Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

R.Pires revoga distância entre torres de telefonia celular


Miriam Gimenes
Especial para o Diário

22/07/2005 | 08:21


A lei que determinava distância mínima de 1,50 m entre as torres retransmissoras de telefonia celular foi revogada pela Câmara de Ribeirão Pires. Em sessão extraordinária, quarta-feira, os vereadores votaram a mudança de dois artigos, que deverão beneficiar a comunicação por ondas dentro da cidade. O principal objetivo é incentivar a implantação de empresas no município, já que o serviço de celular é deficiente e a internet rápida não existe.

A antiga lei, sancionada em 1999, determinava que todas as torres e chaminés de qualquer natureza deveriam ter um afastamento mínimo correspondente a 1/5 de sua altura, sem ultrapassar o limite de 1,50 metro. Segundo o presidente da Câmara, Saulo Benevides (PTB), as restrições impediam a instalação das torres que permitiriam a vinda de novas empresas para região.

Agora, os vereadores estão preparando um projeto, em parceria com a Prefeitura, que incentiva empresas para investimentos em Ribeirão. "A comunicação é essencial para que o projeto saia do papel", diz Benevides.

Não só os problemas com serviço celular afligem os empresários e munícipes de Ribeirão Pires. A internet banda larga também é afetada pela falta de estrutura, enquanto a discada tem capacidade limitada. Em alguns bairros, como Quarta Divisão e Santa Luzia, essas facilidades tecnológicas inexistem. Indústrias, supermercados e estabelecimentos comerciais perdem assim competitividade e dinheiro. Cerca de 13 mil pessoas e 18 mil empresas são afetadas no município.

Saída – O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcelo Dias Menato, afirma que ficou surpreso com as restrições da lei antiga. "A lei quase que proíbe a implantação de torres de telefonia na cidade". Segundo ele, outras alternativas estão sendo estudadas para suprir essa necessidade. Uma delas é a instalação da tecnologia Wi-Max, que permite, através de um roteador, a interligação de computadores sem o uso do fio. A torre de transmissão atinge raio de até 40 quilômetros. "Acredito que duas dessas supririam os problemas de Ribeirão", completa. A vinda deste tipo de tecnologia ainda está em negociação e não tem previsão de instalação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

R.Pires revoga distância entre torres de telefonia celular

Miriam Gimenes
Especial para o Diário

22/07/2005 | 08:21


A lei que determinava distância mínima de 1,50 m entre as torres retransmissoras de telefonia celular foi revogada pela Câmara de Ribeirão Pires. Em sessão extraordinária, quarta-feira, os vereadores votaram a mudança de dois artigos, que deverão beneficiar a comunicação por ondas dentro da cidade. O principal objetivo é incentivar a implantação de empresas no município, já que o serviço de celular é deficiente e a internet rápida não existe.

A antiga lei, sancionada em 1999, determinava que todas as torres e chaminés de qualquer natureza deveriam ter um afastamento mínimo correspondente a 1/5 de sua altura, sem ultrapassar o limite de 1,50 metro. Segundo o presidente da Câmara, Saulo Benevides (PTB), as restrições impediam a instalação das torres que permitiriam a vinda de novas empresas para região.

Agora, os vereadores estão preparando um projeto, em parceria com a Prefeitura, que incentiva empresas para investimentos em Ribeirão. "A comunicação é essencial para que o projeto saia do papel", diz Benevides.

Não só os problemas com serviço celular afligem os empresários e munícipes de Ribeirão Pires. A internet banda larga também é afetada pela falta de estrutura, enquanto a discada tem capacidade limitada. Em alguns bairros, como Quarta Divisão e Santa Luzia, essas facilidades tecnológicas inexistem. Indústrias, supermercados e estabelecimentos comerciais perdem assim competitividade e dinheiro. Cerca de 13 mil pessoas e 18 mil empresas são afetadas no município.

Saída – O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcelo Dias Menato, afirma que ficou surpreso com as restrições da lei antiga. "A lei quase que proíbe a implantação de torres de telefonia na cidade". Segundo ele, outras alternativas estão sendo estudadas para suprir essa necessidade. Uma delas é a instalação da tecnologia Wi-Max, que permite, através de um roteador, a interligação de computadores sem o uso do fio. A torre de transmissão atinge raio de até 40 quilômetros. "Acredito que duas dessas supririam os problemas de Ribeirão", completa. A vinda deste tipo de tecnologia ainda está em negociação e não tem previsão de instalação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;