Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Hong Kong não será repetição de Praça da Paz Celestial, diz jornal chinês

KIN CHEUNG/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


16/08/2019 | 09:22


Um jornal da China fez nesta sexta-feira, 16, uma rara referência à repressão na Praça da Paz Celestial (Tiananmen), um tabu no país, para afirmar que uma intervenção armada em Hong Kong não repetirá o massacre de junho de 1989 contra manifestantes civis em Pequim.

"Pequim não decidiu intervir pela força para acabar com os distúrbios em Hong Kong, mas esta opção - evidentemente - está disponível", destaca o editorial do jornal em língua inglesa Global Times. Mas mesmo que o governo decida enviar tropas contra os manifestantes, "o incidente em Hong Kong não será uma repetição do incidente político de 4 de junho de 1989", afirma a publicação.

Não há um número oficial da sangrenta repressão na Praça Tiananmen, mas alguns especialistas falam em mais de mil mortos.

Na quinta-feira, a China concentrou tropas na fronteira com Hong Kong e advertiu que não ficará "de braços cruzados" se o protesto pró-democracia se degradar no território semiautônomo, causando "preocupação" do presidente americano, Donald Trump, pelo risco de uma repressão violenta.

Se a situação "piorar", Pequim tem "meios e poder suficientes para reprimir os distúrbios rapidamente", afirmou o embaixador chinês em Londres, Liu Xiaoming.

Após dois meses de manifestações em Hong Kong a favor da democracia, a China trouxe de volta nos últimos dias o fantasma de uma intervenção para restabelecer a ordem no território.

O assessor de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, pediu à China para não produzir um novo massacre. "Os chineses têm de tomar muito cuidado com os passos que derem porque o povo dos Estados Unidos se lembra da Praça da Paz Celestial, lembram a imagem do homem de pé em frente à fileira de tanques", disse ele em entrevista à Voz da América.

Trump se declarou "preocupado" com o risco de uma repressão violenta dos protestos em Hong Kong e ressaltou que pretende conversar "em breve" com o presidente chinês, Xi Jinping. "Gostaria de verdade ver a China resolver de uma forma humana o problema em Hong Kong", acrescentou.

Recado da China

Na quinta-feira, centenas de agentes da Polícia Armada Popular da China realizaram exercícios em um estádio esportivo de Shenzhen. Diplomatas asiáticos e ocidentais em Hong Kong disseram que Pequim quer fazer uma demonstração de força e enviar um recado, mas dificilmente enviará o Exército Popular de Libertação às ruas da cidade, pois tem consciência das consequências.

Era possível ver homens uniformizados em um estádio do Centro Esportivo da Baía de Shenzhen durante a manhã, e um jornalista da agência de notícias Reuters ouviu gritos e assobios. Mais tarde, a polícia realizou exercícios nos quais se dividiu em dois grupos, um deles usando camisetas pretas semelhantes às usadas por alguns manifestantes de Hong Kong. O outro grupo continuou de uniforme, empunhou escudos de contenção de multidões e praticou arremetidas contra o primeiro.

"Esta é a primeira vez que vi uma reunião de larga escala como essa", disse Yang Ying, recepcionista de um centro de bem-estar instalado dentro do complexo de lojas do estádio. "Houve exercícios no passado, mas normalmente eles envolvem a polícia de trânsito", acrescentou. "Nossos amigos, redes sociais, todos dizem que é por causa de Hong Kong."

Dez semanas de protestos cada vez mais violentos entre a polícia e manifestantes mergulharam o território em sua pior crise desde que a China o recebeu de volta do Reino Unido em 1997. Os protestos representam um dos maiores desafios a Xi, desde que ele tomou posse, em 2012.

No estacionamento do estádio havia mais de 100 veículos paramilitares, incluindo caminhões de tropas, blindados de transporte de pessoal, ônibus e jipes. O Global Times, tabloide nacionalista ligado ao Partido Comunista, publicou um vídeo nesta semana que mostrou colunas de caminhões e blindados de transporte de pessoal percorrendo a cidade, e seu editor, Hu Xijin, descreveu a movimentação no Twitter como um "recado claro para os agitadores de Hong Kong". (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hong Kong não será repetição de Praça da Paz Celestial, diz jornal chinês


16/08/2019 | 09:22


Um jornal da China fez nesta sexta-feira, 16, uma rara referência à repressão na Praça da Paz Celestial (Tiananmen), um tabu no país, para afirmar que uma intervenção armada em Hong Kong não repetirá o massacre de junho de 1989 contra manifestantes civis em Pequim.

