Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A formação do Parque das Nações

O Parque das Nações, em Santo André, é um dos mais antigos loteamentos urbanos do Grande ABC, caminhando para o seu primeiro centenário


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

24/03/2010 | 00:00


O Parque das Nações, em Santo André, é um dos mais antigos loteamentos urbanos do Grande ABC, caminhando para o seu primeiro centenário. Foi aberto na década de 1920 por um médico de São Paulo, Francisco Paula Peruche, o mesmo que loteou os paulistanos Parque Peruche, Parque da Lapa, Parque Monjolo e Parque Santo Antonio.
O loteador aproveitou o eixo da lendária Estrada do Oratório, que interliga o Grande ABC à Zona Leste paulistana.
Em trecho ao longo da estrada, hoje denominada avenida, foram abertas as ruas do bairro, que homenageiam diversas nações. Entre elas, a Rua Costa Rica.
A foto é da década de 1950. O motorista Oscar de Oliveira leva o ônibus de turismo da sua empresa para o bairro e reúne familiares e amigos na sua rua. Como cenário, uma via principiante de um bairro em formação.
A imagem mostra mais que o ônibus e as pessoas e ensinam às novas gerações como foi a formação urbana do Grande ABC.

DIÁRIO HÁ 30 ANOS

Domingo, 23 de março de 1980

São Bernardo - 23 favelas que ocupam terrenos de propriedade da Prefeitura e dez loteamentos clandestinos, entre os quais Vila Carminha, Jardim da Represa, Jardim Uenoyama, Jardim Petroni, Vila Santa, Jardim Thelma e Jardim Lauro Gomes, poderão receber energia elétrica.
Protocolo nesse sentido será firmado entre a Prefeitura e a Light.
Essas 23 favelas abrigam 3.154 famílias, são habitadas por 15,3 mil pessoas e representam 45% do número de favelados existentes no município.
Crônica 1 (Roterdan Cravo, pseudônimo de Fausto Polesi) - Análise transacional é a pedida que recomendo, conforme conto aqui.
Crônica 2 (Guido Fidelis) - O pacote está na rua com muitos mistérios para o jogo dos sábios.

TRABALHADORES

Nascem em 24 de março:
1920 - Elizabetha Heinech. Iugoslava. Empacotadora da Atlantis do Brasil. Residência: Avenida Atlântica, 201, Santo André.
1923 - Rinaldo Daros. Natural de Cerquilho (SP). Ajudante de mecânico da CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos). Residência: Rua Joana Angélica, 205.
Fonte: 1º livro geral dos associados do Sindicato dos Químicos do ABC.

TURMA DA ESQUINA E DO NAPOLITANO
(Aqueles jovens da Vila Assunção e cercanias)

Hoje é o aniversário de Nilson Pastorello (com o), o Tuca. Ele nasceu em Santo André, em 24 de março de 1947. É filho de Margarida Bravo Pastorello e Pedro Natale Pastorelli (com i). Seu irmão, Nelson Pastorelli (com i), também era da Turma da Esquina e do Napolitano. Nelson nasceu em 15 de março de 1936, também em Santo André, e faleceu na cidade em 1977.

HOJE

Dia Mundial do Combate à Tuberculose, Dia Mundial da Juventude e Dia da União dos Povos Latino-Americanos.

SANTOS DO DIA

Adelmar, Diogo José de Cádiz e Oscar Gadamez.
Na estampa, São Gabriel Arcanjo.
Crédito da estampa: acervo Vangelista Bazani (Gili) e João de Deus Martinez.

