Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 28 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Mercado acredita que Copom reduzirá Selic em 1,5 ponto



19/08/2003 | 07:27


A semana da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) teve início com uma nova redução das estimativas de mercado para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de 2003. As previsões, segundo o Banco Central, que fez a pesquisa, recuaram pela 11.ªvez consecutiva, de 9 93% para 9,74%, ficando mais distante da marca dos dois dígitos. O porcentual projetado, no entanto, ainda é superior aos 8,5% da meta ajustada.

A melhora renovada de humor em relação ao comportamento dos preços levou o mercado a reduzir suas estimativas de taxa de juros para o final deste ano de 20% para 19,8% ao ano. As projeções de juros para o fim de 2004 recuaram, no mesmo levantamento, de 15,8% para 15,5%, que seria a taxa mais baixa desde os 15,25% de fevereiro de 2001. O mercado, ao mesmo tempo, preferiu manter estáveis suas projeções de juros para os finais de agosto e setembro em 23% e 22%, respectivamente. A projeção para fim do corrente mês embute uma expectativa de queda dos juros na reunião do Copom desta terça e quarta-feira de 1,5 ponto porcentual.

As instituições financeiras ouvidas na pesquisa semanal do BC optaram por manter estável em 6,5% as projeções de IPCA para o próximo ano. O porcentual estimado ficou acima da meta de 5,5%, mas já se encontra dentro do intervalo de variação de 2,5 pontos porcentuais admitido no sistema de metas de inflação do governo. As previsões de IPCA para agosto e setembro, por sua vez, foram reduzidas de 0,6% para 0,5% e de 0,5% para 0,45%, respectivamente. As expectativas de IPCA em 12 meses à frente recuaram na mesma pesquisa de 6,64% para 6,47%, ficando mais distanciadas dos 7,04% de há quatro semanas.

Câmbio - Em relação ao câmbio, as instituições consultadas pelo BC elevaram suas projeções para o fim do mês de R$ 2,98 para R$ 3. As previsões para o final de setembro subiram de R$ 3 para R$ 3,01.

Meirelles - O presidente do BC, Henrique Meirelles, voltou esta segunda-feira a defender a política de redução gradativa das taxas, ressaltando que “gradualismo não configura rigidez nem falta de flexibilidade”.

“O regime de metas de inflação tem permitido enfrentar com sucesso choques de oferta e de expectativas com a flexibilidade necessária para que evitemos custos desnecessários em termos de nível de atividade”, afirmou Meirelles. Ele disse ainda que o grande desafio do país é criar condições que permitam o crescimento “a taxas elevadas por muitos e muitos anos, sem as arrancadas e paradas que marcaram as últimas décadas”.

A expectativa da maior parte dos analistas é de que o Copom reduzirá a Selic em 1,5 ponto porcentual, embora muitos vejam espaço para um corte mais agressivo. Em Jacareí, o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, ao ser questionado sobre a Selic, disse apenas: “Vamos deixar o Copom trabalhar em paz.”

Bancos - Os presidentes dos bancos Bradesco, Marcio Cypriano; ABN Amro Real, Fábio Barbosa, e do Citibank no Brasil, Gustavo Marin, esperam uma redução de 1,5 ponto porcentual na taxa Selic na reunião do Copom desta semana. Cypriano afirmou que a Selic deve terminar o ano em 20%.

Segundo ele, até haveria espaço para um corte maior na reunião desta semana. No entanto, o executivo acredita que o BC deve agir com cautela e cortar a taxa em 1,5 ponto, como espera o mercado financeiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;