Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região tem 310 mil pessoas sem coleta de esgoto

Segundo a Cetesb, 12% da população da região não recebe
serviço; S.Caetano é única cidade a coletar 100% dos dejetos


Cadu Proieti
Diário do Grande ABC

16/04/2012 | 07:00


O Grande ABC possui 309.726 pessoas que vivem sem coleta de esgoto em área urbana. Os dados foram divulgados pela Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) no relatório de águas superficiais referente a 2011. O estudo mostra que 12% dos moradores da região não recebem o serviço. O número é equivalente à somatória das populações de São Caetano, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

As três cidades em que o serviço é realizado pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) são as que apresentam os piores índices. A população com menor porcentagem de coleta é a de Rio Grande da Serra (25%), seguida por Ribeirão Pires (65%) e São Bernardo (84%).

Nos outros municípios, onde o serviço é realizado por autarquias, os números são melhores. Santo André coleta 96% do esgoto da população. Em Diadema o índice é de 93%. Mauá oferece saneamento para 86% dos moradores. São Caetano é a única cidade a coletar 100% dos dejetos. Em todo o Estado, a porcentagem é de 88%. A média nacional é de 82%.

Para o gerente da divisão de qualidade das águas e solo da Cetesb, Nelson Menegon, dependendo de onde o residual de esgoto é lançado, a situação da região é considerada ruim. "Se vai para águas em que as pessoas têm grande contato, como a Billings, acaba se tornando um problema", disse.

Menegon acredita que as companhias responsáveis pelo serviço têm de reverter mais recursos para a coleta de esgoto, juntamente com o trabalho de tratamento dos dejetos. "Se não tratar, será pior. Grande parte dele vai ser jogada em apenas um local. Alguns pontos dessas águas terão grande concentração de resíduos."

O professor de Engenharia Ambiental da Fundação Santo André, Murilo Valle, afirma que o que dificulta o aumento da rede de coleta são moradias em áreas mananciais e conjuntos habitacionais irregulares.


Sabesp promete 100% do serviço até 2018

A Sabesp promete solucionar o problema de falta de coleta de esgoto em São Bernardo, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra em seis anos. A estatal irá investir cerca de R$ 500 milhões em expansão do serviço de coleta e tratamento de dejetos nas três cidades. A intenção é chegar a 100% dos moradores dos municípios recebendo o serviço até 2018.

De acordo com o superintendente da unidade de negócio Sul da Sabesp, Roberval Tavares de Souza, a companhia possui obras em andamento nas três cidades desde 2010. EMEMEm Santo André, o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental) informou que praticamente toda a cidade recebe o serviço e só não há rede de esgoto em regiões de manancial e núcleos habitacionais não urbanizados. Porém, não disse se há previsão para aumentar a coleta.

A Saned (Companhia de Saneamento de Diadema) comunicou que o Plano Municipal de Saneamento Básico da cidade, que está em fase de consulta pública, prevê universalização da coleta de esgoto também até 2018.

Já o Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá) foi procurado pela equipe do Diário, mas não se pronunciou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região tem 310 mil pessoas sem coleta de esgoto

Segundo a Cetesb, 12% da população da região não recebe
serviço; S.Caetano é única cidade a coletar 100% dos dejetos

Cadu Proieti
Diário do Grande ABC

16/04/2012 | 07:00


O Grande ABC possui 309.726 pessoas que vivem sem coleta de esgoto em área urbana. Os dados foram divulgados pela Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) no relatório de águas superficiais referente a 2011. O estudo mostra que 12% dos moradores da região não recebem o serviço. O número é equivalente à somatória das populações de São Caetano, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

As três cidades em que o serviço é realizado pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) são as que apresentam os piores índices. A população com menor porcentagem de coleta é a de Rio Grande da Serra (25%), seguida por Ribeirão Pires (65%) e São Bernardo (84%).

Nos outros municípios, onde o serviço é realizado por autarquias, os números são melhores. Santo André coleta 96% do esgoto da população. Em Diadema o índice é de 93%. Mauá oferece saneamento para 86% dos moradores. São Caetano é a única cidade a coletar 100% dos dejetos. Em todo o Estado, a porcentagem é de 88%. A média nacional é de 82%.

Para o gerente da divisão de qualidade das águas e solo da Cetesb, Nelson Menegon, dependendo de onde o residual de esgoto é lançado, a situação da região é considerada ruim. "Se vai para águas em que as pessoas têm grande contato, como a Billings, acaba se tornando um problema", disse.

Menegon acredita que as companhias responsáveis pelo serviço têm de reverter mais recursos para a coleta de esgoto, juntamente com o trabalho de tratamento dos dejetos. "Se não tratar, será pior. Grande parte dele vai ser jogada em apenas um local. Alguns pontos dessas águas terão grande concentração de resíduos."

O professor de Engenharia Ambiental da Fundação Santo André, Murilo Valle, afirma que o que dificulta o aumento da rede de coleta são moradias em áreas mananciais e conjuntos habitacionais irregulares.


Sabesp promete 100% do serviço até 2018

A Sabesp promete solucionar o problema de falta de coleta de esgoto em São Bernardo, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra em seis anos. A estatal irá investir cerca de R$ 500 milhões em expansão do serviço de coleta e tratamento de dejetos nas três cidades. A intenção é chegar a 100% dos moradores dos municípios recebendo o serviço até 2018.

De acordo com o superintendente da unidade de negócio Sul da Sabesp, Roberval Tavares de Souza, a companhia possui obras em andamento nas três cidades desde 2010. EMEMEm Santo André, o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental) informou que praticamente toda a cidade recebe o serviço e só não há rede de esgoto em regiões de manancial e núcleos habitacionais não urbanizados. Porém, não disse se há previsão para aumentar a coleta.

A Saned (Companhia de Saneamento de Diadema) comunicou que o Plano Municipal de Saneamento Básico da cidade, que está em fase de consulta pública, prevê universalização da coleta de esgoto também até 2018.

Já o Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá) foi procurado pela equipe do Diário, mas não se pronunciou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;