MUNICÍPIOS PAULISTAS
Ibiúna. Criado por lei provincial de 24 de março de 1857, quando se separa de São Roque. O nome significa Terra Preta (yby = terra; una = preta).
Cabreúva e Indaiatuba. Criados por lei provincial de 24 de março de 1859, ambos separando-se de Itu. O nome Cabreúva foi retirado de uma grande árvore de cabreúva existente no local.
Indaiatuba significa Palmeira em Abundância (indaiá = palmeira; tyba = abundância).
Araras, Mococa e Monte Mor. Municípios criados por lei provincial de 24 de março de 1871.
Araras separou-se de Limeira, e o nome foi retirado do Ribeirão das Araras.
Mococa separou-se de Casa Branca. O nome quer dizer Casa Pequena (oca = casa).
Monte Mor separou-se de Itu e seu nome homenageia o barão de Monte Mor, proprietário local.
Falecimentos
SANTO ANDRÉ
22/2/2010
Ruth Casali Trujilo, 79.
Cemitério Quarta Parada, São Paulo.
Judite Bury dos Santos, 88.
Cemitério Vila Euclides, São Bernardo.
Mario Nobile, 27.
Cemitério Vila Pires.
Armando Bolzan, 84
Cemitério Quarta Parada, São Paulo.
Rafael Pereira Lopes, 19.
Cemitério Santo André.
Vicente Moreno, 83.
Cemitério Saudades, São Caetano.
Jose Pereira de Lima, 78.
Cemitério Curuçá.
Amália Domingues de Farias, 90.
Cemitério Vila Pires.
Therezinha Zaqueu Momezo, 81.
Cemitério Jardim da Colina, São Bernardo.
Luiz Oliva, 84. Cemitério Jardim da Colina, São Bernardo.
Maria de Lourdes Cruz Inzonha, 74. Cemitério Vila Pires.
Kennedy Jonathas Silva Duraes, 19. Cemitério Pirangui, São Paulo.
MISSA DE SÉTIMO DIA - Hoje, às 19h, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem, em São Bernardo, por intenção de Luiz Bardelli. Ele nasceu em São Bernardo, tinha 79 anos, pertencia à família aqui chegada na década de 1920.

SÃO BERNARDO
Milani Primo, 94. Dia 19. Cemitério de Vila Euclides.
Ernestina Cunha Bonet, 89. Dia 19. Cemitério de Vila Euclides.
Narciso Botter, 87. Dia 9. Cemitério de Vila Euclides.
Emiliano Alves Goulart, 87. Dia 15. Cemitério de Vila Euclides.
Jocondo Battistin, 85. Natural de São Bernardo. Dia 16. Cemitério de Vila Euclides.

IOLANDA DEFEU
(Santo André, 26-4-1917 - 9-3-2010)

Os pais eram italianos: Comício Defeu, nascido em Pellezzano; Graciela (ou Graziela) nascida em Baronissi, cidades próximas, as duas na Sicília, mas não se conheciam. Suas famílias vieram como imigrantes ao Brasil, em anos diferentes. Comício e Graciela cresceram em São Paulo e foram se conhecer em Santo André. Ambos foram tecelões na Kowarick, a fábrica de casimiras tantas vezes citada aqui em Memória.
O casamento foi realizado em Santo André; Comício e Graciela tiveram duas filhas: Vicentina e Iolanda. Acometido pela gripe espanhola, Comício faleceu em 1918, dois anos e pouco depois do casamento. A filha caçula, Iolanda, tinha 1 ano de idade. A esposa Graciela jamais se casou novamente.
Iolanda ingressou na mesma Kowarick e se aposentou como servideira depois de 36 anos de trabalho. Nunca se casou e considerava os sobrinhos, filhos de Vicentina e Paschoalino Assumpção, como seus próprios filhos.
"Ela era alegre. Gostava de ir às festas, das músicas italianas, de contar casos da Itália. Mas nunca quis visitar o país dos seus pais, pois tinha paura de avião e de navio, como dizia", rememora a sobrinha Nadia Assumpção de Mônaco.
A família Defeu residiu muitos anos no Centro de Santo André, na Rua Correia Dias. Depois, Dona Iolanda mudou-se para a Vila Pires. Partiu aos 92 anos e está sepultada no Cemitério da Saudade, na Vila Assunção.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;