Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Pai e filho são mortos em tiroteio


Luciana Sereno
Do Diário do Grande ABC

19/02/2005 | 17:59


Um tiroteio na tarde de sexta-feira na rua Frei Gaspar, no Centro de São Bernardo, resultou na morte de duas pessoas, deixou uma terceira ferida, além de ter gerado tumulto e interrompido o trânsito. A polícia não suspeita do que possa ter motivado o crime, mas segue em princípio duas linhas de investigação. A principal seria a de tentativa de roubo. No entanto, não descarta a possibilidade de uma execução, já que as vítimas fatais eram pai e filho, embora o sobrevivente não tenha qualquer vínculo familiar com os mortos. Os dois homens apontados como autores dos disparos fugiram. A única pista da polícia é a fita do circuito interno de um prédio por onde os criminosos teriam passado durante a fuga.

O crime ocorreu por volta das 14h. Segundo testemunhas, dois homens em uma moto teriam se aproximado do Marea verde ocupado pelas três vítimas e começado a atirar. No carro, estavam o motorista Sérgio Luiz de Almeida, 38 anos, seu filho, Alexandre Queirós de Almeida, 19, e o corretor de imóveis J.P., 57. Todos são moradores da Baixada Santista.

Os tiros teriam sido disparados pelo homem que ocupava a garupa da moto. “Foram muitos tiros. Quando sai para ver o que estava acontecendo, o povo corria pela rua”, conta um comerciante que não quis ser identificado. Além da movimentação dos pedestres, a testemunha conta ainda que chegou a ver uma das vítimas baleada correr pela via sentido rua Marechal Deodoro. “Os motoqueiros foram atrás e voltaram a atirar.”

A essa altura, o rapaz Alexandre Queirós estava morto no interior do carro e o corretor J.P. correu para a portaria de um prédio em frente. Quando a polícia chegou ao local, pai e filho estavam mortos. O sobrevivente, baleado no ombro, foi encaminhado ao Pronto-Socorro Municipal. No início da noite de sexta-feira, ele foi prestar depoimento, mas depois voltou ao hospital para que o atendimento médico fosse concluído.

Na delegacia, J.P. disse que os homens da moto anunciaram o assalto e começaram a atirar quando ele reagiu. O corretor de imóveis disse ainda que estava no carro como carona. “Ele afirma não ter relação com as outras vítimas. Diz que apenas os conhecia lá da praia e que conseguiu a carona para vir para a casa da prima, em Cotia”, explica a delegada da Homicídios, Kátia Cristófaro.

A família do sobrevivente também afirmou não conhecer a dupla assassinada. “Ele mora sozinho na praia e vem regularmente para a minha casa”, disse a prima. P. é separado, tem três filhos e um neto. “Pelo que nos falou agora, ele conheceu pai e filho numa transação na imobiliária e acabou conseguindo a carona.”

P., de acordo com a delegada responsável pela investigação do duplo homicídio, disse não ter condições de reconhecer os criminosos e tampouco fornecer informações para que seja elaborado retrato falado. “Mas ele está dopado por causa dos remédios e só conseguiremos informações mais precisas quando ele estiver recuperado”, afirma Kátia que por conta do depoimento da testemunha sobrevivente acabou obrigada a mudar a linha de investigação.

No local do crime, durante a tarde, as evidências periciais levavam a delegada a estudar outras hipóteses que não a de tentativa de roubo. “Mas agora temos a informação de que o assalto foi anunciado. Será a primeira linha seguida por nós, mas não descartaremos outras possibilidades.” Até o início da noite de sexta-feira, Kátia ainda não havia assistido à fita do circuito interno de um prédio próximo ao local do tiroteio para informar se há imagens da dupla da moto, apontada como autora dos disparos.

Dificuldade – Os policiais que atenderam à ocorrência no Centro de São Bernardo sexta-feira a tarde tiveram dificuldade para localizar a família do pai e filho mortos. O Marea usado na viagem não está no nome das vítimas e a polícia não divulgou o nome do proprietário que aparece no documento. O carro, porém, não tem queixa de roubo.

