Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ideli cobra que também se investigue conteúdo do dossiê


Da Agência Senado

21/09/2006 | 13:24


A líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC), questionou, em entrevista à imprensa na manhã desta quinta-feira, por que o PSDB quer investigação “apenas de um lado da moeda” e não defende a verificação das denúncias contidas no dossiê que supostamente comprometeria os candidatos tucanos à Presidência, Geraldo Alckmin, e ao governo de São Paulo, José Serra. O dossiê teria sido preparado por Luiz Antônio Vedoin, acusado de comandar a máfia das ambulâncias, e integrantes do PT estão sendo acusados de tentar comprar e divulgar o seu conteúdo para ligar os tucanos à máfia.

“O mais coerente é que o PSDB tenha uma posição de investigar a gestão José Serra-Barjas Negri no Ministério da Saúde, da mesma forma que nós nos investigamos, com uma posição mais forte que até agora não estamos vendo dos tucanos”, alegou Ideli.

A líder destacou a atuação que classificou de "forte e firme" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da PF (Polícia Federal) nas averiguações sobre o assunto. A PF já descobriu de quais bancos foram sacados os montantes apreendidos com Gedimar Pereira Passos e Valdebran Carlos da Silva Padilha (Bradesco, Bank Boston e Safra) e está investigando de onde saíram os dólares. Para a senadora, a PF está a um passo de descobrir de quais contas o dinheiro foi sacado.

O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), foi afastado da coordenação da campanha à reeleição de Lula após admitir que sabia que integrantes do partido teriam procurado arevista Época para oferecer "uma pauta de interesse jornalístico". Em nota, a Época informou que os petistas Oswaldo Bargas e Jorge Lorenzetti haviam sondado a revista, pouco antes de as denúncias virem à tona, sobre o interesse de Época publicar denúncias contra Serra.

“Berzoini não tinha condições de exercer o papel de coordenador de campanha, seu afastamento era extremamente necessário. Quanto à continuação na presidência do partido, é o diretório nacional do PT que vai decidir, e não há reunião marcada nos próximos dias”,m informou a senadora.

A líder do partido também desqualificou a ação do senador Heráclito Fortes (PFL-PI) de pedir a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as organizações não-governamentais ligadas ao PT. Para ela, isso é "um factóide" e o dossiê deve ser analisado pela CPI dos Sanguessugas, já que, a seu ver, o assunto é correlato, pois os documentos são sobre a gestão Serra-Barjas no ministério.

Ideli também criticou a tentativa de impugnação da candidatura do presidente Lula à reeleição, que, em sua opinião, trata-se de “marola, não tem base jurídica e tem fins claramente eleitorais”. Ela disse que o partido está preparado para ganhar “no primeiro, no segundo, no terceiro e em todos os turnos e returnos que a oposição quiser”. Mais uma vez, a senadora ressaltou que todos os culpados serão punidos.  “Tenho convicção de que a investigação vai trazer a público a origem do dinheiro dessa operação desastrada, desnecessária e abominável”, disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ideli cobra que também se investigue conteúdo do dossiê

Da Agência Senado

21/09/2006 | 13:24


A líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC), questionou, em entrevista à imprensa na manhã desta quinta-feira, por que o PSDB quer investigação “apenas de um lado da moeda” e não defende a verificação das denúncias contidas no dossiê que supostamente comprometeria os candidatos tucanos à Presidência, Geraldo Alckmin, e ao governo de São Paulo, José Serra. O dossiê teria sido preparado por Luiz Antônio Vedoin, acusado de comandar a máfia das ambulâncias, e integrantes do PT estão sendo acusados de tentar comprar e divulgar o seu conteúdo para ligar os tucanos à máfia.

“O mais coerente é que o PSDB tenha uma posição de investigar a gestão José Serra-Barjas Negri no Ministério da Saúde, da mesma forma que nós nos investigamos, com uma posição mais forte que até agora não estamos vendo dos tucanos”, alegou Ideli.

A líder destacou a atuação que classificou de "forte e firme" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da PF (Polícia Federal) nas averiguações sobre o assunto. A PF já descobriu de quais bancos foram sacados os montantes apreendidos com Gedimar Pereira Passos e Valdebran Carlos da Silva Padilha (Bradesco, Bank Boston e Safra) e está investigando de onde saíram os dólares. Para a senadora, a PF está a um passo de descobrir de quais contas o dinheiro foi sacado.

O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), foi afastado da coordenação da campanha à reeleição de Lula após admitir que sabia que integrantes do partido teriam procurado arevista Época para oferecer "uma pauta de interesse jornalístico". Em nota, a Época informou que os petistas Oswaldo Bargas e Jorge Lorenzetti haviam sondado a revista, pouco antes de as denúncias virem à tona, sobre o interesse de Época publicar denúncias contra Serra.

“Berzoini não tinha condições de exercer o papel de coordenador de campanha, seu afastamento era extremamente necessário. Quanto à continuação na presidência do partido, é o diretório nacional do PT que vai decidir, e não há reunião marcada nos próximos dias”,m informou a senadora.

A líder do partido também desqualificou a ação do senador Heráclito Fortes (PFL-PI) de pedir a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as organizações não-governamentais ligadas ao PT. Para ela, isso é "um factóide" e o dossiê deve ser analisado pela CPI dos Sanguessugas, já que, a seu ver, o assunto é correlato, pois os documentos são sobre a gestão Serra-Barjas no ministério.

Ideli também criticou a tentativa de impugnação da candidatura do presidente Lula à reeleição, que, em sua opinião, trata-se de “marola, não tem base jurídica e tem fins claramente eleitorais”. Ela disse que o partido está preparado para ganhar “no primeiro, no segundo, no terceiro e em todos os turnos e returnos que a oposição quiser”. Mais uma vez, a senadora ressaltou que todos os culpados serão punidos.  “Tenho convicção de que a investigação vai trazer a público a origem do dinheiro dessa operação desastrada, desnecessária e abominável”, disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;