Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Arrecadação em Sto.André cresce 66,5%


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

18/10/2010 | 07:09


A arrecadação de impostos e contribuições federais no município de Santo André atingiu R$ 1,366 bilhão de janeiro a agosto, 66,5% a mais do que o obtido no acumulado do período no ano passado. O percentual supera a média do Estado de São Paulo, que registrou alta de 12,5%.

O resultado demonstra a recuperação econômica da cidade frente à crise, já que a arrecadação é 37% superior à de janeiro a agosto de 2008, período em que a economia estava a pleno vapor e sequer desconfiava da turbulência que estava por vir. Na mesma comparação, o Estado recolheu 0,3% menos impostos.

"As diferenças se dão principalmente por conta do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), pois nossa região é muito industrializada. Sempre que a produção da indústria cai, a queda é ainda maior no Grande ABC. Assim como quando a atividade cresce, o resultado aqui é mais expressivo", explica o diretor do Departamento de Indicadores Sociais e Econômicos, Dalmir Ribeiro, também responsável pelo conteúdo da revista digital Nova Página Socioeconômica - onde o estudo está publicado na íntegra.

O IPI foi o que mais contribuiu para a retomada em Santo André. Sua arrecadação saltou 115% e atingiu R$ 160,8 milhões. No Estado, o crescimento foi de 18%, com recolhimento de R$ 10,2 bilhões. É válido lembrar que, até março, ainda vigorava redução parcial do tributo para a compra de veículos zero-quilômetro e para a linha branca. E, até dezembro, a desoneração do imposto segue para materiais de construção. Em relação a 2008, a elevação é de 2,2%.

O IPI, segundo Ribeiro, é tido como um termômetro para mensurar a atividade industrial. O setor que mais contribuiu para o resultado foi o químico e petroquímico - cujo forte da produção são resinas termoplásticas, que atendem a toda a cadeia automobilística e de construção civil -, com crescimento de 240% na comparação de janeiro a agosto entre 2010 e 2009. Frente a 2008, o resultado ainda está 12% aquém.

O segmento metalmecânico também mostrou crescimento expressivo, de 65% ante 2009 - em relação a 2008, ainda há recuo de 30%.

Eletroeletrônicos elevaram arrecadação do IPI em 29% na comparação com o ano passado e em 5,8% frente a 2008. O grupo dos pneumáticos teve alta de 22,8% em relação a 2009 e queda de 15% ante dois anos atrás.

PIS, Cofins e Imposto de Renda rendem mais que em 2009 e 2008
Além do IPI, outros impostos e contribuições federais registraram elevação na arrecadação no acumulado de janeiro a agosto em Santo André, ante o mesmo período de 2009. Foram eles: PIS (Programa de Integração Social)/Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), IR (Imposto de Renda), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido).

"As bases de cálculo do PIS/Pasep e da Cofins são o faturamento mensal das empresas", explica Dalmir Ribeiro, diretor do Departamento de Indicadores Sociais e Econômicos. Ou seja, se eles demonstram alta, significa que a atividade empresarial vai bem também.

O recolhimento do PIS/Pasep na cidade até agosto obteve incremento de 42,6% em relação ao mesmo período do ano passado, chegando a R$ 72,2 milhões. Frente a 2008, alta foi de 23%. A média no Estado de São Paulo cresceu 10,5% ante o ano passado.

O total arrecadado pela Cofins superou em 35% o montante de 2009, com R$ 303,6 milhões e, em 14%, o de dois anos atrás. No Estado, a alta foi de 16% frente a 2009.

A arrecadação da CSLL, que consegue identificar se as empresas estão tendo boa lucratividade, foi 32% maior em comparação ao ano passado, atingindo R$ 100,7 milhões e 16% superior ao de 2008. No Estado, houve retrocesso de 3,6%.

O recolhimento do IR, que reflete o crescimento da renda no município, elevou-se em 32% ante o mesmo período em 2009, para R$ 398,8 milhões, e em 22,4% frente a 2008. No Estado, houve queda de 0,4%.

Segundo o diretor, as perspectivas para o fim do ano seguem positivas, embora a base de comparação seja mais forte - no primeiro semestre de 2009 a indústria ainda estava patinando. "A atividade econômica de Santo André não deve se retrair e a arrecadação provavelmente seguirá crescendo. A consequência disso tudo é o aumento da renda e do emprego", aponta. "Acredito que o ano deva encerrar com crescimento no recolhimento de tributos 5% maior do que em 2008, próximo ao aumento do PIB (Produto Interno Bruto - estimado em 7%)."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;