Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Operação estadual apreende R$ 9 mi na casa de empresário

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Sonegação de impostos no ramo farmacêutico investiga atacadista de remédios em S.Bernardo


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

02/10/2020 | 00:07


Autoridades apreenderam R$ 9 milhões em dinheiro vivo que estavam guardados na residência do sócio de uma das empresas do ramo farmacêutico investigadas no âmbito da segunda fase da Operação Monte Cristo. A iniciativa foi deflagrada ontem pelo governo de São Paulo, em ação conjunta da Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), a Superintendência da Receita Federal e a Procuradoria Geral do Estado. O objetivo é combater a sonegação fiscal e lavagem de dinheiro por firmas do ramo.

Comércio atacadista de medicamentos de São Bernardo foi alvo da ação. No entanto, a Fazenda disse que o nome da empresa ainda está sob sigilo, uma vez que a operação irá investigar suposta fraude. Ontem, fiscais realizaram a apreensão de documentos e cópias de arquivos digitais, de forma a reunir material que comprove a falta de recolhimento do imposto devido.

A Monte Cristo tem na mira companhias que desenvolveram esquema de sonegação fiscal responsável por gerar danos de R$ 10 bilhões ao erário estadual no período de cinco a seis anos. Foram cumpridos 88 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Goiás e Minas Gerais. Entre os alvos, estavam cinco distribuidoras de grande porte e uma das maiores redes de farmácias do País, que possui cerca de 300 estabelecimentos.

Conforme explica a Fazenda, a principal finalidade da fraude é proporcionar aos grupos empresariais envolvidos a diminuição do custo final dos produtos, uma vez que as empresas interpostas não fazem os recolhimentos do ICMS na entrada da mercadoria no Estado, além de proporcionar concorrência desleal no mercado varejista de medicamentos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;