Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Opositor boliviano lamenta detenção do cocaleiro peruano


Da AFP

01/03/2003 | 16:46


O líder dos cocaleiros e da oposição boliviana, Evo Morales, lamentou neste sábado a detenção do dirigente dos produtores de coca peruanos, Nelson Palomino, e pediu às autoridades de Lima para não deixarem sem líder o movimento popular na selva central do Peru.

"Soube pela imprensa que ele foi preso e quero dizer a Palomino que sou solidário a ele", declarou Morales, feroz opositor das políticas de erradicação de coca, que provocaram nos últimos dias uma greve por tempo indeterminado de camponeses cocaleiros peruanos.

"Ao governo peruano (de Alejandro Toledo), digo que é um erro prender a liderança de um movimento popular e, a meus companheiros (cocaleiros peruanos), digo que apesar da repressão vamos continuar crescendo", declarou o líder boliviano.

Morales, chefe do Movimento ao Socialismo, principal formação da oposição boliviana, negou ter vínculos com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Opositor boliviano lamenta detenção do cocaleiro peruano

Da AFP

01/03/2003 | 16:46


O líder dos cocaleiros e da oposição boliviana, Evo Morales, lamentou neste sábado a detenção do dirigente dos produtores de coca peruanos, Nelson Palomino, e pediu às autoridades de Lima para não deixarem sem líder o movimento popular na selva central do Peru.

"Soube pela imprensa que ele foi preso e quero dizer a Palomino que sou solidário a ele", declarou Morales, feroz opositor das políticas de erradicação de coca, que provocaram nos últimos dias uma greve por tempo indeterminado de camponeses cocaleiros peruanos.

"Ao governo peruano (de Alejandro Toledo), digo que é um erro prender a liderança de um movimento popular e, a meus companheiros (cocaleiros peruanos), digo que apesar da repressão vamos continuar crescendo", declarou o líder boliviano.

Morales, chefe do Movimento ao Socialismo, principal formação da oposição boliviana, negou ter vínculos com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;