Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Restituição ajuda tapar
os buraco das dívidas


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

18/06/2011 | 07:30


A Receita Federal começou a creditar as restituições do Imposto de Renda de Pessoa Física. Seja qual for o valor, o primeiro passo indicado pelos especialistas da área financeira é pagar as dívidas.

Ao colocar os pesos na balança, o consumidor endividado tem vantagem liquidando seus débitos. Qualquer investimento disponível ao brasileiro não oferece retorno superior ao custo do crédito. E a conta é simples. O dinheiro vale mais exterminando os juros, que elevam bem mais ao mês do que o retorno dos investimentos.

"Independentemente do valor, quem tiver dívida provavelmente tenha taxa de juros maior que o investimento que vai dar de retorno. Então pague as dívidas", orientou o professor de Finanças da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, Mário Amigo.

Levantamento da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade aponta que um dos menores juros aos consumidores é o do Crédito Direto ao Consumidor dos bancos. Em maio, o custo médio deste empréstimo, utilizado em maioria para aquisição de veículos, era de 33,23% ao ano.

A caderneta de poupança, por exemplo, retorna cerca de 6% ao ano. E os títulos do Tesouro giram em torno de 12% ao ano de lucro bruto. Essas aplicações são consideradas seguras, com quase 100% de chance que o aplicador não perca parte do dinheiro investido.

Na ponta do lápis, dívida de R$ 1.000 atingiria R$ 1.332 em um ano, no CDC. O mesmo valor aplicado no Tesouro Direto acumularia R$ 1.120. Portanto liquidar o débito com o dinheiro da restituição, ao invés de aplicar, geraria economia de R$ 212. O resultado considera que o consumidor investiria o valor inicial para pagar a dívida em um ano.

IMOBILIÁRIO

O professor de Finanças José Ricardo Escolá de Araújo, da Universidade Municipal de São Caetano, Trevisan Escola de Negócios, Fundação Getulio Vargas e consultor da Federação Brasileira de Bancos, destacou que os juros dos financiamentos imobiliários são os únicos que não entram na conta. O percentual é, muitas vezes, inferior ao possível retorno dos investimentos. Neste caso pode ser boa ideia aplicar, mas contanto que o consumidor compare as taxas.

BOM PAGADOR

O aposentado andreense Nelson Ferraraz tem R$ 530 para restituir. Seu nome está no primeiro lote, que foi pago na quarta-feira. Suas dívidas estão controladas. "Penso em comprar um carro novo e vou usar o dinheiro (da restituição) para colocar insufilm, ou comprar algum acessório."

Ferraraz descartou a hipótese de investir o valor. "É muito pouco, não vale a pena", disse. Mário Amigo, da Fipecafi, afirmou que aplicar é a segunda opção para quem não está endividado. "Os CDBs dos bancos e os fundos de renda fixa são boas opções para o curto prazo", avaliou o professor. O consumidor pode contratar essas modalidades direto com o gerente do banco.

Escolá de Araújo explicou que o fundo de renda fixa tem facilidade para resgate, rende pouco mais que a poupança e também é seguro.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;