Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Cetesb dá prazo até hoje para postos cumprirem exigências


Rodrigo Cipriano
Do Diário do Grande ABC

14/06/2006 | 07:53


A Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) fez uma série de exigências aos dois postos de combustíveis localizados no Centro de Diadema que seriam responsáveis pelo vazamento de gasolina que colocou em pânico os moradores do entorno. O Tobogan foi obrigado a fazer adaptações no sistema hidráulico de duas casas, que estavam sofrendo com o cheiro forte de combustível que brotava dos ralos. O Carrefour tem de apresentar um laudo de estanqueidade de seus tanques de armazenamento. Além disso, terá de fazer avaliação geológica para determinar se houve contaminação do solo durante o vazamento da última quinta-feira, desencadeado por uma falha durante o descarregamento de um caminhão-tanque.

As exigências da Cetesb foram feitas no fim da semana passada aos responsáveis pelos postos. Hoje, uma equipe de técnicos da companhia irá até os endereços checar se as demandas foram atendidas. “Fizemos um pedido. Caso não cumpram, daremos uma ordem”, afirma Agnaldo Ribeiro de Vasconcelos, químico do setor de emergências da Cetesb, que está acompanhando o caso desde o início. Com as intervenções, ele acredita que os problemas no local estarão controlados. O especialista admite, no entanto, que na última quinta-feira, quando foi detectado o vazamento, havia risco de explosão. O percentual chegou a 60% – o limite tolerado é de 20%.

O vazamento nos dois postos de combustível do Centro de Diadema foi detectado na última quinta-feira, após a denúncia de um morador. Em vistoria na rede de esgoto onde estavam concentrados os gases, a Cetesb descobriu o vazamento de 900 litros de gasolina pela rede de águas pluviais do Carrefour.

Durante a investigação, também foi constatada concentração de hidrocarbonetos – que compõem a gasolina – próximo ao posto Tobogan.

O perigo só foi afastado depois que a Saned fez a lavagem da rede de esgoto das ruas próximas aos postos, para onde a gasolina que vazou estava escoando. A medida reduziu o índice de explosividade para apenas 1%. Com a lavagem, o volume de compostos orgânicos voláteis – cuja quantidade é determinante em uma explosão – também caiu de 1,8 mil ppm (partes por milhão) para 20 ppm. Apesar da situação estar controlada, a Cetesb solicitou que a Secretaria de Saúde de Diadema fizesse análise nos locais, a fim de determinar se os moradores vizinhos aos postos correm risco de contaminação.

Os técnicos do município, no entanto, estão fazendo o acompanhamento do caso a partir dos relatórios enviados pela Cetesb à Prefeitura. Só serão feitas visitas dos técnicos de saúde ao local depois que a companhia estadual de saneamento der o caso por encerrado.

Moradores próximos aos postos ouvidos pelo Diário afirmam que desde que o vazamento foi detectado sentem fortes dores de cabeça. Segundo o médico Adriano César Guazzelli, professor de pneumologia da Faculdade de Medicina do ABC, a composição da gasolina traz um conjunto de substâncias irritantes que, além das dores de cabeça, também podem causar irritação nos olhos, náuseas, enjôos, coriza, nariz entupido e tosse. Pessoas que já tiveram doenças pulmonares, como asma, bronquite crônica e enfisema, teriam os mesmos sintomas, acrescidos de tosse com falta de ar e chiadeira no pulmão. “Não quer dizer que o quadro irá evoluir, necessariamente, para uma doença mais grave”, explicou o pneumologista.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cetesb dá prazo até hoje para postos cumprirem exigências

Rodrigo Cipriano
Do Diário do Grande ABC

14/06/2006 | 07:53


A Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) fez uma série de exigências aos dois postos de combustíveis localizados no Centro de Diadema que seriam responsáveis pelo vazamento de gasolina que colocou em pânico os moradores do entorno. O Tobogan foi obrigado a fazer adaptações no sistema hidráulico de duas casas, que estavam sofrendo com o cheiro forte de combustível que brotava dos ralos. O Carrefour tem de apresentar um laudo de estanqueidade de seus tanques de armazenamento. Além disso, terá de fazer avaliação geológica para determinar se houve contaminação do solo durante o vazamento da última quinta-feira, desencadeado por uma falha durante o descarregamento de um caminhão-tanque.

As exigências da Cetesb foram feitas no fim da semana passada aos responsáveis pelos postos. Hoje, uma equipe de técnicos da companhia irá até os endereços checar se as demandas foram atendidas. “Fizemos um pedido. Caso não cumpram, daremos uma ordem”, afirma Agnaldo Ribeiro de Vasconcelos, químico do setor de emergências da Cetesb, que está acompanhando o caso desde o início. Com as intervenções, ele acredita que os problemas no local estarão controlados. O especialista admite, no entanto, que na última quinta-feira, quando foi detectado o vazamento, havia risco de explosão. O percentual chegou a 60% – o limite tolerado é de 20%.

O vazamento nos dois postos de combustível do Centro de Diadema foi detectado na última quinta-feira, após a denúncia de um morador. Em vistoria na rede de esgoto onde estavam concentrados os gases, a Cetesb descobriu o vazamento de 900 litros de gasolina pela rede de águas pluviais do Carrefour.

Durante a investigação, também foi constatada concentração de hidrocarbonetos – que compõem a gasolina – próximo ao posto Tobogan.

O perigo só foi afastado depois que a Saned fez a lavagem da rede de esgoto das ruas próximas aos postos, para onde a gasolina que vazou estava escoando. A medida reduziu o índice de explosividade para apenas 1%. Com a lavagem, o volume de compostos orgânicos voláteis – cuja quantidade é determinante em uma explosão – também caiu de 1,8 mil ppm (partes por milhão) para 20 ppm. Apesar da situação estar controlada, a Cetesb solicitou que a Secretaria de Saúde de Diadema fizesse análise nos locais, a fim de determinar se os moradores vizinhos aos postos correm risco de contaminação.

Os técnicos do município, no entanto, estão fazendo o acompanhamento do caso a partir dos relatórios enviados pela Cetesb à Prefeitura. Só serão feitas visitas dos técnicos de saúde ao local depois que a companhia estadual de saneamento der o caso por encerrado.

Moradores próximos aos postos ouvidos pelo Diário afirmam que desde que o vazamento foi detectado sentem fortes dores de cabeça. Segundo o médico Adriano César Guazzelli, professor de pneumologia da Faculdade de Medicina do ABC, a composição da gasolina traz um conjunto de substâncias irritantes que, além das dores de cabeça, também podem causar irritação nos olhos, náuseas, enjôos, coriza, nariz entupido e tosse. Pessoas que já tiveram doenças pulmonares, como asma, bronquite crônica e enfisema, teriam os mesmos sintomas, acrescidos de tosse com falta de ar e chiadeira no pulmão. “Não quer dizer que o quadro irá evoluir, necessariamente, para uma doença mais grave”, explicou o pneumologista.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;