Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A irresistível chapa branca

Há muitos e muitos anos, Luiza Erundina contava que Lula lhe havia dito que, se um dia o PT acabasse, os dois seriam os últimos a sair.


Carlos Brickmann

20/06/2012 | 00:00


Há muitos e muitos anos, Luiza Erundina contava que Lula lhe havia dito que, se um dia o PT acabasse, os dois seriam os últimos a sair. Erundina contava isso com orgulho - o que não a impediu de aceitar um ministério no governo Itamar, mesmo sabendo que seria, como foi, expulsa do partido. Agora ela garantiu que com Maluf não faria campanha. Ameaçou desistir da candidatura a vice. Mas não precisou de muito tempo de conversa para desistir da desistência.

Nessa aliança de Lula, Maluf, Haddad e Erundina não há nada de estranho: novidade, mesmo, só a presença de Lula nos jardins da mansão de Maluf. "Você é nosso e nós somos teu" faz tempo - desde o segundo turno de 2004, quando Maluf apoiou Marta Suplicy (que o chamava de "nefasto", mas gostou do apoio, embora tenha perdido para Serra). Lula (que Maluf chamava de "ave de rapina", "que não trabalha há 15 anos e não explica como vive") levou Maluf (para quem pedia "prisão perpétua por causa da roubalheira") para seu governo, com direito a indicar ministro. E Haddad, o pai do kit gay, ao lado de Jair Bolsonaro, do PP?

Em antigas eleições, os repórteres Ennio Pesce e Ferreira Netto, excelentes imitadores, criaram no gravador um diálogo entre os adversários Adhemar de Barros e Jânio Quadros. Ennio, como Jânio, dizia: "Chamá-lo-ei de rato". Ferreira, como Adhemar, respondia: "Vou responder que rato é a mãe". Tocavam o gravador nas viagens e os eleitores se indignavam ao ouvir seus ídolos combinar como os enganariam. Não mudou muito. Só não é mais preciso usar imitadores.

ENCONTRO MARCADO

Só há uma explicação para que Lula tenha se submetido à humilhação de atender à exigência de Maluf, com todo o simbolismo que carrega, e ir à sua casa para fechar o acordo: preocupação com o lento crescimento de seu candidato. O tempo extra de um minuto 35 segundos seria essencial, a partir deste ponto de vista, para martelar no eleitor a imagem de Haddad como candidato de Lula e assim alavancar sua popularidade. No momento, segundo o Instituto Datafolha, Haddad está empatado com Soninha Francine, do PPS, tem menos da metade do índice de Celso Russomanno, o candidato do PRB, até agora o segundo colocado, e pouco mais de um quarto do índice de José Serra, o favorito nas pesquisas, do PSDB.

ENTRE NA CASA COM ELE

Do colunista Cláudio Humberto (www.claudiohumberto.com.br): "Campanha eleitoral do PT em São Paulo: R$ 30 milhões. Tempo extra do petista Haddad na TV: um minuto e 35 segundos. Ver Maluf com Lula: não tem preço".

O MUNDO GIRA

Não fique ansioso: o empreiteiro Fernando Cavendish, da Delta, personagem eminente da Turma do Guardanapo, amigo de fé e irmão camarada do governador fluminense, Sérgio Cabral, dono de uma empresa que foi declarada inidônea, será chamado a depor na CPI do Cachoeira. Mas, repetindo, não fique ansioso: suas excelências tiveram de suspender o trabalho por causa da Rio+20. Depois há as festas juninas, que exigem a presença dos nobres parlamentares em suas bases eleitorais. E o sacrossanto recesso parlamentar, em que suas senhorias vão de novo a suas bases parlamentares, trabalhar duro junto aos eleitores. Agosto, pois - mas aí todos estarão preocupados com as eleições. Aguarde, caro leitor!

CUT x PT

Quando a gente pensa que já viu de tudo, aparece coisa nova: a CUT, central sindical ligada ao PT, abriu fogo contra a política industrial do governo petista da presidente Dilma Rousseff. A CUT acusa o governo de privilegiar setores da economia com benefícios fiscais, sem exigir em troca nenhuma compensação, como por exemplo a garantia da manutenção do número de empregos. Critica os benefícios concedidos à indústria automobilística, "composta unicamente por multinacionais"; e faz um ataque frontal à Telefônica, multinacional espanhola que controla a Vivo e domina boa parte das telecomunicações do País: "Qual o sentido de desonerar a Telefônica, que em 2011 teve lucro de R$ 5 bilhões?"



