Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 1 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Polícia de Aramina instaura inquérito para investigar acidente


Do Diário do Grande ABC

10/09/1999 | 21:19


A polícia de Aramina, na regiao de Ribeirao Preto, instaurou sexta-feira inquérito para apurar as causas do acidente com o ônibus da empresa Linetur, de Sao Paulo que matou 13 pessoas na madrugada de quinta-feira, no km 427 da Rodovia Anhangüera. Alguns passageiros que sobreviveram, ainda feridos, disseram que o veículo estava em alta velocidade no momento do acidente. Dos 31 feridos, em hospitais de Ituverava e Igarapava, 13 continuam internados, 11 receberam alta e nove foram transferidos para hospitais de Sao Paulo.

A versao dos passageiros, que iam para Caldas Novas (GO) e voltariam a Sao Paulo no domingo, contraria as informaçoes dadas pelo motorista do ônibus, Osvaldo Mendes Ferreira, internado em Ituverava. Ferreira comentou que o veículo "perdeu a traseira", deslizando em 100 metros da pista. Sem controle, o veículo caiu num vao de cinco metros de profundidade. Os vidros do segundo andar do ônibus quebraram e vários passageiros foram jogados para fora, sendo esmagados pela carroceria tombada.

No momento do acidente, aproximadamente às 4h30, chovia e a visibilidade era ruim, além da pista estar escorregadia, segundo a Polícia Rodoviária da regiao. Por isso, a polícia de Aramina espera o resultado do laudo da perícia técnica, além da análise do tacógrafo do ônibus, para saber se o veículo estava em alta velocidade ou nao. O resultado da análise do tacógrafo, equipamento que registra a velocidade do veículo, deverá ficar pronto em 20 dias.

O resgate dos passageiros feridos demorou cerca de quatro horas e o tráfego na Anhangüera ficou lento. Bombeiros de Franca e de Orlândia participaram da açao. Os feridos foram conduzidos aos hospitais por unidades de resgate da Vianorte, concessionária que administra o trecho. Todas as pessoas que morreram, inclusive uma criança de sete anos, estavam na parte traseira do ônibus e nao usavam cinto de segurança. As 13 mortes foram instantâneas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Polícia de Aramina instaura inquérito para investigar acidente

Do Diário do Grande ABC

10/09/1999 | 21:19


A polícia de Aramina, na regiao de Ribeirao Preto, instaurou sexta-feira inquérito para apurar as causas do acidente com o ônibus da empresa Linetur, de Sao Paulo que matou 13 pessoas na madrugada de quinta-feira, no km 427 da Rodovia Anhangüera. Alguns passageiros que sobreviveram, ainda feridos, disseram que o veículo estava em alta velocidade no momento do acidente. Dos 31 feridos, em hospitais de Ituverava e Igarapava, 13 continuam internados, 11 receberam alta e nove foram transferidos para hospitais de Sao Paulo.

A versao dos passageiros, que iam para Caldas Novas (GO) e voltariam a Sao Paulo no domingo, contraria as informaçoes dadas pelo motorista do ônibus, Osvaldo Mendes Ferreira, internado em Ituverava. Ferreira comentou que o veículo "perdeu a traseira", deslizando em 100 metros da pista. Sem controle, o veículo caiu num vao de cinco metros de profundidade. Os vidros do segundo andar do ônibus quebraram e vários passageiros foram jogados para fora, sendo esmagados pela carroceria tombada.

No momento do acidente, aproximadamente às 4h30, chovia e a visibilidade era ruim, além da pista estar escorregadia, segundo a Polícia Rodoviária da regiao. Por isso, a polícia de Aramina espera o resultado do laudo da perícia técnica, além da análise do tacógrafo do ônibus, para saber se o veículo estava em alta velocidade ou nao. O resultado da análise do tacógrafo, equipamento que registra a velocidade do veículo, deverá ficar pronto em 20 dias.

O resgate dos passageiros feridos demorou cerca de quatro horas e o tráfego na Anhangüera ficou lento. Bombeiros de Franca e de Orlândia participaram da açao. Os feridos foram conduzidos aos hospitais por unidades de resgate da Vianorte, concessionária que administra o trecho. Todas as pessoas que morreram, inclusive uma criança de sete anos, estavam na parte traseira do ônibus e nao usavam cinto de segurança. As 13 mortes foram instantâneas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;