Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Petrobras não escapa do aumento, diz ‘consultor’ de Chávez



09/05/2006 | 00:00


A Petrobras deve absorver no custo do transporte os US$ 2 de reajuste no preço do gás proposto pelo governo boliviano, para que não haja repasse para o consumidor. Mas não deve escapar do aumento, na opinião do ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Darc Costa, espécie de consultor informal do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

“A Petrobras vai pagar um preço melhor do que o que está pagando”, diz Costa, que não vê contradição entre as declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que admite a possibilidade de reajuste negociado, e da direção executiva da estatal, que não aceita o aumento. Para ele, o discurso da Petrobras é “o que tem de ser feito” para prestar contas aos acionistas, especialmente os estrangeiros, detentores, em Nova York, de metade dos títulos da empresa negociados em bolsa. “Se não, correm o risco de serem acusados de gestão temerária.”

Darc diz que a Petrobras paga US$ 3,23 por milhão do BTU pelo gás retirado da Bolívia e cobra mais US$ 5 pelo transporte para o Brasil. “Há uma margem de ganho muito grande no transporte. O erro foi a empresa não ter feito seguro de risco político, porque essas mudanças não foram às escondidas. Todo mundo sabia que isso ia acontecer.”

Segundo ele, a “aliança clara” entre Venezuela, Brasil e Argentina está deixando “os americanos e a direita muito preocupados”, mas não vê risco que a PDVSA passe a substituir a Petrobras na Bolívia. “O interesse imediato da PDVSA é a distribuição.”

Empresa quer aumento zero para gás boliviano

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, apresenta nesta quarta-feira ao representante da boliviana YPFB proposta de reajuste zero para o gás importado daquele país. A estatal brasileira apresentará argumentos mostrando que não há porquê aprovar um novo preço agora. A intenção da Bolívia é reajustar o valor em mais de 60%.

“A YPFB quer uma coisa e nós outra. Partiremos então para uma negociação, como é absolutamente natural, racional e tradicional entre duas empresas”, argumentou Gabrielli, segunda-feira, após solenidade no Espírito Santo. O executivo viajou segunda-feira mesmo a Caracas, na Venezuela, onde deve encontrar-se com representantes da PDVSA, estatal venezuelana, para discutir investimentos em comum entre ambas as companhias. Em seguida, partirá para La Paz, capital boliviana, onde se reúne nesta quarta-feira com o presidente da YBFB, na presença do ministro de Minas e Energia do Brasil, Silas Rondeau, e do ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, André Solis Rada.

O executivo disse que vai aproveitar a reunião para discutir outros aspectos do decreto boliviano. “Pela constituição boliviana, qualquer nacionalização prevê uma indenização prévia, e essa questão tem que ser colocada”, disse Gabrielli.

Sem estrutura – A Petrobras iniciou segunda-feira a produção do primeiro módulo do campo de Golfinho, ao norte do Espírito Santo, que tem capacidade para produzir 100 mil barris de óleo leve por dia e mais 3,5 milhões de metros cúbicos diários de gás natural. A produção de gás, entretanto, estará prejudicada pela falta de infra-estrutura para transportar o combustível para a região Sudeste.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Petrobras não escapa do aumento, diz ‘consultor’ de Chávez


09/05/2006 | 00:00


A Petrobras deve absorver no custo do transporte os US$ 2 de reajuste no preço do gás proposto pelo governo boliviano, para que não haja repasse para o consumidor. Mas não deve escapar do aumento, na opinião do ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Darc Costa, espécie de consultor informal do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

“A Petrobras vai pagar um preço melhor do que o que está pagando”, diz Costa, que não vê contradição entre as declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que admite a possibilidade de reajuste negociado, e da direção executiva da estatal, que não aceita o aumento. Para ele, o discurso da Petrobras é “o que tem de ser feito” para prestar contas aos acionistas, especialmente os estrangeiros, detentores, em Nova York, de metade dos títulos da empresa negociados em bolsa. “Se não, correm o risco de serem acusados de gestão temerária.”

Darc diz que a Petrobras paga US$ 3,23 por milhão do BTU pelo gás retirado da Bolívia e cobra mais US$ 5 pelo transporte para o Brasil. “Há uma margem de ganho muito grande no transporte. O erro foi a empresa não ter feito seguro de risco político, porque essas mudanças não foram às escondidas. Todo mundo sabia que isso ia acontecer.”

Segundo ele, a “aliança clara” entre Venezuela, Brasil e Argentina está deixando “os americanos e a direita muito preocupados”, mas não vê risco que a PDVSA passe a substituir a Petrobras na Bolívia. “O interesse imediato da PDVSA é a distribuição.”

Empresa quer aumento zero para gás boliviano

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, apresenta nesta quarta-feira ao representante da boliviana YPFB proposta de reajuste zero para o gás importado daquele país. A estatal brasileira apresentará argumentos mostrando que não há porquê aprovar um novo preço agora. A intenção da Bolívia é reajustar o valor em mais de 60%.

“A YPFB quer uma coisa e nós outra. Partiremos então para uma negociação, como é absolutamente natural, racional e tradicional entre duas empresas”, argumentou Gabrielli, segunda-feira, após solenidade no Espírito Santo. O executivo viajou segunda-feira mesmo a Caracas, na Venezuela, onde deve encontrar-se com representantes da PDVSA, estatal venezuelana, para discutir investimentos em comum entre ambas as companhias. Em seguida, partirá para La Paz, capital boliviana, onde se reúne nesta quarta-feira com o presidente da YBFB, na presença do ministro de Minas e Energia do Brasil, Silas Rondeau, e do ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, André Solis Rada.

O executivo disse que vai aproveitar a reunião para discutir outros aspectos do decreto boliviano. “Pela constituição boliviana, qualquer nacionalização prevê uma indenização prévia, e essa questão tem que ser colocada”, disse Gabrielli.

Sem estrutura – A Petrobras iniciou segunda-feira a produção do primeiro módulo do campo de Golfinho, ao norte do Espírito Santo, que tem capacidade para produzir 100 mil barris de óleo leve por dia e mais 3,5 milhões de metros cúbicos diários de gás natural. A produção de gás, entretanto, estará prejudicada pela falta de infra-estrutura para transportar o combustível para a região Sudeste.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;