Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Faltam profissionais para área hoteleira

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

03/12/2012 | 06:24


O setor de hotelaria registra atualmente intensa procura por profissionais qualificados. Um dos fatores é o aquecimento da própria atividade, que vai ganhar ainda mais dinamismo nos próximos anos. Na região, por exemplo, há projetos para novos empreendimentos em Santo André, São Bernardo e em São Caetano. Além disso, há disputa por mão de obra que atua na área por parte de outros segmentos.

Redes hoteleiras com operações no Grande ABC relatam a dificuldade que têm observado para encontrar pessoas preparadas para trabalhar no ramo. O gerente geral do Park Plaza, de São Bernardo, Alexandre Câmara, cita que sobretudo em funções mais operacionais - como camareira ou técnico em manutenção - há carência de pessoal. "Sempre temos vagas em aberto, mas o turnover (a rotatividade) é alta na hotelaria", assinala. Na última semana, havia a oferta de oito empregos, que abrangiam desde governança, manutenção até o trabalho como recepcionista, no estabelecimento.

Além de se queixar de que muitas pessoas vinham em busca de colocação com deficiências básicas de escolaridade, Câmara cita que profissionais de manutenção, por exemplo, têm dado preferência a trabalhar na construção civil, que também segue aquecida.

 

Maurício Reis, gerente de recursos humanos do grupo Accor (que tem três unidades de hotéis na região, dois da bandeira Mercure e um Ibis), observa que a indústria também tem tirado mão de obra da atividade. Ele relata, por exemplo, que a hotelaria não consegue competir com empresas industriais, que têm horários menos flexíveis e, de forma geral, tem salários mais altos.

Reis cita que, no mercado de São Paulo, uma camareira recebe em torno de R$ 1.000 a R$ 1.200 mais benefícios, enquanto um encarregado de manutenção tem salário que gira em R$ 1.800.

TREINAMENTO - Para suprir deficiências de formação, diversas redes hoteleiras oferecem treinamento aos profissionais. É o caso da Academia Accor, universidade corporativa do grupo, que existe há 20 anos e que tem como foco mostrar o estilo de trabalho e a forma de atendimento.

Em 2011, a companhia treinou 17,7 mil pessoas (o número é alto porque muitos funcionários fizeram mais de um curso), o que representou 240 mil horas de aulas

 

 

Cresce demanda por pessoas capacitadas

 

Executivos das redes hoteleiras avaliam que existem boas opções de escolas para atuar na área. A questão é que a demanda por profissionais é elevada.

A coordenadora de bacharelado em hotelaria do Senac-SP, Daniela Flores, cita que outros segmentos, como bares, shoppings e até bancos e empresas de tecnologia (como a Microsoft), têm buscado estagiários ou formandos, por causa da especialização que o curso oferece - que inclui disciplinas como marketing, administração, vendas e administração de empresas.

Com quatro anos de duração, o bacharelado (oferecido no campus Santo Amaro, na Capital) alia conhecimento teórico à atuação prática, por meio de parcerias com outras instituições de ensino no Exterior e empresas do ramo. Tem convênio, por exemplo, com o Fohb (Fórum de Operadores Hoteleiros no Brasil), que representa mais de 500 hotéis de rede no Brasil. Como exemplo dessa preparação, dos dias 7 a 9, a entidade realiza o programa Alunos no Comando, em que estudantes assumem a gestão do Grande Hotel Escola Águas de São Pedro, no interior de São Paulo.

Daniela cita que, ao mesmo tempo em que a demanda é intensa, também se percebe maior interesse das pessoas em fazer cursos na área. Um dos fatores é a Copa do Mundo, que ajuda a dar mais visibilidade à profissão, na avaliação do gerente de RH do grupo Accor, Maurício Reis.

NA REGIÃO - No Grande ABC, há cursos técnicos na área, como o de hospedagem, promovido pelo Centro Paula Souza, do governo do Estado, que opera as Etecs (Escolas Técnicas Estaduais). O programa é oferecido na unidade Júlio de Mesquita, em Santo André, e em outras dez escolas no Estado.

Ao todo, 665 alunos estão matriculados nesse curso nas 11 Etecs neste semestre. Desse total, 61 estudantes são do Grande ABC.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;