Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ford acelera projeto de novo carro na fábrica de S.Bernardo


Eric Fujita
Do Diário do Grande ABC

15/01/2006 | 09:02


De olho na retomada do crescimento acentuado das vendas, a Ford iniciou o desenvolvimento do projeto de seu novo veículo compacto - popular -, previsto para chegar ao mercado em 2008. O modelo será produzido na fábrica de São Bernardo como a principal aposta da montadora para ganhar mais terreno no mercado interno. Entre os funcionários, o produto também se tornou a esperança de manter o atual nível de empregos e reduzir a capacidade ociosa da unidade.

A elaboração do novo carro está a cargo de engenheiros brasileiros, sediados na fábrica da empresa no Grande ABC. O início da fabricação na região foi aprovado em outubro pela matriz da Ford, nos Estados Unidos, depois de cinco anos de intensas negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (filiado à CUT).

O presidente da Ford Brasil, Berry Engle, destacou que os trabalhos no desenvolvimento do veículo estão em ritmo acelerado. No entanto, evitou dar maiores detalhes. "Estamos debruçados nisso há algum tempo. Fazer um carro não é algo fácil e requer muito trabalho", disse.

Estrangulamento - A chegada do novo carro compacto faz parte de um audacioso planejamento da Ford de retomar um forte ritmo de crescimento das vendas no país. Para o biênio 2006/2007, a montadora considera inviável a possibilidade de ampliar o resultado no mercado interno, por enquanto. Motivo: a empresa não tem como aumentar o volume de produção. Atualmente, a participação da montadora no Brasil é de 12,4%.

A falta de perspectiva de acentuado crescimento no biênio ocorre porque a unidade da Ford em Camaçari (BA) opera na capacidade máxima, de 250 mil veículos por ano, e com três turnos de produção. Outro motivo é que a montadora não deverá lançar veículos totalmente novos até a chegada desse compacto.

Nos bastidores, especula-se que o novo compacto da Ford terá a mesma plataforma do Fiesta Street (versão anterior do modelo), produzido na fábrica de São Bernardo especificamente para frotistas. A montadora, porém, evita adiantar detalhes do automóvel.

Empregos - Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijóo, a vinda do novo veículo para a fábrica do Grande ABC é muito importante para garantir o número de empregos. A unidade conta hoje com 4 mil trabalhadores.

"Foi uma negociação importante que a gente conseguiu bons frutos", disse (leia sobre o assunto em matéria nesta página). Feijóo também acredita na volta dos três turnos de produção e no reestabelecimento da jornada de trabalho de 40 horas semanais. A fábrica trabalha com 32 horas na semana.

Com o novo modelo, a expectativa é retomar grande parte da capacidade total da linha de produção da unidade, de 200 mil veículos por ano, envolvendo veículos de passeio e caminhões. No entanto, o local deverá fechar 2005 com um volume de 84,5 mil unidades - apenas 42% de sua capacidade.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ford acelera projeto de novo carro na fábrica de S.Bernardo

Eric Fujita
Do Diário do Grande ABC

15/01/2006 | 09:02


De olho na retomada do crescimento acentuado das vendas, a Ford iniciou o desenvolvimento do projeto de seu novo veículo compacto - popular -, previsto para chegar ao mercado em 2008. O modelo será produzido na fábrica de São Bernardo como a principal aposta da montadora para ganhar mais terreno no mercado interno. Entre os funcionários, o produto também se tornou a esperança de manter o atual nível de empregos e reduzir a capacidade ociosa da unidade.

A elaboração do novo carro está a cargo de engenheiros brasileiros, sediados na fábrica da empresa no Grande ABC. O início da fabricação na região foi aprovado em outubro pela matriz da Ford, nos Estados Unidos, depois de cinco anos de intensas negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (filiado à CUT).

O presidente da Ford Brasil, Berry Engle, destacou que os trabalhos no desenvolvimento do veículo estão em ritmo acelerado. No entanto, evitou dar maiores detalhes. "Estamos debruçados nisso há algum tempo. Fazer um carro não é algo fácil e requer muito trabalho", disse.

Estrangulamento - A chegada do novo carro compacto faz parte de um audacioso planejamento da Ford de retomar um forte ritmo de crescimento das vendas no país. Para o biênio 2006/2007, a montadora considera inviável a possibilidade de ampliar o resultado no mercado interno, por enquanto. Motivo: a empresa não tem como aumentar o volume de produção. Atualmente, a participação da montadora no Brasil é de 12,4%.

A falta de perspectiva de acentuado crescimento no biênio ocorre porque a unidade da Ford em Camaçari (BA) opera na capacidade máxima, de 250 mil veículos por ano, e com três turnos de produção. Outro motivo é que a montadora não deverá lançar veículos totalmente novos até a chegada desse compacto.

Nos bastidores, especula-se que o novo compacto da Ford terá a mesma plataforma do Fiesta Street (versão anterior do modelo), produzido na fábrica de São Bernardo especificamente para frotistas. A montadora, porém, evita adiantar detalhes do automóvel.

Empregos - Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijóo, a vinda do novo veículo para a fábrica do Grande ABC é muito importante para garantir o número de empregos. A unidade conta hoje com 4 mil trabalhadores.

"Foi uma negociação importante que a gente conseguiu bons frutos", disse (leia sobre o assunto em matéria nesta página). Feijóo também acredita na volta dos três turnos de produção e no reestabelecimento da jornada de trabalho de 40 horas semanais. A fábrica trabalha com 32 horas na semana.

Com o novo modelo, a expectativa é retomar grande parte da capacidade total da linha de produção da unidade, de 200 mil veículos por ano, envolvendo veículos de passeio e caminhões. No entanto, o local deverá fechar 2005 com um volume de 84,5 mil unidades - apenas 42% de sua capacidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;