Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Telefone por minuto: cuidado ao optar


Guilherme Yoshida
Do Diário do Grande ABC

10/03/2007 | 20:17


A partir de sexta-feira, as operadoras de telefonia fixa de todo o País começam a tarifar as ligações locais por minuto. Até julho, todas elas serão obrigadas a ofertar dois tipos de plano: o básico e o Pasoo (abreviação de Plano Alternativo de Serviço de Oferta Obrigatória).

A diferença é que o último permitirá, com a assinatura, uma franquia de 400 minutos mensais, enquanto o básico ficará em 200. No horário reduzido será cobrada uma taxa fixa, independentemente do plano adquirido e da duração da chamada. A criação do plano alternativo visou beneficiar quem usa muito o telefone, especialmente a internet por linha discada.

A grande novidade, no entanto, é que o consumidor poderá escolher de que forma seus minutos serão cobrados, isto é, o plano no qual acredita se enquadrar, como acontece na telefonia celular.

E este novo recurso pede muita atenção, segundo os órgãos de defesa do consumidor. A recomendação é para esperar a conta vir automaticamente pelo plano básico (indicado para ligações curtas) e posteriormente pedir o detalhamento das chamadas locais nas cobranças de telefone, para conhecer de maneira mais profunda o próprio perfil de consumo e, assim, escolher o plano mais adequado. Se preferir, o consumidor também poderá, antes da escolha, ligar para a operadora e solicitar o envio do seu perfil de uso, o que também ajudará na opção.

Para o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), o número de pulsos tarifados não é informação suficiente para que o consumidor possa escolher com segurança um plano. O mais indicado é fazer isso a partir da observação sobre o número de minutos gastos nas ligações.

Já a Associação Pro Teste aponta que o plano básico só vale a pena para quem usa o telefone para três ligações por dia, de até três minutos cada uma. Isso porque no plano Pasoo será cobrado R$ 0,03 para cada minuto que ultrapassar o limite da franquia.

A entidade alerta ao consumidor que costuma falar muito ao telefone fixo, e utiliza a linha discada para acesso à internet, que se optar pelo plano básico vai pagar mais do que se optasse pelo alternativo.

Outro cuidado é em relação aos planos alternativos próprios que as empresas oferecem, pois são de responsabilidade exclusiva das prestadoras e cada uma dita as próprias regras.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Telefone por minuto: cuidado ao optar

Guilherme Yoshida
Do Diário do Grande ABC

10/03/2007 | 20:17


A partir de sexta-feira, as operadoras de telefonia fixa de todo o País começam a tarifar as ligações locais por minuto. Até julho, todas elas serão obrigadas a ofertar dois tipos de plano: o básico e o Pasoo (abreviação de Plano Alternativo de Serviço de Oferta Obrigatória).

A diferença é que o último permitirá, com a assinatura, uma franquia de 400 minutos mensais, enquanto o básico ficará em 200. No horário reduzido será cobrada uma taxa fixa, independentemente do plano adquirido e da duração da chamada. A criação do plano alternativo visou beneficiar quem usa muito o telefone, especialmente a internet por linha discada.

A grande novidade, no entanto, é que o consumidor poderá escolher de que forma seus minutos serão cobrados, isto é, o plano no qual acredita se enquadrar, como acontece na telefonia celular.

E este novo recurso pede muita atenção, segundo os órgãos de defesa do consumidor. A recomendação é para esperar a conta vir automaticamente pelo plano básico (indicado para ligações curtas) e posteriormente pedir o detalhamento das chamadas locais nas cobranças de telefone, para conhecer de maneira mais profunda o próprio perfil de consumo e, assim, escolher o plano mais adequado. Se preferir, o consumidor também poderá, antes da escolha, ligar para a operadora e solicitar o envio do seu perfil de uso, o que também ajudará na opção.

Para o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), o número de pulsos tarifados não é informação suficiente para que o consumidor possa escolher com segurança um plano. O mais indicado é fazer isso a partir da observação sobre o número de minutos gastos nas ligações.

Já a Associação Pro Teste aponta que o plano básico só vale a pena para quem usa o telefone para três ligações por dia, de até três minutos cada uma. Isso porque no plano Pasoo será cobrado R$ 0,03 para cada minuto que ultrapassar o limite da franquia.

A entidade alerta ao consumidor que costuma falar muito ao telefone fixo, e utiliza a linha discada para acesso à internet, que se optar pelo plano básico vai pagar mais do que se optasse pelo alternativo.

Outro cuidado é em relação aos planos alternativos próprios que as empresas oferecem, pois são de responsabilidade exclusiva das prestadoras e cada uma dita as próprias regras.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;