Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Sapecas como a gente


Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

03/03/2013 | 07:00


Marina Brandão

A gente escuta dos adultos para não aprontar travessuras. Com os animais de estimação não é muito diferente. Mas nem sempre eles respeitam as ordem dos donos.

Bastante sapeca, a golden retriever Plink já passou por vários apuros, deixando a família de Giovanna Sorgatti, 11 anos, de São Bernardo, preocupada. Há um ano e meio, engoliu cerca de 400 gramas de pedras do jardim! Passou por cirurgia delicada e permaneceu internada. "Fiquei preocupada e com medo de perdê-la", diz a menina, que cuidou da cachorra em casa durante a recuperação.

Pouco tempo depois, Plink se meteu em outra encrenca. Comeu par de meias e quase precisou de outra cirurgia. "A gente esconde, mas ela sempre acha as coisas", explica a garota. Como costuma comer tudo o que vê pela frente, sempre visita o veterinário para fazer ultrassom. "Ela faz mais exames do que a gente."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sapecas como a gente

Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

03/03/2013 | 07:00


Marina Brandão

A gente escuta dos adultos para não aprontar travessuras. Com os animais de estimação não é muito diferente. Mas nem sempre eles respeitam as ordem dos donos.

Bastante sapeca, a golden retriever Plink já passou por vários apuros, deixando a família de Giovanna Sorgatti, 11 anos, de São Bernardo, preocupada. Há um ano e meio, engoliu cerca de 400 gramas de pedras do jardim! Passou por cirurgia delicada e permaneceu internada. "Fiquei preocupada e com medo de perdê-la", diz a menina, que cuidou da cachorra em casa durante a recuperação.

Pouco tempo depois, Plink se meteu em outra encrenca. Comeu par de meias e quase precisou de outra cirurgia. "A gente esconde, mas ela sempre acha as coisas", explica a garota. Como costuma comer tudo o que vê pela frente, sempre visita o veterinário para fazer ultrassom. "Ela faz mais exames do que a gente."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;