"Pequim não decidiu intervir pela força para acabar com os distúrbios em Hong Kong, mas esta opção - evidentemente - está disponível", destaca o editorial do jornal em língua inglesa Global Times. Mas mesmo que o governo decida enviar tropas contra os manifestantes, "o incidente em Hong Kong não será uma repetição do incidente político de 4 de junho de 1989", afirma a publicação.

Não há um número oficial da sangrenta repressão na Praça Tiananmen, mas alguns especialistas falam em mais de mil mortos.

Na quinta-feira, a China concentrou tropas na fronteira com Hong Kong e advertiu que não ficará "de braços cruzados" se o protesto pró-democracia se degradar no território semiautônomo, causando "preocupação" do presidente americano, Donald Trump, pelo risco de uma repressão violenta.

Se a situação "piorar", Pequim tem "meios e poder suficientes para reprimir os distúrbios rapidamente", afirmou o embaixador chinês em Londres, Liu Xiaoming.

Após dois meses de manifestações em Hong Kong a favor da democracia, a China trouxe de volta nos últimos dias o fantasma de uma intervenção para restabelecer a ordem no território.

O assessor de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, pediu à China para não produzir um novo massacre. "Os chineses têm de tomar muito cuidado com os passos que derem porque o povo dos Estados Unidos se lembra da Praça da Paz Celestial, lembram a imagem do homem de pé em frente à fileira de tanques", disse ele em entrevista à Voz da América.

Trump se declarou "preocupado" com o risco de uma repressão violenta dos protestos em Hong Kong e ressaltou que pretende conversar "em breve" com o presidente chinês, Xi Jinping. "Gostaria de verdade ver a China resolver de uma forma humana o problema em Hong Kong", acrescentou.

Recado da China

Na quinta-feira, centenas de agentes da Polícia Armada Popular da China realizaram exercícios em um estádio esportivo de Shenzhen. Diplomatas asiáticos e ocidentais em Hong Kong disseram que Pequim quer fazer uma demonstração de força e enviar um recado, mas dificilmente enviará o Exército Popular de Libertação às ruas da cidade, pois tem consciência das consequências.

Era possível ver homens uniformizados em um estádio do Centro Esportivo da Baía de Shenzhen durante a manhã, e um jornalista da agência de notícias Reuters ouviu gritos e assobios. Mais tarde, a polícia realizou exercícios nos quais se dividiu em dois grupos, um deles usando camisetas pretas semelhantes às usadas por alguns manifestantes de Hong Kong. O outro grupo continuou de uniforme, empunhou escudos de contenção de multidões e praticou arremetidas contra o primeiro.

"Esta é a primeira vez que vi uma reunião de larga escala como essa", disse Yang Ying, recepcionista de um centro de bem-estar instalado dentro do complexo de lojas do estádio. "Houve exercícios no passado, mas normalmente eles envolvem a polícia de trânsito", acrescentou. "Nossos amigos, redes sociais, todos dizem que é por causa de Hong Kong."

Dez semanas de protestos cada vez mais violentos entre a polícia e manifestantes mergulharam o território em sua pior crise desde que a China o recebeu de volta do Reino Unido em 1997. Os protestos representam um dos maiores desafios a Xi, desde que ele tomou posse, em 2012.

No estacionamento do estádio havia mais de 100 veículos paramilitares, incluindo caminhões de tropas, blindados de transporte de pessoal, ônibus e jipes. O Global Times, tabloide nacionalista ligado ao Partido Comunista, publicou um vídeo nesta semana que mostrou colunas de caminhões e blindados de transporte de pessoal percorrendo a cidade, e seu editor, Hu Xijin, descreveu a movimentação no Twitter como um "recado claro para os agitadores de Hong Kong". (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;