Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Novos cargos na Saúde
geram críticas em Mauá

Maíla Barreto/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Reforma no setor proporciona salário maior do que o do vice-prefeito; mesmo assim, projeto passa


Bruno Coelho
Do Diário do Grande ABC

15/05/2013 | 07:00


Projeto de reforma administrativa na Secretaria de Saúde de Mauá, encaminhado pelo prefeito Donisete Braga (PT), mais uma vez evidenciou o desgaste do governo com os vereadores sobre questões relacionadas ao setor. Embora aprovada em primeira apreciação na sessão de ontem, a propositura, que prevê criação de 25 cargos, recebeu questionamentos de parlamentares, entre as quais os valores de novas remunerações, sendo uma delas superior ao subsídio destinado ao vice-prefeito.

A reforma prevê inicialmente a extinção de 32 cargos: 25 diretores de unidade de Saúde e sete de departamento. Cada um recebia salário de R$ 3.400, resultando em folha de pagamento de R$ 108,8 mil mensais.

Em contrapartida, o projeto cria outras 57 funções, cujos salários variam entre R$ 5.100 e R$ 9.500 que, somados, representam R$ 316,7 mil por mês ao Paço. Portanto, a Prefeitura passará a despender R$ 207,9 mil mensais a mais em relação à folha de pagamento vigente na Saúde.

Outro detalhe que chama a atenção no projeto é o salário previsto ao assessor de gestão da Saúde, de R$ 9.500, o terceiro maior piso do Executivo de Mauá, atrás apenas dos subsídios do prefeito (R$ 18.576,09) e secretários (R$ 12.025,40). O futuro ocupante do posto teria ganhos superiores ao do vice-prefeito Hélcio Silva (PT), que receberia R$ 9.288,05, se não optasse pelos vencimentos de secretário de Habitação - acumula o cargo.

Três semanas após aprovada a reposição salarial de 6,8% ao funcionalismo público de Mauá, alguns vereadores questionaram as remunerações prevista no projeto, situação que gerou mais críticas à secretária de Saúde, Lumena Furtado. "Ela falou que mandaria o aumento (salarial) aos médicos, mas até agora esperamos o projeto", pontuou a vereadora Sandra Vieira (PMDB).

Não apenas os gastos foram questionados no Parlamento, como também a falta de exigência de escolaridade e capacitação profissional aos futuros nomeados. "Cargo comissionado geralmente é dado para cabos eleitorais. Se não está na lei, o agente público nomeia quem quiser", enfatizou Manoel Lopes (DEM). O democrata e Sandra foram os únicos contrários à matéria.

Apesar das críticas, o secretário de Relações Institucionais, Rômulo Fernandes (PT), conseguiu amarrar a maioria para a aprovação do texto. Entretanto, o petista teve de levar à Prefeitura as cobranças do Parlamento pelo reajuste salarial aos médicos de Mauá, mesmo alegando que o tema está em discussão no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, visando vencimentos padronizados à categoria nos sete municípios.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Novos cargos na Saúde
geram críticas em Mauá

Reforma no setor proporciona salário maior do que o do vice-prefeito; mesmo assim, projeto passa

Bruno Coelho
Do Diário do Grande ABC

15/05/2013 | 07:00


Projeto de reforma administrativa na Secretaria de Saúde de Mauá, encaminhado pelo prefeito Donisete Braga (PT), mais uma vez evidenciou o desgaste do governo com os vereadores sobre questões relacionadas ao setor. Embora aprovada em primeira apreciação na sessão de ontem, a propositura, que prevê criação de 25 cargos, recebeu questionamentos de parlamentares, entre as quais os valores de novas remunerações, sendo uma delas superior ao subsídio destinado ao vice-prefeito.

A reforma prevê inicialmente a extinção de 32 cargos: 25 diretores de unidade de Saúde e sete de departamento. Cada um recebia salário de R$ 3.400, resultando em folha de pagamento de R$ 108,8 mil mensais.

Em contrapartida, o projeto cria outras 57 funções, cujos salários variam entre R$ 5.100 e R$ 9.500 que, somados, representam R$ 316,7 mil por mês ao Paço. Portanto, a Prefeitura passará a despender R$ 207,9 mil mensais a mais em relação à folha de pagamento vigente na Saúde.

Outro detalhe que chama a atenção no projeto é o salário previsto ao assessor de gestão da Saúde, de R$ 9.500, o terceiro maior piso do Executivo de Mauá, atrás apenas dos subsídios do prefeito (R$ 18.576,09) e secretários (R$ 12.025,40). O futuro ocupante do posto teria ganhos superiores ao do vice-prefeito Hélcio Silva (PT), que receberia R$ 9.288,05, se não optasse pelos vencimentos de secretário de Habitação - acumula o cargo.

Três semanas após aprovada a reposição salarial de 6,8% ao funcionalismo público de Mauá, alguns vereadores questionaram as remunerações prevista no projeto, situação que gerou mais críticas à secretária de Saúde, Lumena Furtado. "Ela falou que mandaria o aumento (salarial) aos médicos, mas até agora esperamos o projeto", pontuou a vereadora Sandra Vieira (PMDB).

Não apenas os gastos foram questionados no Parlamento, como também a falta de exigência de escolaridade e capacitação profissional aos futuros nomeados. "Cargo comissionado geralmente é dado para cabos eleitorais. Se não está na lei, o agente público nomeia quem quiser", enfatizou Manoel Lopes (DEM). O democrata e Sandra foram os únicos contrários à matéria.

Apesar das críticas, o secretário de Relações Institucionais, Rômulo Fernandes (PT), conseguiu amarrar a maioria para a aprovação do texto. Entretanto, o petista teve de levar à Prefeitura as cobranças do Parlamento pelo reajuste salarial aos médicos de Mauá, mesmo alegando que o tema está em discussão no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, visando vencimentos padronizados à categoria nos sete municípios.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;