Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

TRE do Paraná cassa mandato do prefeito de Mato Rico


Da Agência Brasil

31/05/2005 | 17:47


O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná comunicou nesta terça-feira a cassação do prefeito, do vice-prefeito e de um vereador do município de Mato Rico, na região central do Estado. Nilson Padilha, Robson Adriano Cano e Vanderlei Bini foram condenados por compra de votos em troca de botijões de gás.

A Justiça Eleitoral ressaltou a diferença de apenas 223 votos no pleito e considerou as provas apresentadas pela Coligação Trabalho e Lealdade, um Compromisso com a Comunidade, que incluíram declarações de testemunhas e gravações audiovisuais indicando a existência de captação ilícita de votos.

A decisão prevê multa de cinco mil unidades fiscais de referência, cassação do registro e inelegibilidade, por três anos a contar da data da eleição. Segundo o TRE, cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral no prazo de três dias a contar da publicação do acórdão (decisão proferida em grau de recurso por tribunal coletivo).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

TRE do Paraná cassa mandato do prefeito de Mato Rico

Da Agência Brasil

31/05/2005 | 17:47


O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná comunicou nesta terça-feira a cassação do prefeito, do vice-prefeito e de um vereador do município de Mato Rico, na região central do Estado. Nilson Padilha, Robson Adriano Cano e Vanderlei Bini foram condenados por compra de votos em troca de botijões de gás.

A Justiça Eleitoral ressaltou a diferença de apenas 223 votos no pleito e considerou as provas apresentadas pela Coligação Trabalho e Lealdade, um Compromisso com a Comunidade, que incluíram declarações de testemunhas e gravações audiovisuais indicando a existência de captação ilícita de votos.

A decisão prevê multa de cinco mil unidades fiscais de referência, cassação do registro e inelegibilidade, por três anos a contar da data da eleição. Segundo o TRE, cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral no prazo de três dias a contar da publicação do acórdão (decisão proferida em grau de recurso por tribunal coletivo).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;