Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Indústria do medo em ‘violência s.a.’


Daniel Gutierrez
Especial para o Diário

27/05/2006 | 08:57


Sob a ameaça dos ataques atribuídos ao crime organizado paulista e movida pelos boatos de que o governo estadual havia decretado toque de recolher, a população saiu em fuga desesperada. O pânico supera a razão e os moradores da Grande São Paulo se rendem à cultura do medo. Nessa órbita gira o documentário Violência S.A. (2005), que mostra como o medo generalizado contribui para o crescimento da criminalidade urbana.

O filme será exibido neste sábado gratuitamente no Espaço Arte-Cidadania (al. Nothmann, 1.029), seguido por um debate. E neste domingo, às 23h, a TV Cultura também exibe o documentário. Escrito e dirigido por Eduardo Benaim, Jorge Saad Jafet e Newton Cannito, o filme mostra que o pânico generalizado é mais perigoso que as ameaças dos bandidos. Isso porque a paranóia começa com fatos reais, porém os exacerba de forma irracional, gera uma série de medidas de auto-defesa e acaba contribuindo para o aumento da violência. Mostra cidadãos paulistas tentando encontrar soluções individuais para o problema, gerando, com isso, verdadeiras catástrofes públicas.

Violência S.A. aborda também como o medo pode ser rentável, inflando o mercado de seguranças particulares, carros blindados, armas de fogo, chips, satélites, bunkers residenciais, entre outros. Para retratar o contraste entre a má distribuição de renda e as vendas de carros blindados, os diretores usam um paulistano típico, que é narrador e personagem ao mesmo tempo. Ele sai às ruas à procura de pessoas acuadas, especialistas, policiais e outros personagens, numa narrativa tragicômica.
(Supervisão Alessandro Soares)


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Indústria do medo em ‘violência s.a.’

Daniel Gutierrez
Especial para o Diário

27/05/2006 | 08:57


Sob a ameaça dos ataques atribuídos ao crime organizado paulista e movida pelos boatos de que o governo estadual havia decretado toque de recolher, a população saiu em fuga desesperada. O pânico supera a razão e os moradores da Grande São Paulo se rendem à cultura do medo. Nessa órbita gira o documentário Violência S.A. (2005), que mostra como o medo generalizado contribui para o crescimento da criminalidade urbana.

O filme será exibido neste sábado gratuitamente no Espaço Arte-Cidadania (al. Nothmann, 1.029), seguido por um debate. E neste domingo, às 23h, a TV Cultura também exibe o documentário. Escrito e dirigido por Eduardo Benaim, Jorge Saad Jafet e Newton Cannito, o filme mostra que o pânico generalizado é mais perigoso que as ameaças dos bandidos. Isso porque a paranóia começa com fatos reais, porém os exacerba de forma irracional, gera uma série de medidas de auto-defesa e acaba contribuindo para o aumento da violência. Mostra cidadãos paulistas tentando encontrar soluções individuais para o problema, gerando, com isso, verdadeiras catástrofes públicas.

Violência S.A. aborda também como o medo pode ser rentável, inflando o mercado de seguranças particulares, carros blindados, armas de fogo, chips, satélites, bunkers residenciais, entre outros. Para retratar o contraste entre a má distribuição de renda e as vendas de carros blindados, os diretores usam um paulistano típico, que é narrador e personagem ao mesmo tempo. Ele sai às ruas à procura de pessoas acuadas, especialistas, policiais e outros personagens, numa narrativa tragicômica.
(Supervisão Alessandro Soares)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;