Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Bancada da arma' racha e briga por presidência


Renan Cacioli
Do Diário do Grande ABC

22/07/2005 | 08:21


O referendo sobre a venda de armas de fogo no país, que será realizado dia 23 de outubro, ganhou novo capítulo nesta quinta-feira, e dos mais explosivos. O grupo da "bancada da arma" – favorável à venda de armamentos – encaminhou nesta quinta-feira ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o registro da chapa que já entrará na campanha rachada: tudo por causa da disputa entre os deputados Alberto Fraga (PFL-DF) e Luiz Antônio Fleury Filho (PTB-SP) pela presidência da frente. Por enquanto, caberá a Fraga assumir o grupo.

"Já fiz o registro da frente. Eu como presidente e o deputado Fleury como primeiro vice-presidente", disse nesta quinta-feira à noite, ao Diário, Alberto Fraga. Por meio de sua assessoria de imprensa, Fleury rebate prontamente: "Se ficar desse jeito, eu saio, não participo da frente."

A alegação do petebista é de que ele não foi consultado. Caso não haja mudança na configuração da chapa, Fleury encaminhará ofício solicitando a retirada do seu nome da frente. "A questão é que quem criou a frente fui eu, em 12 de maio, e não sei por que cargas d'água o deputado Fleury quer ser o presidente", alfinetou Fraga. "Com o apoio dos meus colegas (de acordo com Fraga, 128 pessoas), fiz a chapa e ele é o primeiro vice-presidente. Se ele não quiser, paciência. Ele simplesmente deixará a frente."

Enquanto isso, o grupo da frente parlamentar Brasil Sem Armas – favorável à proibição do referendo – já definira na terça-feira o seu líder, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Último dia – Quem precisa regularizar sua situação eleitoral para participar do referendo sobre a venda de armas de fogo no país, em 23 de outubro, tem prazo até este sábado para fazê-lo. Os cartórios eleitorais do Grande ABC, seguindo determinação do TRE (Tribunal Eleitoral Regional), farão plantão para a inscrição de novos eleitores, transferência de títulos e encaminhamento de pedido de segunda via do documento. O horário de funcionamento do plantão deste sábado será das 9h às 18h. Em São Caetano, a previsão é de que os cartórios funcionem das 13h às 18h.

A consulta popular sobre o desarmamento, aprovada dia 6 na Câmara dos Deputados, assim como o voto nas eleições gerais e municipais, é obrigatória a todos os eleitores – exceto para as pessoas com idades entre 16 e 18 anos ou mais de 70 anos, para as quais o voto é facultativo. No dia 23 de outubro será feita a seguinte pergunta na cédula: "O comércio de armas de fogo e munições deve ser proibido no Brasil?". Haverá opções "sim" e "não". A decisão será por maioria simples.

Segundo o balanço mais recente da Campanha do Desarmamento, divulgado no site da Polícia Federal, já foram recolhidas 356.387 armas em todo o país. Somadas às armas entregues pela população ao Exército, esse número chega a 380 mil.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Bancada da arma' racha e briga por presidência

Renan Cacioli
Do Diário do Grande ABC

22/07/2005 | 08:21


O referendo sobre a venda de armas de fogo no país, que será realizado dia 23 de outubro, ganhou novo capítulo nesta quinta-feira, e dos mais explosivos. O grupo da "bancada da arma" – favorável à venda de armamentos – encaminhou nesta quinta-feira ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o registro da chapa que já entrará na campanha rachada: tudo por causa da disputa entre os deputados Alberto Fraga (PFL-DF) e Luiz Antônio Fleury Filho (PTB-SP) pela presidência da frente. Por enquanto, caberá a Fraga assumir o grupo.

"Já fiz o registro da frente. Eu como presidente e o deputado Fleury como primeiro vice-presidente", disse nesta quinta-feira à noite, ao Diário, Alberto Fraga. Por meio de sua assessoria de imprensa, Fleury rebate prontamente: "Se ficar desse jeito, eu saio, não participo da frente."

A alegação do petebista é de que ele não foi consultado. Caso não haja mudança na configuração da chapa, Fleury encaminhará ofício solicitando a retirada do seu nome da frente. "A questão é que quem criou a frente fui eu, em 12 de maio, e não sei por que cargas d'água o deputado Fleury quer ser o presidente", alfinetou Fraga. "Com o apoio dos meus colegas (de acordo com Fraga, 128 pessoas), fiz a chapa e ele é o primeiro vice-presidente. Se ele não quiser, paciência. Ele simplesmente deixará a frente."

Enquanto isso, o grupo da frente parlamentar Brasil Sem Armas – favorável à proibição do referendo – já definira na terça-feira o seu líder, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Último dia – Quem precisa regularizar sua situação eleitoral para participar do referendo sobre a venda de armas de fogo no país, em 23 de outubro, tem prazo até este sábado para fazê-lo. Os cartórios eleitorais do Grande ABC, seguindo determinação do TRE (Tribunal Eleitoral Regional), farão plantão para a inscrição de novos eleitores, transferência de títulos e encaminhamento de pedido de segunda via do documento. O horário de funcionamento do plantão deste sábado será das 9h às 18h. Em São Caetano, a previsão é de que os cartórios funcionem das 13h às 18h.

A consulta popular sobre o desarmamento, aprovada dia 6 na Câmara dos Deputados, assim como o voto nas eleições gerais e municipais, é obrigatória a todos os eleitores – exceto para as pessoas com idades entre 16 e 18 anos ou mais de 70 anos, para as quais o voto é facultativo. No dia 23 de outubro será feita a seguinte pergunta na cédula: "O comércio de armas de fogo e munições deve ser proibido no Brasil?". Haverá opções "sim" e "não". A decisão será por maioria simples.

Segundo o balanço mais recente da Campanha do Desarmamento, divulgado no site da Polícia Federal, já foram recolhidas 356.387 armas em todo o país. Somadas às armas entregues pela população ao Exército, esse número chega a 380 mil.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;