Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Informe diz que existem escravas domésticas na Europa


Das Agências

26/06/2001 | 17:02


Um informe do Conselho da Europa divulgou nesta terça-feira que existem milhares de escravas domésticas na Europa, incluindo as latino-americanas, num total de 4 milhões de mulheres vendidas a cada ano no mundo.

De acordo com os diplomatas, a maioria das escravas provém da Índia, Indonésia, Filipinas e Srilanka. Na Espanha, as escravas domésticas são originárias da África, principalmente do Marrocos, e outras vêm da América Latina.

Na Grã-Bretanha, a Organização Não Governamental (ONG) Kalayaan se ocupa de 4 mil domésticas originárias de 29 países. Delas, 84% sofreram violência psicológica, 54% foram seqüestradas, 38% foram agredidas e 10% foram vítimas de abusos sexuais.

Na Bélgica, a maioria das vítimas são originárias das Filipinas e trabalham para diplomatas que servem em Bruxelas.

Na Áustria, a maior parte dos casos descobertos põem também os diplomatas nos bancos dos réus.

Na Itália, a escravidão doméstica ainda não foi traduzida em números, mas pode-se prever numerosos casos de exploração, próximas à escravidão.

As jovens são recrutadas por agências, mas também são vítimas de traficantes que as compram, por exemplo a US$ 1 mil, para revendê-las mais tarde por três vezes mais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Informe diz que existem escravas domésticas na Europa

Das Agências

26/06/2001 | 17:02


Um informe do Conselho da Europa divulgou nesta terça-feira que existem milhares de escravas domésticas na Europa, incluindo as latino-americanas, num total de 4 milhões de mulheres vendidas a cada ano no mundo.

De acordo com os diplomatas, a maioria das escravas provém da Índia, Indonésia, Filipinas e Srilanka. Na Espanha, as escravas domésticas são originárias da África, principalmente do Marrocos, e outras vêm da América Latina.

Na Grã-Bretanha, a Organização Não Governamental (ONG) Kalayaan se ocupa de 4 mil domésticas originárias de 29 países. Delas, 84% sofreram violência psicológica, 54% foram seqüestradas, 38% foram agredidas e 10% foram vítimas de abusos sexuais.

Na Bélgica, a maioria das vítimas são originárias das Filipinas e trabalham para diplomatas que servem em Bruxelas.

Na Áustria, a maior parte dos casos descobertos põem também os diplomatas nos bancos dos réus.

Na Itália, a escravidão doméstica ainda não foi traduzida em números, mas pode-se prever numerosos casos de exploração, próximas à escravidão.

As jovens são recrutadas por agências, mas também são vítimas de traficantes que as compram, por exemplo a US$ 1 mil, para revendê-las mais tarde por três vezes mais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;