Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Polícia prende acusada de tentar comprar bebê



01/06/2006 | 00:03


O Sicride (Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas) prendeu quarta-feira Ione Ribeiro dos Santos, 49 anos, acusada de tentar comprar um bebê, de um mês de vida, da mãe, que está presa na Penitenciária Feminina, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.

Ela viajou de São Paulo, em um táxi, trazendo enxoval de criança, na esperança de levá-la ainda quarta-feira. O bebê fica na creche dentro da própria penitenciária, mas pode ser retirado desde que a mãe assine um termo de responsabilidade. O dinheiro foi oferecido a uma assistente social do presídio. Por isso, Ione vai responder também por corrupção ativa.

Segundo a delegada do Sicride, Márcia Tavares, desde que a mãe da criança, presa por tráfico de drogas, foi transferida de Cascavel, no dia 23 de maio, há tentativas de contato de Ione com ela. As ligações eram feitas para uma assistente social à qual teria sido dito que estaria disposta a pagar R$ 10 mil pela criança. Ione sabia da existência do bebê porque o pai biológico, que também está preso, comentou com uma amiga comum que seria melhor a criança ser criada fora da penitenciária.

De acordo com a delegada, a assistente social já havia avisado seus superiores e à polícia, que aguardavam que ela viesse. Quarta-feira, ela ficou das 10h às 15h conversando com a assistente dentro do presídio, sob monitoramento da polícia, que gravou a conversa e aguardava a oportunidade para dar o flagrante. Desta vez ela teria oferecido R$ 5 mil. Os cheques estavam prontos: R$ 3 mil à vista e R$ 2 mil pré-datado.

Segundo a delegada, em nenhum momento a mãe, com a qual Ione não teve contato, mostrou qualquer intenção de vender ou de dar a criança para adoção.

Em entrevista, Ione disse que tinha intenção de adotá-la. Segundo ela, a assistente social teria pedido R$ 10 mil. “Eu lhe disse que não tinha vindo comprar criança”, afirmou. Mas admitiu que ofereceu R$ 2 mil para ela. “Perguntei se podia lhe dar um presente. Por ela ter conversado e convencido a mãe de que eu ia ser adotante”, disse. “Talvez por displicência, falta de orientação.” Ela mora com um inglês em São Paulo. “Vamos investigar qual era a intenção dela em relação à criança”, adiantou a delegada.

Também foram detidos o ex-marido de Ione, José Vicente de Souza, que a acompanhava, e o motorista do táxi, Jorge Valarka. A polícia quer investigar se eles tinham conhecimento das intenções da mulher.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Polícia prende acusada de tentar comprar bebê


01/06/2006 | 00:03


O Sicride (Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas) prendeu quarta-feira Ione Ribeiro dos Santos, 49 anos, acusada de tentar comprar um bebê, de um mês de vida, da mãe, que está presa na Penitenciária Feminina, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.

Ela viajou de São Paulo, em um táxi, trazendo enxoval de criança, na esperança de levá-la ainda quarta-feira. O bebê fica na creche dentro da própria penitenciária, mas pode ser retirado desde que a mãe assine um termo de responsabilidade. O dinheiro foi oferecido a uma assistente social do presídio. Por isso, Ione vai responder também por corrupção ativa.

Segundo a delegada do Sicride, Márcia Tavares, desde que a mãe da criança, presa por tráfico de drogas, foi transferida de Cascavel, no dia 23 de maio, há tentativas de contato de Ione com ela. As ligações eram feitas para uma assistente social à qual teria sido dito que estaria disposta a pagar R$ 10 mil pela criança. Ione sabia da existência do bebê porque o pai biológico, que também está preso, comentou com uma amiga comum que seria melhor a criança ser criada fora da penitenciária.

De acordo com a delegada, a assistente social já havia avisado seus superiores e à polícia, que aguardavam que ela viesse. Quarta-feira, ela ficou das 10h às 15h conversando com a assistente dentro do presídio, sob monitoramento da polícia, que gravou a conversa e aguardava a oportunidade para dar o flagrante. Desta vez ela teria oferecido R$ 5 mil. Os cheques estavam prontos: R$ 3 mil à vista e R$ 2 mil pré-datado.

Segundo a delegada, em nenhum momento a mãe, com a qual Ione não teve contato, mostrou qualquer intenção de vender ou de dar a criança para adoção.

Em entrevista, Ione disse que tinha intenção de adotá-la. Segundo ela, a assistente social teria pedido R$ 10 mil. “Eu lhe disse que não tinha vindo comprar criança”, afirmou. Mas admitiu que ofereceu R$ 2 mil para ela. “Perguntei se podia lhe dar um presente. Por ela ter conversado e convencido a mãe de que eu ia ser adotante”, disse. “Talvez por displicência, falta de orientação.” Ela mora com um inglês em São Paulo. “Vamos investigar qual era a intenção dela em relação à criança”, adiantou a delegada.

Também foram detidos o ex-marido de Ione, José Vicente de Souza, que a acompanhava, e o motorista do táxi, Jorge Valarka. A polícia quer investigar se eles tinham conhecimento das intenções da mulher.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;