Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Justiça absolve Donisete, Vanessa, Edilson e Orosco no caso Odebrecht

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Quarteto foi citado por delator da empresa e denunciado pelo MP; para juiz eleitoral, faltaram provas que incriminem os políticos de Mauá


Raphael Rocha
Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

28/07/2021 | 11:00


O juiz Emilio Migliano Neto, da 2ª Zona Eleitoral da Capital, rejeitou a denúncia e absolveu quarteto da política de Mauá denunciado pelo Ministério Público com base em delações premiadas coletadas na Operação Lava Jato. A decisão favorece o ex-prefeito Donisete Braga (ex-PT), a ex-deputada estadual Vanessa Damo (MDB), e os ex-secretários municipais Edilson de Paula (PT) e Júnior Orosco (PDT).

Todos respondiam pelos crimes de corrupção passiva, caixa dois eleitoral e organização criminosa após terem sido citados por Guilherme Pamplona Paschoal, ex-executivo da Odebrecht Ambiental, em delação à Lava Jato – a Odebrecht Ambiental chegou a administrar o sistema de esgoto de Mauá. Donisete e Edilson ainda se defendiam da acusação por fraude a licitações. A representação havia sido feita pelo MP.

Na sentença proferida no dia 12 e tornada pública nesta terça-feira (27), Migliano Neto apontou que a colaboração de Paschoal não acompanhou provas dos delitos apresentados por ele. “Em que pese constar a apresentação de documentos para que os fatos narrados pelo delator pudessem ser corroborados, em especial a planilha com codinomes e valores recebidos, confirmando, em tese, o recebimento da propina, da análise dos documentos ora colacionados, não é possível afirmar que seriam suficientes à comprovação dos fatos supostamente imputados aos denunciados. Também não é possível inferir que a participação de cada um dos corréus tenha sido devidamente demonstrada.”

“As declarações prestadas por colaboradores devem ser confirmadas por elementos externos, vedando-se a decretação de medidas cautelares ou o próprio recebimento da peça acusatória amparado tão somente nelas. E o que se constata nestes autos é que não há outras provas que corroborem o que foi extraído das colaborações premiadas para que se possa acolher a denúncia”, emendou o juiz.

O caso tramitava na 217ª Zona Eleitoral em Mauá, aos cuidados do juiz Marcos Alexandre Santos Ambrogi, que inicialmente havia acolhido denúncia contra o quarteto e o transformado em réu – o processo também envolve o ex-deputado federal Francisco Chagas (PT), outro absolvido na Capital. A denúncia era analisa em ambiente eleitoral por se tratar de denúncia de pagamento de caixa dois justamente para campanhas políticas. Em março, a ação foi para as mãos de Migliano Neto, em São Paulo.

Conforme denúncia do MP, Paschoal admitiu que esteve em tradicional restaurante do bairro Jardim com Donisete e Edilson perto da eleição de 2012. Acertou pagar R$ 1 milhão em propina à dupla para, em troca, manter os contratos da Odebrecht Ambiental no município. O mesmo tipo de negociação foi tratada com a campanha de Vanessa. À época, a então deputada estadual era casada com Orosco, quem coordenava o projeto eleitoral. Paschoal relatou ter tomado um café com Orosco em um shopping na Capital e consentido em pagar R$ 900 mil. Donisete venceu Vanessa no segundo turno daquela eleição.

À época da denúncia, Donisete e Orosco negaram as acusações e mostravam otimismo com a absolvição.

Dos quatro políticos mauaenses, apenas Orosco se mantém ativo no meio eleitoral – costura sua candidatura a deputado federal no ano que vem. Donisete e Vanessa concorreram à Prefeitura no ano passado, tiveram desempenho muito aquém do que já registraram no passado (pelo PDT, Donisete recebeu 5.174 votos; no MDB, Vanessa atingiu 2.948 adesões) e, desde então, submergiram politicamente. Edilson também deixou a vida pública depois do fim do mandato de Donisete, em 2016. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;