Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Morre criança com suspeita de dengue


Adriana Ferraz
Do Diário do Grande ABC

07/05/2008 | 07:09


Kayc Miguel da Silva Assis, 2 anos, pode ter sido a primeira vítima de dengue hemorrágica deste ano na região. A causa da morte ainda não está confirmada, mas médicos e familiares desconfiam que a doença tenha matado o garoto na madrugada de terça-feira, em Diadema.

Segundo o pai, Adriano Assis, Kayc não apresentava os sintomas. Não tinha febre alta nem dores de cabeça. "Minha mulher levou o menino ao hospital porque ele se queixava de dores na barriga. Depois de examiná-lo, deram remédio, com soro, e mandaram ele pra casa. Os médicos disseram que ele estava com gases", contou.

À noite, a mãe, Elisângela Aparecida Assis, percebeu manchas vermelhas no corpo do filho no momento em que o garoto tomava banho. "Ele estava abatido e ficamos com medo. Voltamos ao hospital e logo que chegamos ele foi levado para a UTI (Unidade de Tratamento Intensivo). Não desconfiamos que fosse dengue nem que o caso fosse tão sério."

Na certidão de óbito, a causa da morte é desconhecida. O Hospital São Lucas, onde o menino foi atendido, aguarda a confirmação de exames, mas trabalha com a suspeita de dengue hemorrágica. Em função do provável diagnóstico, a Vigilância Sanitária de Diadema encaminhou ao Instituto Adolfo Lutz, na Capital, amostras de sangue e de tecidos corporais do garoto (colhidos pelo Instituto Médico Legal) para análise.

Segundo a Prefeitura, é preciso aguardar a resposta, que pode demorar até 15 dias, para confirmar ou não o caso de Kayc. O município recebeu, este ano, 310 notificações de suspeitas da doença. Destas, 178 já foram descartadas. Outras 125 estão em análise e apenas sete casos foram oficialmente registrados. Nenhum deles considerado autóctone (da região) ou hemorrágico. A administração também não registrou, até agora, óbitos pela doença.

O diretor-clínico do Hospital São Lucas, Renato de Carvalho, afirmou não poder passar informações sobre a ficha clínica de Kayc em função do sigilo médico, obrigatório. Sobre a ausência de sintomas, Carvalho explicou que a dengue hemorrágica pode se manifestar de modo súbito.

"Em crianças, principalmente, a doença pode fugir dos padrões habituais. De qualquer maneira, é preciso aguardar pela confirmação dos exames". disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;