Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Microcrédito produtivo atende 2 mil


Mariana Oliveira
Do Diário do Grande ABC

06/03/2005 | 18:54


Uma das principais ferramentas de desenvolvimento local, o microcrédito produtivo movimentou R$ 3,9 milhões em 2,12 mil operações no ano passado no Grande ABC, segundo dados da sete instituições que oferecem esse tipo de crédito na região.

A modalidade beneficia microempresários e empreendedores formais e informais, inclusive os que não têm acesso ao sistema bancário. No Brasil, o microcrédito movimentou em 2004 aproximadamente R$ 75 milhões e beneficiou cerca de 250 mil pessoas, de acordo com a Senaes (Secretaria Nacional de Economia Solidária).

Para ressaltar a importância desse tipo de crédito, a ONU (Organização das Nações Unidas) instituiu 2005 como o Ano Internacional do Microcrédito. "O microcrédito é uma arma de luta contra a pobreza mundial, uma vez que favorece a população de baixa renda", explica o economista Paul Singer, coordenador da Senaes.

Ao contrário de outros tipos de empréstimos, o microcrédito produtivo é voltado para microempresas e empreendedores com faturamento anual de até R$ 150 mil – pode variar de acordo com a entidade repassadora do benefício. Além disso, o crédito é concedido pelos agentes repassadores de microcrédito: prefeituras, Oscips (Organizações da Sociedade Civil e de Interesse Público), sindicatos e SCMs (Sociedades de Crédito ao Microempreendedor). As instituições fazem o acompanhamento da aplicação do recurso e fornecem assessoria para o beneficiário. Bancos públicos, como Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, oferecem microcrédito orientado somente para o consumo, e bancos privados não atuam nesse segmento.

Programa nacional – Na última quarta-feira, a Câmara Federal aprovou a medida provisória que cria o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado, que oferecerá créditos individuais de até R$ 5 mil. A MP ainda necessita tramitar no Senado. "Com a aprovação do programa, os bancos privados terão de repassar verbas para as entidades de microcrédito, o que ampliará a oferta no mercado", afirmou Paul Singer.

Para o presidente da Abcred (Associação Brasileira dos Dirigentes de Entidades Gestoras e Operadoras de Microcrédito – Crédito Popular Solidário e Entidades Similares), José Caetano Lavorato, o microcrédito não pode ser "paternalista" como os programas de transferência de renda, mas deve existir para proporcionar crescimento econômico. Além disso, precisa estar atrelado a políticas públicas de desenvolvimento local. "Quando o poder público oferece subsídios para redes de cooperação e arranjos locais, por exemplo, é provável que os empreendedores ou microempresários promovam expansão do negócio", avalia.

Lavorato explica que outro aspecto importante do microcrédito são os agentes de crédito, que realizam levantamento socioeconômico do interessado e orientam em relação às diretrizes que o empreendedor precisa seguir. "Essa é uma das diferenças em relação aos bancos comuns. O agente conhece o negócio e ajuda o beneficiário a detectar possíveis falhas."

O gerente de apoio ao financiamento do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas), Fábio Campos, destaca a necessidade de os microempresários e empreendedores participarem de programas de capacitação. "Muitos não têm a mínima noção do que é fluxo de caixa, por exemplo. E o papel do Sebrae é contribuir para a formação dos empreendedores. Ensinamos desde procedimentos simples, como por exemplo evitar o desperdício, até noções de administração de empresas", completa. Microempresários e empreendedores formais e informais que precisarem de orientações ou cursos de capacitação podem acessar a página da internet www.sebrae.org.br ou ligar para 0800-780202.

Grande ABC – Todas as sete cidades da região têm entidades que oferecem o microcrédito. É o caso do Banco do Povo – Crédito Solidário, que atende as cidades de Diadema, Mauá, Santo André e Ribeirão Pires, e o Banco do Povo Paulista, nos municípios de São Bernardo, São Caetano e Rio Grande da Serra.

O Banco do Povo-Crédito Solidário é uma Oscip e a verba do microcrédito é oriunda das prefeituras de cada cidade, da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André), dos sindicatos dos Bancários e dos Metalúrgicos do Grande ABC e da Cúria Diocesana de Santo André. Nas quatro cidades que atende, concede empréstimos que variam entre R$ 300 e R$ 8 mil para capital de giro (para compra de material de estoque e matéria-prima) e até R$ 15 mil para capital fixo (reformas e aquisição de maquinário). As taxas de juros variam entre 2,5% e 3,9%, de acordo com o valor do empréstimo. A TAC (Taxa de Abertura de Crédito) é de 3,9% do valor do crédito e financiamento é parcelado em até 24 vezes.

De acordo com o coordenador da entidade, Fernando Amorim, pessoas com nome incluído no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e na Serasa (Centralização de Serviço dos Bancos) são avaliadas e, se constatada a capacidade de assumir a dívida, podem ter o crédito liberado.

Já o Banco do Povo Paulista é mantido pelo governo do Estado, que utiliza a instituição Nossa Caixa Nosso Banco para administrar os recursos. A entidade concede de R$ 200 a R$ 5 mil para pessoas físicas ou jurídicas e até R$ 25 mil para cooperativas e associações. A taxa de juros é fixa (1%). O banco não cobra TAC, faz a consulta ao SPC/Serasa e parcela o empréstimo em até 18 vezes.

Para José Caetano Lavorato, da Abcred, o diferencial das Oscips (como o Banco do Povo--Crédito Solidário) é a participação da sociedade civil na distribuição dos recursos. "É uma visão moderna da gestão pública. O comprometimento dos agentes de crédito é maior do que no Banco do Povo Paulista, por exemplo, no qual os agentes são funcionários públicos e não pessoas que se capacitaram para a função", completa.

A cidade de Santo André foi a primeira no ranking de empréstimos no Grande ABC em 2004, com R$ 1,649 milhão disponibilizado em 873 operações. O Banco do Povo-Crédito Solidário opera na cidade desde 1998 e a escolheu para abrigar a coordenação da entidade. Em Mauá, o montante emprestado no ano passado foi de R$ 383,23 mil em 274 operações; em Ribeirão Pires, R$ 212,53 mil em 118 operações; e, em Diadema, R$ 353,96 mil em 210 operações.

Entre as cidades da região que têm Banco do Povo Paulista, São Caetano liberou R$ 665,2 mil em 275 operações no ano passado; Rio Grande da Serra disponibilizou R$ 91,45 mil em cerca de 50 empréstimos; e São Bernardo emprestou R$ 904,243 mil em 320 operações.

Em todas as cidades do Grande ABC, os principais favorecidos pelo microcrédito são os trabalhadores informais. Nas cidades com Banco do Povo – Crédito Solidário, os informais totalizaram 83% do total de clientes. Já no Banco do Povo Paulista, o contingente de informais foi aproximadamente 85% no ano passado.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;