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A irresistível chapa branca

Há muitos e muitos anos, Luiza Erundina contava que Lula lhe havia dito que, se um dia o PT acabasse, os dois seriam os últimos a sair.

Carlos Brickmann

20/06/2012 | 00:00


Há muitos e muitos anos, Luiza Erundina contava que Lula lhe havia dito que, se um dia o PT acabasse, os dois seriam os últimos a sair. Erundina contava isso com orgulho - o que não a impediu de aceitar um ministério no governo Itamar, mesmo sabendo que seria, como foi, expulsa do partido. Agora ela garantiu que com Maluf não faria campanha. Ameaçou desistir da candidatura a vice. Mas não precisou de muito tempo de conversa para desistir da desistência.

Nessa aliança de Lula, Maluf, Haddad e Erundina não há nada de estranho: novidade, mesmo, só a presença de Lula nos jardins da mansão de Maluf. "Você é nosso e nós somos teu" faz tempo - desde o segundo turno de 2004, quando Maluf apoiou Marta Suplicy (que o chamava de "nefasto", mas gostou do apoio, embora tenha perdido para Serra). Lula (que Maluf chamava de "ave de rapina", "que não trabalha há 15 anos e não explica como vive") levou Maluf (para quem pedia "prisão perpétua por causa da roubalheira") para seu governo, com direito a indicar ministro. E Haddad, o pai do kit gay, ao lado de Jair Bolsonaro, do PP?

Em antigas eleições, os repórteres Ennio Pesce e Ferreira Netto, excelentes imitadores, criaram no gravador um diálogo entre os adversários Adhemar de Barros e Jânio Quadros. Ennio, como Jânio, dizia: "Chamá-lo-ei de rato". Ferreira, como Adhemar, respondia: "Vou responder que rato é a mãe". Tocavam o gravador nas viagens e os eleitores se indignavam ao ouvir seus ídolos combinar como os enganariam. Não mudou muito. Só não é mais preciso usar imitadores.

ENCONTRO MARCADO

Só há uma explicação para que Lula tenha se submetido à humilhação de atender à exigência de Maluf, com todo o simbolismo que carrega, e ir à sua casa para fechar o acordo: preocupação com o lento crescimento de seu candidato. O tempo extra de um minuto 35 segundos seria essencial, a partir deste ponto de vista, para martelar no eleitor a imagem de Haddad como candidato de Lula e assim alavancar sua popularidade. No momento, segundo o Instituto Datafolha, Haddad está empatado com Soninha Francine, do PPS, tem menos da metade do índice de Celso Russomanno, o candidato do PRB, até agora o segundo colocado, e pouco mais de um quarto do índice de José Serra, o favorito nas pesquisas, do PSDB.

ENTRE NA CASA COM ELE

Do colunista Cláudio Humberto (www.claudiohumberto.com.br): "Campanha eleitoral do PT em São Paulo: R$ 30 milhões. Tempo extra do petista Haddad na TV: um minuto e 35 segundos. Ver Maluf com Lula: não tem preço".

O MUNDO GIRA

Não fique ansioso: o empreiteiro Fernando Cavendish, da Delta, personagem eminente da Turma do Guardanapo, amigo de fé e irmão camarada do governador fluminense, Sérgio Cabral, dono de uma empresa que foi declarada inidônea, será chamado a depor na CPI do Cachoeira. Mas, repetindo, não fique ansioso: suas excelências tiveram de suspender o trabalho por causa da Rio+20. Depois há as festas juninas, que exigem a presença dos nobres parlamentares em suas bases eleitorais. E o sacrossanto recesso parlamentar, em que suas senhorias vão de novo a suas bases parlamentares, trabalhar duro junto aos eleitores. Agosto, pois - mas aí todos estarão preocupados com as eleições. Aguarde, caro leitor!

CUT x PT

Quando a gente pensa que já viu de tudo, aparece coisa nova: a CUT, central sindical ligada ao PT, abriu fogo contra a política industrial do governo petista da presidente Dilma Rousseff. A CUT acusa o governo de privilegiar setores da economia com benefícios fiscais, sem exigir em troca nenhuma compensação, como por exemplo a garantia da manutenção do número de empregos. Critica os benefícios concedidos à indústria automobilística, "composta unicamente por multinacionais"; e faz um ataque frontal à Telefônica, multinacional espanhola que controla a Vivo e domina boa parte das telecomunicações do País: "Qual o sentido de desonerar a Telefônica, que em 2011 teve lucro de R$ 5 bilhões?"

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;