Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Energia solar impulsiona a Ouro Fino

O plano da fabricante é aumentar cerca de 70% a produção de aquecedores solares e banheiras, já a partir de julho


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

30/06/2008 | 07:04


Com perspectivas favoráveis de crescimento do mercado de aquecedores solares, a indústria Ouro Fino, de Ribeirão Pires, investe na montagem de uma nova unidade fabril no município.

A companhia, que projeta o aquecimento de 50% nas vendas neste ano em relação a 2007, adquiriu um novo espaço, de 21 mil m² de área construída - com os quais passará a ter 75 mil m² - e está investindo R$ 500 mil para adequar as instalações.

O plano da fabricante é aumentar cerca de 70% a produção de aquecedores solares e banheiras, já a partir de julho. Com a expansão, deverá gerar neste ano 140 empregos adicionais. Atualmente tem quadro de 400 funcionários.

Um dos fatores de estímulo para a ampliação se deu com a recente regulamentação da Lei 14.459, da Capital, em janeiro deste ano, que obriga todas as novas edificações (residenciais ou não) a terem ou que preparem infra-estrutura para receber sistema que inclui coletor solar, reservatório e interligações hidráulicas.

A necessidade de adaptação das construtoras à medida vai favorecer o crescimento do mercado, mas não é um fato isolado. Leis semelhantes já foram adotadas em outras capitais do País (Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre), dentro de uma tendência de construção de prédios ecológicos, explica o diretor de marketing, Demétrio Cabello. "E Ribeirão Pires tem projeto de lei nesse sentido", cita.

Líder no segmento nacional de aquecedores solares e também uma das principais na área de banheiras - recentemente recebeu o prêmio Ruy Othake, concedido pela revista Revenda Construção -, a empresa passará de uma produção de 200 sistemas de aquecimento solar por mês para 350 mensalmente.

Com a expansão, a empresa, que atua também na produção de peças automotivas (peças estampadas, plásticas e conjuntos soldados, que são fornecidos para grandes fabricantes de veículos, entre os quais a Ford e a Volkswagen), espera repetir neste ano os 50% de crescimento alcançado no ano passado. Com isso, fechará 2008 com faturamento da ordem de R$ 100 milhões.

Fabricante exporta para África, Caribe e América do Sul

A Ouro Fino cresce não apenas no País. Exporta atualmente sua ampla gama de produtos para países da África, da América do Sul e do Caribe o correspondente a 15% de seu faturamento. E vê perspectiva de manter essa fatia das vendas - o que significará ampliar as encomendas, já que o mercado interno também tem sido favorável.

Segundo o diretor de marketing, Demétrio Cabello, tem valido a pena exportar, apesar do efeito cambial - ou seja, o dólar em queda frente ao real, que retira rentabilidade nas vendas ao Exterior. "O Brasil é competitivo nesses mercados. Vamos trabalhar para buscar novos clientes", afirma.

Fundada em 1975, inicialmente para a produção de autopeças, a Ouro Fino ao longo dos anos foi diversificando sua linha de produtos.

Atualmente, produz também mercadorias de marca própria, como banheiras, spas, piscinas, filtros, acessórios, aquecedores, bombas de calor e itens para saneamento básico.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Energia solar impulsiona a Ouro Fino

O plano da fabricante é aumentar cerca de 70% a produção de aquecedores solares e banheiras, já a partir de julho

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

30/06/2008 | 07:04


Com perspectivas favoráveis de crescimento do mercado de aquecedores solares, a indústria Ouro Fino, de Ribeirão Pires, investe na montagem de uma nova unidade fabril no município.

A companhia, que projeta o aquecimento de 50% nas vendas neste ano em relação a 2007, adquiriu um novo espaço, de 21 mil m² de área construída - com os quais passará a ter 75 mil m² - e está investindo R$ 500 mil para adequar as instalações.

O plano da fabricante é aumentar cerca de 70% a produção de aquecedores solares e banheiras, já a partir de julho. Com a expansão, deverá gerar neste ano 140 empregos adicionais. Atualmente tem quadro de 400 funcionários.

Um dos fatores de estímulo para a ampliação se deu com a recente regulamentação da Lei 14.459, da Capital, em janeiro deste ano, que obriga todas as novas edificações (residenciais ou não) a terem ou que preparem infra-estrutura para receber sistema que inclui coletor solar, reservatório e interligações hidráulicas.

A necessidade de adaptação das construtoras à medida vai favorecer o crescimento do mercado, mas não é um fato isolado. Leis semelhantes já foram adotadas em outras capitais do País (Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre), dentro de uma tendência de construção de prédios ecológicos, explica o diretor de marketing, Demétrio Cabello. "E Ribeirão Pires tem projeto de lei nesse sentido", cita.

Líder no segmento nacional de aquecedores solares e também uma das principais na área de banheiras - recentemente recebeu o prêmio Ruy Othake, concedido pela revista Revenda Construção -, a empresa passará de uma produção de 200 sistemas de aquecimento solar por mês para 350 mensalmente.

Com a expansão, a empresa, que atua também na produção de peças automotivas (peças estampadas, plásticas e conjuntos soldados, que são fornecidos para grandes fabricantes de veículos, entre os quais a Ford e a Volkswagen), espera repetir neste ano os 50% de crescimento alcançado no ano passado. Com isso, fechará 2008 com faturamento da ordem de R$ 100 milhões.

Fabricante exporta para África, Caribe e América do Sul

A Ouro Fino cresce não apenas no País. Exporta atualmente sua ampla gama de produtos para países da África, da América do Sul e do Caribe o correspondente a 15% de seu faturamento. E vê perspectiva de manter essa fatia das vendas - o que significará ampliar as encomendas, já que o mercado interno também tem sido favorável.

Segundo o diretor de marketing, Demétrio Cabello, tem valido a pena exportar, apesar do efeito cambial - ou seja, o dólar em queda frente ao real, que retira rentabilidade nas vendas ao Exterior. "O Brasil é competitivo nesses mercados. Vamos trabalhar para buscar novos clientes", afirma.

Fundada em 1975, inicialmente para a produção de autopeças, a Ouro Fino ao longo dos anos foi diversificando sua linha de produtos.

Atualmente, produz também mercadorias de marca própria, como banheiras, spas, piscinas, filtros, acessórios, aquecedores, bombas de calor e itens para saneamento básico.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;