Foi somente por volta das 18h30 que os investigadores conseguiram localizar a mulher do motorista morto. “Não contamos que ele e o filho estão mortos”, explicou um dos policiais. A mulher foi orientada pela polícia a procurar uma delegacia da Praia Grande e deve chegar ao Grande ABC apenas na segunda-feira. Além de Alexandre, 19 anos, o casal tem outros três filhos menores. As primeiras informações conseguidas pela polícia dão conta ainda de que se trata de uma família de pequeno poder aquisitivo.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pai e filho são mortos em tiroteio

Luciana Sereno
Do Diário do Grande ABC

19/02/2005 | 17:59


Um tiroteio na tarde de sexta-feira na rua Frei Gaspar, no Centro de São Bernardo, resultou na morte de duas pessoas, deixou uma terceira ferida, além de ter gerado tumulto e interrompido o trânsito. A polícia não suspeita do que possa ter motivado o crime, mas segue em princípio duas linhas de investigação. A principal seria a de tentativa de roubo. No entanto, não descarta a possibilidade de uma execução, já que as vítimas fatais eram pai e filho, embora o sobrevivente não tenha qualquer vínculo familiar com os mortos. Os dois homens apontados como autores dos disparos fugiram. A única pista da polícia é a fita do circuito interno de um prédio por onde os criminosos teriam passado durante a fuga.

O crime ocorreu por volta das 14h. Segundo testemunhas, dois homens em uma moto teriam se aproximado do Marea verde ocupado pelas três vítimas e começado a atirar. No carro, estavam o motorista Sérgio Luiz de Almeida, 38 anos, seu filho, Alexandre Queirós de Almeida, 19, e o corretor de imóveis J.P., 57. Todos são moradores da Baixada Santista.

Os tiros teriam sido disparados pelo homem que ocupava a garupa da moto. “Foram muitos tiros. Quando sai para ver o que estava acontecendo, o povo corria pela rua”, conta um comerciante que não quis ser identificado. Além da movimentação dos pedestres, a testemunha conta ainda que chegou a ver uma das vítimas baleada correr pela via sentido rua Marechal Deodoro. “Os motoqueiros foram atrás e voltaram a atirar.”

A essa altura, o rapaz Alexandre Queirós estava morto no interior do carro e o corretor J.P. correu para a portaria de um prédio em frente. Quando a polícia chegou ao local, pai e filho estavam mortos. O sobrevivente, baleado no ombro, foi encaminhado ao Pronto-Socorro Municipal. No início da noite de sexta-feira, ele foi prestar depoimento, mas depois voltou ao hospital para que o atendimento médico fosse concluído.

Na delegacia, J.P. disse que os homens da moto anunciaram o assalto e começaram a atirar quando ele reagiu. O corretor de imóveis disse ainda que estava no carro como carona. “Ele afirma não ter relação com as outras vítimas. Diz que apenas os conhecia lá da praia e que conseguiu a carona para vir para a casa da prima, em Cotia”, explica a delegada da Homicídios, Kátia Cristófaro.

A família do sobrevivente também afirmou não conhecer a dupla assassinada. “Ele mora sozinho na praia e vem regularmente para a minha casa”, disse a prima. P. é separado, tem três filhos e um neto. “Pelo que nos falou agora, ele conheceu pai e filho numa transação na imobiliária e acabou conseguindo a carona.”

P., de acordo com a delegada responsável pela investigação do duplo homicídio, disse não ter condições de reconhecer os criminosos e tampouco fornecer informações para que seja elaborado retrato falado. “Mas ele está dopado por causa dos remédios e só conseguiremos informações mais precisas quando ele estiver recuperado”, afirma Kátia que por conta do depoimento da testemunha sobrevivente acabou obrigada a mudar a linha de investigação.

No local do crime, durante a tarde, as evidências periciais levavam a delegada a estudar outras hipóteses que não a de tentativa de roubo. “Mas agora temos a informação de que o assalto foi anunciado. Será a primeira linha seguida por nós, mas não descartaremos outras possibilidades.” Até o início da noite de sexta-feira, Kátia ainda não havia assistido à fita do circuito interno de um prédio próximo ao local do tiroteio para informar se há imagens da dupla da moto, apontada como autora dos disparos.

Dificuldade – Os policiais que atenderam à ocorrência no Centro de São Bernardo sexta-feira a tarde tiveram dificuldade para localizar a família do pai e filho mortos. O Marea usado na viagem não está no nome das vítimas e a polícia não divulgou o nome do proprietário que aparece no documento. O carro, porém, não tem queixa de roubo.

Foi somente por volta das 18h30 que os investigadores conseguiram localizar a mulher do motorista morto. “Não contamos que ele e o filho estão mortos”, explicou um dos policiais. A mulher foi orientada pela polícia a procurar uma delegacia da Praia Grande e deve chegar ao Grande ABC apenas na segunda-feira. Além de Alexandre, 19 anos, o casal tem outros três filhos menores. As primeiras informações conseguidas pela polícia dão conta ainda de que se trata de uma família de pequeno poder aquisitivo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;