Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Cientista especial


Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

11/09/2011 | 07:00


Em 2011 a gente não comemora só o Ano Internacional da Química. Há 100 anos a cientista polonesa Marie Curie (pronuncia-se Marrí Currí) ganhou o Prêmio Nobel de Química por descobrir os elementos rádio (diferente do aparelho) e polônio. Em 1903, já tinha recebido o Nobel de Física com o marido Pierre Curie e o físico Henri Becquerel pelas descobertas sobre radioatividade. Foi a primeira mulher a receber essa premiação e a primeira pessoa a tê-la em dose dupla. As conquistas não foram fáceis. Além de enfrentar muitos desafios na infância - como a morte da mãe -, Marie teve de se mudar para França para estudar. Na Polônia as mulheres não frequentavam universidade. Tanto esforço e dedicação valeram. Seus estudos permitiram muitos avanços científicos, como a criação de tratamentos médicos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cientista especial

Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

11/09/2011 | 07:00


Em 2011 a gente não comemora só o Ano Internacional da Química. Há 100 anos a cientista polonesa Marie Curie (pronuncia-se Marrí Currí) ganhou o Prêmio Nobel de Química por descobrir os elementos rádio (diferente do aparelho) e polônio. Em 1903, já tinha recebido o Nobel de Física com o marido Pierre Curie e o físico Henri Becquerel pelas descobertas sobre radioatividade. Foi a primeira mulher a receber essa premiação e a primeira pessoa a tê-la em dose dupla. As conquistas não foram fáceis. Além de enfrentar muitos desafios na infância - como a morte da mãe -, Marie teve de se mudar para França para estudar. Na Polônia as mulheres não frequentavam universidade. Tanto esforço e dedicação valeram. Seus estudos permitiram muitos avanços científicos, como a criação de tratamentos médicos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;