Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Quando morrem vão viver no nosso coração


Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

03/03/2013 | 07:00


Marina Brandão

Ninguém quer perder o animal de estimação. Mas a vida do bicho é mais curta do que a dos humanos. Por isso, quem tem pet um dia enfrentará esse momento. Ana Beatriz Frangiotti Barros, 8 anos, de São Bernardo, viveu a experiência em dezembro do ano passado. A golden retriever Meg morreu aos 10 anos. "Era como se fosse uma irmã." Quando descobriram o câncer, a cachorra fez vários exames, como ultrassom e raio X. Passou por cirurgia e ficou internada. "A gente ia visitá-la, e a Meg ficava feliz e mexia o rabinho", conta. Quando voltou para casa, a cadela ficou quietinha. "É igual quando ficamos doente, não queria brincadeira. Respeitei o momento e dava carinho e atenção."

A Meg agora mora no coração e nas boas lembranças da menina, que guarda chaveiro com a foto da cadelinha. "Acho importante ter um bichinho. É carinhoso e boa companhia." Ana Beatriz ganhou recentemente um filhote de border collie. "Mayla é brincalhona e muito inteligente", diz Ana Beatriz, que anda bastante atenta aos cuidados com a saúde do pet.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quando morrem vão viver no nosso coração

Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

03/03/2013 | 07:00


Marina Brandão

Ninguém quer perder o animal de estimação. Mas a vida do bicho é mais curta do que a dos humanos. Por isso, quem tem pet um dia enfrentará esse momento. Ana Beatriz Frangiotti Barros, 8 anos, de São Bernardo, viveu a experiência em dezembro do ano passado. A golden retriever Meg morreu aos 10 anos. "Era como se fosse uma irmã." Quando descobriram o câncer, a cachorra fez vários exames, como ultrassom e raio X. Passou por cirurgia e ficou internada. "A gente ia visitá-la, e a Meg ficava feliz e mexia o rabinho", conta. Quando voltou para casa, a cadela ficou quietinha. "É igual quando ficamos doente, não queria brincadeira. Respeitei o momento e dava carinho e atenção."

A Meg agora mora no coração e nas boas lembranças da menina, que guarda chaveiro com a foto da cadelinha. "Acho importante ter um bichinho. É carinhoso e boa companhia." Ana Beatriz ganhou recentemente um filhote de border collie. "Mayla é brincalhona e muito inteligente", diz Ana Beatriz, que anda bastante atenta aos cuidados com a saúde do pet.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;