Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Secretário mente, diz sindicato dos funcionários da Febem


Do Diário OnLine

16/09/2003 | 11:18


O presidente do sindicato dos funcionários da Fundação Estadual Para o Bem-Estar do Menor (Febem), Gilberto da Silva, chamou o secretário da Educação de São Paulo, Gabriel Chalita, de mentiroso nesta terça-feira. Em entrevista à Rádio CBN, Silva disse que o secretário, “no mínimo, não conhece a Febem”, pois é mentira afirmar que a rebelião ocorrida nesta manhã no complexo do Tatuapé é “pontual”.

Chalita concedeu entrevista à CBN antes de Silva. O seretário disse que a “Febem do Tatuapé é uma unidade que vem dando certo” e que a rebelião desta terça-feira “foi pountual”. “Lá temos diversas oficinas pedagócias, de teatro. Eles estudam quase o dia inteiro. Não podemos esquecer que é uma coisa (briga entre adolescentes) que pode ocorrer em qualquer lugar”, afirmou Chalita.

Logo em seguida, Silva começou a entrevista afirmando que “o secretário Chalita mostrou que não conhece a Febem”. “Todas as unidades estão ‘batendo as grades’ (prestes a ter rebeliões, segundo explicou em seguida) e o problema no Tatuapé não é nem um pouco pontual. Ele (Clhalita) não fala a verdade. No período de greve só não teve rebelião porque os menores ficaram trancados nos quartos. Não é verdade que o problema é só em Franco da Rocha”, rebateu o presidente do sindicato.

Para Silva, Chalita está “só fazendo marketing”. “Falta tudo dentro da Febem. A verdade é que nunca tivemos uma verba tão grande como nesse ano e nunca faltou tanta coisa”, acusou. Segundo ele, a direção da Fundação trocou cerca de 90% dos quadros de funcionários e quem tem trabalhado são “esses com pouca experiência”. “Os antigos não estão indo trabalhar por orientação do sindicato. O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) determinou que a segurança aumentasse e vamos esperar”, explicou.

Gilberto Silva também rebateu a declaração do secretário da Educação de que as unidades do interior e do litoral paulista são calmas e não têm registrado rebeliões. “É um inverdade. Em Bauru teve rebelião nesse ano. Um PM saiu com o queixo quebrado e um juiz corregedor foi agredido com pedradas. Em Rio Preto oito funcionários foram hospitalizados. Também houve rebelião em Ribeirão Preto e no Guarujá”, listou Silva. Ele realtou ainda que na unidade do Brás, que recebe os adolescentes na fase inicial, há 600 internos onde caberiam apenas 60.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Secretário mente, diz sindicato dos funcionários da Febem

Do Diário OnLine

16/09/2003 | 11:18


O presidente do sindicato dos funcionários da Fundação Estadual Para o Bem-Estar do Menor (Febem), Gilberto da Silva, chamou o secretário da Educação de São Paulo, Gabriel Chalita, de mentiroso nesta terça-feira. Em entrevista à Rádio CBN, Silva disse que o secretário, “no mínimo, não conhece a Febem”, pois é mentira afirmar que a rebelião ocorrida nesta manhã no complexo do Tatuapé é “pontual”.

Chalita concedeu entrevista à CBN antes de Silva. O seretário disse que a “Febem do Tatuapé é uma unidade que vem dando certo” e que a rebelião desta terça-feira “foi pountual”. “Lá temos diversas oficinas pedagócias, de teatro. Eles estudam quase o dia inteiro. Não podemos esquecer que é uma coisa (briga entre adolescentes) que pode ocorrer em qualquer lugar”, afirmou Chalita.

Logo em seguida, Silva começou a entrevista afirmando que “o secretário Chalita mostrou que não conhece a Febem”. “Todas as unidades estão ‘batendo as grades’ (prestes a ter rebeliões, segundo explicou em seguida) e o problema no Tatuapé não é nem um pouco pontual. Ele (Clhalita) não fala a verdade. No período de greve só não teve rebelião porque os menores ficaram trancados nos quartos. Não é verdade que o problema é só em Franco da Rocha”, rebateu o presidente do sindicato.

Para Silva, Chalita está “só fazendo marketing”. “Falta tudo dentro da Febem. A verdade é que nunca tivemos uma verba tão grande como nesse ano e nunca faltou tanta coisa”, acusou. Segundo ele, a direção da Fundação trocou cerca de 90% dos quadros de funcionários e quem tem trabalhado são “esses com pouca experiência”. “Os antigos não estão indo trabalhar por orientação do sindicato. O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) determinou que a segurança aumentasse e vamos esperar”, explicou.

Gilberto Silva também rebateu a declaração do secretário da Educação de que as unidades do interior e do litoral paulista são calmas e não têm registrado rebeliões. “É um inverdade. Em Bauru teve rebelião nesse ano. Um PM saiu com o queixo quebrado e um juiz corregedor foi agredido com pedradas. Em Rio Preto oito funcionários foram hospitalizados. Também houve rebelião em Ribeirão Preto e no Guarujá”, listou Silva. Ele realtou ainda que na unidade do Brás, que recebe os adolescentes na fase inicial, há 600 internos onde caberiam apenas 60.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;