período da Quaresma, no qual as pessoas procuram comer somente carne branca, simboliza uma aproximação com o sacrifício do filho de Deus. Ruim seria se o bacalhau fosse proibido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;