Fechar
Publicidade

Sábado, 10 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ação de suspensão da Venezuela ganha força na OEA

Twitter Nicolas Maduro/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Projeto diz que reeleição de Maduro 'carece de legitimidade' por não ter seguido padrões internacionais



05/06/2018 | 06:00


A Organização dos Estados Americanos (OEA) deve aprovar nesta terça-feira, 5, resolução que dará início ao processo de suspensão da Venezuela, o que aumentará o isolamento do regime de Nicolás Maduro. A proposta foi apresentada ontem pelo Brasil e outros seis países. Eles avaliavam ter os 18 votos necessários para aprová-la, mas reconhecem que não possuem os 24 exigidos para efetivar a decisão.

O projeto de resolução declara que a reeleição de Maduro, no dia 20, "carece de legitimidade" por não ter seguido padrões internacionais, não ter contado com a participação de todos os atores políticos e ter se desenvolvido sem as garantias de um processo "livre, justo, transparente e democrático". O texto também pede o respeito à separação de Poderes e defende a entrada de ajuda humanitária no país.

O documento prevê a aplicação dos artigos 20 e 21 da Carta Democrática Interamericana, nos quais o procedimento de suspensão é estabelecido. Sua aplicação, porém, tem de ser decidida em assembleia extraordinária convocada especialmente para analisar o tema. Para ser aprovada, a suspensão precisa ter o apoio de 24 países.

"A suspensão não é um objetivo em si mesmo. Mas ela mostraria que a OEA sustenta suas palavras com ação e seria um poderoso sinal para o regime de Maduro: só eleições reais permitirão que seu governo seja incluído na família das nações", declarou o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em discurso no primeiro dia da Assembleia-Geral da OEA.

Em entrevista, o chanceler do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, também defendeu a suspensão. Ele disse que a Venezuela subscreveu a Carta Democrática e está sujeita a seus princípios. "Isso não pode ficar letra morta. Na medida em que a Venezuela descumpre esse compromisso, que é fundamental, não há alternativa a não ser a suspensão", disse. Os sete signatários do projeto de resolução são Argentina, Brasil, Canadá, Chile, EUA, México e Peru.

Caracas tem o apoio de grande parte dos países caribenhos, o que coloca em dúvida a obtenção dos 24 votos necessários para a suspensão. Mas há erosão do apoio ao país na OEA. Tradicional aliada da Venezuela, a Nicarágua deve se abster ou votar a favor da resolução, disse Aloysio, depois de encontro com Pompeo. Fontes diplomáticas disseram que, em troca, os EUA adotariam uma posição conciliadora com relação aos protestos contra o governo de Daniel Ortega, que deixaram 114 mortos nas últimas semanas.

Recentemente, os EUA aumentaram a pressão sobre países do Caribe para que votem a favor da resolução. Os americanos descrevem a decisão como um teste "existencial" para a OEA. A declaração foi vista como uma ameaça de redução das contribuições de Washington, que respondem por 60% do orçamento da entidade.

Nas vésperas da assembleia, a Venezuela libertou 79 presos políticos, o que foi interpretado como uma tentativa de reduzir a pressão sobre o país. Maduro anunciou, em 2017, a decisão de sair da OEA, mas a medida só será efetivada em abril de 2019. Os defensores da suspensão correm contra o tempo para aprovar a punição antes desse prazo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ação de suspensão da Venezuela ganha força na OEA

Projeto diz que reeleição de Maduro 'carece de legitimidade' por não ter seguido padrões internacionais


05/06/2018 | 06:00


A Organização dos Estados Americanos (OEA) deve aprovar nesta terça-feira, 5, resolução que dará início ao processo de suspensão da Venezuela, o que aumentará o isolamento do regime de Nicolás Maduro. A proposta foi apresentada ontem pelo Brasil e outros seis países. Eles avaliavam ter os 18 votos necessários para aprová-la, mas reconhecem que não possuem os 24 exigidos para efetivar a decisão.

O projeto de resolução declara que a reeleição de Maduro, no dia 20, "carece de legitimidade" por não ter seguido padrões internacionais, não ter contado com a participação de todos os atores políticos e ter se desenvolvido sem as garantias de um processo "livre, justo, transparente e democrático". O texto também pede o respeito à separação de Poderes e defende a entrada de ajuda humanitária no país.

O documento prevê a aplicação dos artigos 20 e 21 da Carta Democrática Interamericana, nos quais o procedimento de suspensão é estabelecido. Sua aplicação, porém, tem de ser decidida em assembleia extraordinária convocada especialmente para analisar o tema. Para ser aprovada, a suspensão precisa ter o apoio de 24 países.

"A suspensão não é um objetivo em si mesmo. Mas ela mostraria que a OEA sustenta suas palavras com ação e seria um poderoso sinal para o regime de Maduro: só eleições reais permitirão que seu governo seja incluído na família das nações", declarou o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em discurso no primeiro dia da Assembleia-Geral da OEA.

Em entrevista, o chanceler do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, também defendeu a suspensão. Ele disse que a Venezuela subscreveu a Carta Democrática e está sujeita a seus princípios. "Isso não pode ficar letra morta. Na medida em que a Venezuela descumpre esse compromisso, que é fundamental, não há alternativa a não ser a suspensão", disse. Os sete signatários do projeto de resolução são Argentina, Brasil, Canadá, Chile, EUA, México e Peru.

Caracas tem o apoio de grande parte dos países caribenhos, o que coloca em dúvida a obtenção dos 24 votos necessários para a suspensão. Mas há erosão do apoio ao país na OEA. Tradicional aliada da Venezuela, a Nicarágua deve se abster ou votar a favor da resolução, disse Aloysio, depois de encontro com Pompeo. Fontes diplomáticas disseram que, em troca, os EUA adotariam uma posição conciliadora com relação aos protestos contra o governo de Daniel Ortega, que deixaram 114 mortos nas últimas semanas.

Recentemente, os EUA aumentaram a pressão sobre países do Caribe para que votem a favor da resolução. Os americanos descrevem a decisão como um teste "existencial" para a OEA. A declaração foi vista como uma ameaça de redução das contribuições de Washington, que respondem por 60% do orçamento da entidade.

Nas vésperas da assembleia, a Venezuela libertou 79 presos políticos, o que foi interpretado como uma tentativa de reduzir a pressão sobre o país. Maduro anunciou, em 2017, a decisão de sair da OEA, mas a medida só será efetivada em abril de 2019. Os defensores da suspensão correm contra o tempo para aprovar a punição antes desse prazo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;