Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Crianças de rua estão em 116 pontos na região


Vanessa Fajardo
Do Diário do Grande ABC

24/07/2008 | 07:04


As crianças em situação de rua do Grande ABC estão espalhadas por 116 pontos na região. O mapeamento é resultado da primeira fase do Projeto ABC Integrado apresentado, ontem, no campus Rudge Ramos da Universidade Metodista, em São Bernardo.

Na contagem inicial divulgada no início de junho foram identificados 82 locais públicos, o número subiu depois que prefeituras e conselhos tutelares indicaram novos pontos que foram confirmados pelos pesquisadores. Os endereços não foram informados para não comprometer o andamento da pesquisa.

Santo André continua com o maior número de concentrações (subiu de 29 para 37), seguido por São Bernardo, que passou de 19 para 27. Em Diadema foram identificados 20 locais (sete a mais do que na primeira contagem). São Caetano surpreendeu os pesquisadores ao apresentar o dobro do número de pontos da primeira visita - saltou de oito para 19 (a Prefeitura foi procurada para comentar o assunto, mas não retornou ao pedido de informações).

Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra mantiveram os indicadores com oito, três e dois locais, respectivamente.

A encarregada de atenção à infância e adolescência de Santo André, Andréa Couto, explicou que o alto número de pontos no município se deve a presença de garotos do bairro São Mateus, em São Paulo.

Coordenado pela Fundação Projeto Travessia e Universidade Metodista, o ABC Integrado visa traçar políticas públicas integradas para lidar com a população de rua com base nos dados apresentados.

A pesquisa ainda identificou que cerca de 47% das crianças e adolescentes encontrados nos 116 pontos ficam no entorno de corredores de comércio, bares e restaurantes, enquanto outros 12% se concentram próximos aos paços municipais, em praças e calçadões. A maioria deles aparece às sextas-feiras no período da tarde.

Finalizada a primeira etapa, o Projeto ABC Integrado avança, no início de agosto, para a contagem de crianças e adolescentes. No próximo passo, em setembro, o projeto vai traçar o perfil dos jovens.

Responsável pelo Projeto Meninos e Meninas de Rua em São Bernardo e Diadema, Marco Antônio da Silva também aponta a mesma necessidade. "O Brasil é um País cruel, onde trabalha-se quando criança e na vida adulta sofre com o desemprego. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) já completou 18 anos e a hora é de promover políticas públicas."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Crianças de rua estão em 116 pontos na região

Vanessa Fajardo
Do Diário do Grande ABC

24/07/2008 | 07:04


As crianças em situação de rua do Grande ABC estão espalhadas por 116 pontos na região. O mapeamento é resultado da primeira fase do Projeto ABC Integrado apresentado, ontem, no campus Rudge Ramos da Universidade Metodista, em São Bernardo.

Na contagem inicial divulgada no início de junho foram identificados 82 locais públicos, o número subiu depois que prefeituras e conselhos tutelares indicaram novos pontos que foram confirmados pelos pesquisadores. Os endereços não foram informados para não comprometer o andamento da pesquisa.

Santo André continua com o maior número de concentrações (subiu de 29 para 37), seguido por São Bernardo, que passou de 19 para 27. Em Diadema foram identificados 20 locais (sete a mais do que na primeira contagem). São Caetano surpreendeu os pesquisadores ao apresentar o dobro do número de pontos da primeira visita - saltou de oito para 19 (a Prefeitura foi procurada para comentar o assunto, mas não retornou ao pedido de informações).

Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra mantiveram os indicadores com oito, três e dois locais, respectivamente.

A encarregada de atenção à infância e adolescência de Santo André, Andréa Couto, explicou que o alto número de pontos no município se deve a presença de garotos do bairro São Mateus, em São Paulo.

Coordenado pela Fundação Projeto Travessia e Universidade Metodista, o ABC Integrado visa traçar políticas públicas integradas para lidar com a população de rua com base nos dados apresentados.

A pesquisa ainda identificou que cerca de 47% das crianças e adolescentes encontrados nos 116 pontos ficam no entorno de corredores de comércio, bares e restaurantes, enquanto outros 12% se concentram próximos aos paços municipais, em praças e calçadões. A maioria deles aparece às sextas-feiras no período da tarde.

Finalizada a primeira etapa, o Projeto ABC Integrado avança, no início de agosto, para a contagem de crianças e adolescentes. No próximo passo, em setembro, o projeto vai traçar o perfil dos jovens.

Responsável pelo Projeto Meninos e Meninas de Rua em São Bernardo e Diadema, Marco Antônio da Silva também aponta a mesma necessidade. "O Brasil é um País cruel, onde trabalha-se quando criança e na vida adulta sofre com o desemprego. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) já completou 18 anos e a hora é de promover políticas públicas."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;