Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Diesel ficará mais barato até sexta-feira


Emerson Coelho
Do Diário do Grande ABC

10/06/2009 | 07:00


Opreço do óleo diesel deve cair em cerca de 5% nas bombas dos postos de combustíveis até sexta-feira, segundo o Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ABCDMR).

A queda no preço é reflexo do anúncio feito pelo governo federal na segunda-feira de redução de 9,6% nos preços para o consumidor.

A queda vai ocorrer porque desde ontem a Petrobras diminuiu em 15% o custo do combustível na saída das refinarias. Mas a redução do preço para o consumidor não será maior porque o Ministério da Fazenda aumentou simultaneamente o valor da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) cobrada sobre o combustível, que passará de R$ 0,03 para R$ 0,07 por litro.

Segundo o presidente do Regran, José Antonio Gonzalez Garcia, a redução é positiva para o setor. "O preço do diesel deve baixar aproximadamente dez centavos nas bombas", presumiu.

Hoje o combustível é vendido no Grande ABC em média de R$ 2,10 a R$ 2,15, conforme monitoramento da ANP (Agência Nacional de Petróleo).

A Petrobras também anunciou redução de 4,5% no preço médio da gasolina nas refinarias, porém a diminuição para o consumidor não vai ocorrer por causa da alta da Cide, que aumentará de R$ 0,18 para R$ 0,23 por litro do combustível.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a redução do diesel significará redução de custos para setores importantes da economia. "O diesel é importante para o setor agrícola, que se movimenta com esse combustível e é importante para o transporte urbano, por isso essa redução é tão importante", disse.

De acordo com especialistas, a redução dos preços tornou-se possível diante da redução das cotações internacionais do petróleo ao longo dos últimos meses.

No ano passado, o barril chegou perto de US$ 150 e atualmente está por volta de US$ 68 em Nova York. Com a queda do petróleo, a Petrobras vinha sendo já há alguns meses pressionada a reduzir os preços dos combustíveis. A estatal, no entanto, argumentava que era preciso aguardar a estabilização das cotações em um novo patamar para tomar alguma iniciativa.

Mantega lembrou que, no final de abril do ano passado, o governo reduziu a Cide para evitar o repasse ao consumidor da alta dada na época aos preços da gasolina e do diesel. "É o inverso do que houve no ano passado, quando o preço da gasolina subiu e baixamos a Cide e ela (gasolina) ficou, para o consumidor, no mesmo preço", disse Mantega.

De acordo com nota do Ministério da Fazenda, a nova alíquota da Cide para o diesel é a mesma que valia até 30 de abril de 2008. Já no caso da gasolina, a alíquota não foi restaurada plenamente para evitar uma elevação ao preço ao consumidor.

O ministro lembrou ainda que a alta da Cide vai elevar a receita do governo com o tributo, o que significará também aumento de recursos para Estados e municípios.

Serviços de transporte deverão custar menos

O setor de transportes de cargas está otimista com a redução do preço do diesel. De acordo com o Setrans (Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas) no ABC, haverá redução no valor cobrado pelos fretes das transportadoras.

"O valor do óleo diesel representa entre 40 a 50% do valor do frete, por isso estimamos uma queda de 0,8 a 0,9% no custo dos fretes em trechos de curta distância", revelou o diretor de relações institucionais do Setrans, Fernando Longo.

Para ele, a redução do valor cobrado para trechos de longa distância será um pouco maior, em torno dos 2%. "Neste cálculo estamos considerando a redução anunciada pelo governo, em torno de 9,6%, logicamente, se o diesel não baixar nesse nível, os fretes também não terão essa redução", observou.

Segundo estimativas do Setrans o Grande ABC possui cerca de 1.500 empresas de transporte de cargas, desde pequenas até grandes companhias.

(Da AE)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diesel ficará mais barato até sexta-feira

Emerson Coelho
Do Diário do Grande ABC

10/06/2009 | 07:00


Opreço do óleo diesel deve cair em cerca de 5% nas bombas dos postos de combustíveis até sexta-feira, segundo o Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ABCDMR).

A queda no preço é reflexo do anúncio feito pelo governo federal na segunda-feira de redução de 9,6% nos preços para o consumidor.

A queda vai ocorrer porque desde ontem a Petrobras diminuiu em 15% o custo do combustível na saída das refinarias. Mas a redução do preço para o consumidor não será maior porque o Ministério da Fazenda aumentou simultaneamente o valor da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) cobrada sobre o combustível, que passará de R$ 0,03 para R$ 0,07 por litro.

Segundo o presidente do Regran, José Antonio Gonzalez Garcia, a redução é positiva para o setor. "O preço do diesel deve baixar aproximadamente dez centavos nas bombas", presumiu.

Hoje o combustível é vendido no Grande ABC em média de R$ 2,10 a R$ 2,15, conforme monitoramento da ANP (Agência Nacional de Petróleo).

A Petrobras também anunciou redução de 4,5% no preço médio da gasolina nas refinarias, porém a diminuição para o consumidor não vai ocorrer por causa da alta da Cide, que aumentará de R$ 0,18 para R$ 0,23 por litro do combustível.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a redução do diesel significará redução de custos para setores importantes da economia. "O diesel é importante para o setor agrícola, que se movimenta com esse combustível e é importante para o transporte urbano, por isso essa redução é tão importante", disse.

De acordo com especialistas, a redução dos preços tornou-se possível diante da redução das cotações internacionais do petróleo ao longo dos últimos meses.

No ano passado, o barril chegou perto de US$ 150 e atualmente está por volta de US$ 68 em Nova York. Com a queda do petróleo, a Petrobras vinha sendo já há alguns meses pressionada a reduzir os preços dos combustíveis. A estatal, no entanto, argumentava que era preciso aguardar a estabilização das cotações em um novo patamar para tomar alguma iniciativa.

Mantega lembrou que, no final de abril do ano passado, o governo reduziu a Cide para evitar o repasse ao consumidor da alta dada na época aos preços da gasolina e do diesel. "É o inverso do que houve no ano passado, quando o preço da gasolina subiu e baixamos a Cide e ela (gasolina) ficou, para o consumidor, no mesmo preço", disse Mantega.

De acordo com nota do Ministério da Fazenda, a nova alíquota da Cide para o diesel é a mesma que valia até 30 de abril de 2008. Já no caso da gasolina, a alíquota não foi restaurada plenamente para evitar uma elevação ao preço ao consumidor.

O ministro lembrou ainda que a alta da Cide vai elevar a receita do governo com o tributo, o que significará também aumento de recursos para Estados e municípios.

Serviços de transporte deverão custar menos

O setor de transportes de cargas está otimista com a redução do preço do diesel. De acordo com o Setrans (Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas) no ABC, haverá redução no valor cobrado pelos fretes das transportadoras.

"O valor do óleo diesel representa entre 40 a 50% do valor do frete, por isso estimamos uma queda de 0,8 a 0,9% no custo dos fretes em trechos de curta distância", revelou o diretor de relações institucionais do Setrans, Fernando Longo.

Para ele, a redução do valor cobrado para trechos de longa distância será um pouco maior, em torno dos 2%. "Neste cálculo estamos considerando a redução anunciada pelo governo, em torno de 9,6%, logicamente, se o diesel não baixar nesse nível, os fretes também não terão essa redução", observou.

Segundo estimativas do Setrans o Grande ABC possui cerca de 1.500 empresas de transporte de cargas, desde pequenas até grandes companhias.

(Da AE)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;