Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 3 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Marinho voa no Rafale e aguarda investimentos

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

06/02/2011 | 07:05


Depois de testar o caça Rafale, fabricado pela Dassault, na França, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), disse ter tido "boa impressão" da aeronave e no fim de fevereiro promoverá seminário com a companhia francesa para "quantificar" possíveis investimentos no município. O petista disse que vai aconselhar o governo Dilma Rousseff (PT) sobre a melhor escolha, mas lembra que a decisão final é da presidente.

Segundo Marinho, a Dassault se comprometeu a investir "pesado" no Brasil e instalar fábrica de produção de peças de carbono. O seminário terá papel de identificar se São Bernardo poderá acolher o aparato de produção do Rafale. Empresas terceiras interessadas em participar do consórcio para o desenvolvimento das aeronaves também serão envolvidas na discussão.

Ponto positivo destacado por Marinho foi o apoio dado aos projetos cidade digital e parque tecnológico. "Eles nos trataram com muita atenção", disse. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enquanto líder da nação, se mostrou mais simpático à proposta francesa.

O modelo do seminário será espelhado no realizado com representantes da sueca Saab, fabricante do Gripen NG. Há quase um ano, executivos da companhia visitaram São Bernardo e formalizaram intenção de instalar empresas metalúrgicas na cidade, o que proporcionaria geração de 1.200 empregos diretos e indiretos no Grande ABC. Com a transferência de tecnologia e outras ações no Brasil, serão criados, no total, 28 mil postos de trabalho em todo o País.

Além das duas, a fabricante norte-americana do F-18 Super Hornet, Boeing, também participa da licitação do governo federal que comprará 36 caças para segurança nacional e formalizou convite de visita e test-drive. "Isso vai depender das reuniões que teremos no Brasil", disse Marinho. O petista mudou a estratégia de defender única empresa no certame para garantir que, independentemente da vencedora, São Bernardo seja beneficiada como a base de produção das aeronaves.

Caso Dilma finalize o certame, o gasto público com a compra chegará a R$ 10 bilhões. Um dos pontos que protagonizaram o debate sobre os caças foi a transferência de tecnologia. "O governo federal precisa amarrar isso direito e saber quem realmente vai transferir tecnologia. Eu creio que isso esteja fechado, mas não tenho certeza", alertou Marinho. A Embraer será a coordenadora de todo o processo de produção, seja qualquer uma das três a vencedora.

Marinho foi eleito articulador da escolha pelos empresários por conta da proximidade com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele foi ministro da Previdência Social e do Trabalho na gestão passada e ganhou a benção política de Lula na eleição de 2008. Além da empresa, o prefeito visitou marinha e aeronáutica francesas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Marinho voa no Rafale e aguarda investimentos

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

06/02/2011 | 07:05


Depois de testar o caça Rafale, fabricado pela Dassault, na França, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), disse ter tido "boa impressão" da aeronave e no fim de fevereiro promoverá seminário com a companhia francesa para "quantificar" possíveis investimentos no município. O petista disse que vai aconselhar o governo Dilma Rousseff (PT) sobre a melhor escolha, mas lembra que a decisão final é da presidente.

Segundo Marinho, a Dassault se comprometeu a investir "pesado" no Brasil e instalar fábrica de produção de peças de carbono. O seminário terá papel de identificar se São Bernardo poderá acolher o aparato de produção do Rafale. Empresas terceiras interessadas em participar do consórcio para o desenvolvimento das aeronaves também serão envolvidas na discussão.

Ponto positivo destacado por Marinho foi o apoio dado aos projetos cidade digital e parque tecnológico. "Eles nos trataram com muita atenção", disse. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enquanto líder da nação, se mostrou mais simpático à proposta francesa.

O modelo do seminário será espelhado no realizado com representantes da sueca Saab, fabricante do Gripen NG. Há quase um ano, executivos da companhia visitaram São Bernardo e formalizaram intenção de instalar empresas metalúrgicas na cidade, o que proporcionaria geração de 1.200 empregos diretos e indiretos no Grande ABC. Com a transferência de tecnologia e outras ações no Brasil, serão criados, no total, 28 mil postos de trabalho em todo o País.

Além das duas, a fabricante norte-americana do F-18 Super Hornet, Boeing, também participa da licitação do governo federal que comprará 36 caças para segurança nacional e formalizou convite de visita e test-drive. "Isso vai depender das reuniões que teremos no Brasil", disse Marinho. O petista mudou a estratégia de defender única empresa no certame para garantir que, independentemente da vencedora, São Bernardo seja beneficiada como a base de produção das aeronaves.

Caso Dilma finalize o certame, o gasto público com a compra chegará a R$ 10 bilhões. Um dos pontos que protagonizaram o debate sobre os caças foi a transferência de tecnologia. "O governo federal precisa amarrar isso direito e saber quem realmente vai transferir tecnologia. Eu creio que isso esteja fechado, mas não tenho certeza", alertou Marinho. A Embraer será a coordenadora de todo o processo de produção, seja qualquer uma das três a vencedora.

Marinho foi eleito articulador da escolha pelos empresários por conta da proximidade com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele foi ministro da Previdência Social e do Trabalho na gestão passada e ganhou a benção política de Lula na eleição de 2008. Além da empresa, o prefeito visitou marinha e aeronáutica francesas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;