Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 8 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Once Upon a Time


Do Diário do Grande ABC

17/11/2014 | 07:07


Essa semana terminei uma maratona diante de 22 episódios que compuseram a primeira temporada da série Once Upon a Time. Foi muito intenso acompanhar a jornada de Branca de Neve, João e Maria, Pinóquio, Grilo Falante, Príncipe Encantado, Rainha Má, Chapeuzinho Vermelho, o genial Rumpelstiltskin, entre outros.
Cabe, antes de tudo, contextualizar um pouco sobre a proposta da série, antes que algum leitor conclua que esse que vos escreve definitivamente enlouqueceu. A ideia de Edward Kitsis é trazer para os dias de hoje todas as personagens dos contos de fada. A turma chega por aqui graças a uma maldição e convive em pequena cidade norte-americana sem se lembrar, em sua grande maioria, quem verdadeiramente é. Aqui no Brasil, você pode acompanhar a série por meio da TV fechada, além de o conteúdo estar disponível em serviço de stream pago.
Mas eu trouxe esse assunto para cá não apenas por ter me divertido muito com as aventuras e angústias vivenciadas pelos nossos heróis em suas vidas passadas e presentes. O que penso que vale realmente discutirmos é a ousadia que temos testemunhado diante da releitura de histórias que passaram por inúmeras gerações, reforçando a mensagem de que o bem e o mal são verdades absolutas que fazem das relações – humanas ou fictícias – dois polos opostos que, ao fim, terão desfecho feliz e perfeito com um lado vencedor e outro derrotado.
Sem dar qualquer pista sobre a história, o que posso lhes afirmar é que temos neste seriado material diferente. Ninguém é totalmente bom ou ruim, o que nos faz refletir a partir de perspectiva bem mais complexa e questionadora diante das causas e consequências que se desenrolam capítulo a capítulo. Você vai pular do sofá quando se deparar com a história do Lobo Mau!
Aqui no País, João Emanuel Carneiro também pensou fora da caixa. Milhões de brasileiros que acompanharam a novela global Avenida Brasil puderam experimentar de forma inovadora e emocionante a possibilidade de vibrar – e se decepcionar – com as mesmas personagens repetidas várias vezes durante a trama, expondo imperfeições de ‘mocinhos’ e sensibilidade de ‘vilões’, sinalizando a telespectadores historicamente acostumados a roteiros previsíveis, que nos dias de hoje nada mais pode ser considerado definitivo.
A Disney também saiu do lugar comum se propondo a contar velhas histórias a partir de novos olhares. Vale muito a pena acompanhar com nossos pequenos a mensagem passada por Malévola e, claro, toda a beleza coroada pelo final, bastante distante do convencional, proposto em Frozen, maior produção da companhia em todos os tempos.
Com certeza as boas histórias continuarão fazendo parte de nossas vidas e sonhos, mesmo com finais não tão felizes. Até porque, vamos combinar: o que vale, de verdade, é o que se vive ao longo do caminho.
Era uma vez… 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Once Upon a Time

Do Diário do Grande ABC

17/11/2014 | 07:07


Essa semana terminei uma maratona diante de 22 episódios que compuseram a primeira temporada da série Once Upon a Time. Foi muito intenso acompanhar a jornada de Branca de Neve, João e Maria, Pinóquio, Grilo Falante, Príncipe Encantado, Rainha Má, Chapeuzinho Vermelho, o genial Rumpelstiltskin, entre outros.
Cabe, antes de tudo, contextualizar um pouco sobre a proposta da série, antes que algum leitor conclua que esse que vos escreve definitivamente enlouqueceu. A ideia de Edward Kitsis é trazer para os dias de hoje todas as personagens dos contos de fada. A turma chega por aqui graças a uma maldição e convive em pequena cidade norte-americana sem se lembrar, em sua grande maioria, quem verdadeiramente é. Aqui no Brasil, você pode acompanhar a série por meio da TV fechada, além de o conteúdo estar disponível em serviço de stream pago.
Mas eu trouxe esse assunto para cá não apenas por ter me divertido muito com as aventuras e angústias vivenciadas pelos nossos heróis em suas vidas passadas e presentes. O que penso que vale realmente discutirmos é a ousadia que temos testemunhado diante da releitura de histórias que passaram por inúmeras gerações, reforçando a mensagem de que o bem e o mal são verdades absolutas que fazem das relações – humanas ou fictícias – dois polos opostos que, ao fim, terão desfecho feliz e perfeito com um lado vencedor e outro derrotado.
Sem dar qualquer pista sobre a história, o que posso lhes afirmar é que temos neste seriado material diferente. Ninguém é totalmente bom ou ruim, o que nos faz refletir a partir de perspectiva bem mais complexa e questionadora diante das causas e consequências que se desenrolam capítulo a capítulo. Você vai pular do sofá quando se deparar com a história do Lobo Mau!
Aqui no País, João Emanuel Carneiro também pensou fora da caixa. Milhões de brasileiros que acompanharam a novela global Avenida Brasil puderam experimentar de forma inovadora e emocionante a possibilidade de vibrar – e se decepcionar – com as mesmas personagens repetidas várias vezes durante a trama, expondo imperfeições de ‘mocinhos’ e sensibilidade de ‘vilões’, sinalizando a telespectadores historicamente acostumados a roteiros previsíveis, que nos dias de hoje nada mais pode ser considerado definitivo.
A Disney também saiu do lugar comum se propondo a contar velhas histórias a partir de novos olhares. Vale muito a pena acompanhar com nossos pequenos a mensagem passada por Malévola e, claro, toda a beleza coroada pelo final, bastante distante do convencional, proposto em Frozen, maior produção da companhia em todos os tempos.
Com certeza as boas histórias continuarão fazendo parte de nossas vidas e sonhos, mesmo com finais não tão felizes. Até porque, vamos combinar: o que vale, de verdade, é o que se vive ao longo do caminho.
Era uma vez… 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;