Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Cerca de 80 mil assistem ao desfile na Sapucaí


Do Diário OnLine
COm Agências

26/02/2001 | 09:58


Cerca de 80 mil espectadores, brasileiros e estrangeiros, prestigiaram os desfiles de carnaval na Marquês do Sapucaí, Rio de Janeiro, na madrugada deste domingo para segunda-feira. A favorita desta primeira noite de desfiles foi a última a passar: a Beija-Flor, vice-campeã em 1999 e 2000, que apresentou, já sob a radiante luz do dia, a história de Agotime, uma rainha africana transformada em escrava e que conseguiu recuperar sua coroa no Brasil.

Mais modesto foi o início da noite, que começou com a Paraíso do Tuiuti, uma escola recém-elevada ao grupo especial e que estreou entre "as grandes" contando a história de um árabe que ajudou o Brasil a lutar contra a escravidão.

Em um grito contra a violência que castiga o Brasil, Mocidade Independente chegou à passarela defendendo a fraternização e criticando os crimes e as armas. O objetivo de converter o desfile em um ato de paz ganhou o aplauso do público, que a considerou a segunda melhor escola da noite.

A tradicional Portela, a escola que mais vezes ganhou o Carnaval na história, com 21 títulos, cantou o poder da mente humana. Querer é poder, diz o seu samba, e a apresentação foi correta, embora não tenha provocado a emoção necessária para colocar o público de pé.

A Unidos da Tijuca teve como enredo a história do escritor e jornalista Nelson Rodrigues. A escola tinha Miguel Falabella como o anjo pornográfico e na comissão de frente, uma bailarina do corpo de baile do Municipal que se apresentava comportada e devassa. O tempo do desfile ficou comprometido com um recuo da bateria e os componentes precisaram se apressar para encerrar a apresentação dentro dos 80 minutos estabelecidos pela Liga das Escolas de Samba (Liesa).

A apresentação da Salgueiro começou com um tuiuiú, pássaro típico do Pantanal, articulado com diversos efeitos especiais. As três irmãs Valéria, Elaine e Cláudia Valensa dançaram "Salgueiro no mar de Xayarés, é Pantanal, é carnaval" com os corpos pintados e tapa sexo. Houve muita água nos carros alegóricos e alguns apresentavam até toboáguas, cascatas e lagos. O desfile acabou no tempo regulamentado.

O apresentador e empresário Silvio Santos saiu no carro abre-alas do desfile da Tradição. Silvio, o destaque da escola, desfilou com um terno prateado e cantou o samba “Hoje é domingo, é alegria, vamos sorrir e cantar” durante grande parte do tempo. Gugu Liberato desfilou como deus grego no carro que homenageava a Grécia, e Hebe Camargo afirmou, depois do desfile, que seu patrão estava sendo tão bem recebido porque dá emprego a muita gente.

Outros funcionários do SBT, como Carla Perez, Babi, Fabiane Andrade e Adriana Bombom saíram a frente da bateria da escola. O apresentador Carlos Massa, o Ratinho, desfilou em um dos carros alegóricos, criticou a Embratur e o governo federal por não divulgarem o carnaval no Rio, que é o melhor do mundo. O apresentador da Record, Raul Gil, também esteve no Sambódromo para prestigiar Silvio Santos, mas ele foi embora cedo.

Nos camarotes não faltaram rostos conhecidos como o ator Arnold Schwarzenegger, a top model brasileira Gisele Bündchen, Luciana Giménez e figuras do futebol, como Romário e Zico, entre outros.

A segunda metade do espetáculo começa nesta segunda à noite. Entre as mais esperadas escolas estão a Imperatriz Leopoldinense, campeã em 1999 e 2000, e que quer repetir seu título com um samba dedicado à cachaça.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cerca de 80 mil assistem ao desfile na Sapucaí

Do Diário OnLine
COm Agências

26/02/2001 | 09:58


Cerca de 80 mil espectadores, brasileiros e estrangeiros, prestigiaram os desfiles de carnaval na Marquês do Sapucaí, Rio de Janeiro, na madrugada deste domingo para segunda-feira. A favorita desta primeira noite de desfiles foi a última a passar: a Beija-Flor, vice-campeã em 1999 e 2000, que apresentou, já sob a radiante luz do dia, a história de Agotime, uma rainha africana transformada em escrava e que conseguiu recuperar sua coroa no Brasil.

Mais modesto foi o início da noite, que começou com a Paraíso do Tuiuti, uma escola recém-elevada ao grupo especial e que estreou entre "as grandes" contando a história de um árabe que ajudou o Brasil a lutar contra a escravidão.

Em um grito contra a violência que castiga o Brasil, Mocidade Independente chegou à passarela defendendo a fraternização e criticando os crimes e as armas. O objetivo de converter o desfile em um ato de paz ganhou o aplauso do público, que a considerou a segunda melhor escola da noite.

A tradicional Portela, a escola que mais vezes ganhou o Carnaval na história, com 21 títulos, cantou o poder da mente humana. Querer é poder, diz o seu samba, e a apresentação foi correta, embora não tenha provocado a emoção necessária para colocar o público de pé.

A Unidos da Tijuca teve como enredo a história do escritor e jornalista Nelson Rodrigues. A escola tinha Miguel Falabella como o anjo pornográfico e na comissão de frente, uma bailarina do corpo de baile do Municipal que se apresentava comportada e devassa. O tempo do desfile ficou comprometido com um recuo da bateria e os componentes precisaram se apressar para encerrar a apresentação dentro dos 80 minutos estabelecidos pela Liga das Escolas de Samba (Liesa).

A apresentação da Salgueiro começou com um tuiuiú, pássaro típico do Pantanal, articulado com diversos efeitos especiais. As três irmãs Valéria, Elaine e Cláudia Valensa dançaram "Salgueiro no mar de Xayarés, é Pantanal, é carnaval" com os corpos pintados e tapa sexo. Houve muita água nos carros alegóricos e alguns apresentavam até toboáguas, cascatas e lagos. O desfile acabou no tempo regulamentado.

O apresentador e empresário Silvio Santos saiu no carro abre-alas do desfile da Tradição. Silvio, o destaque da escola, desfilou com um terno prateado e cantou o samba “Hoje é domingo, é alegria, vamos sorrir e cantar” durante grande parte do tempo. Gugu Liberato desfilou como deus grego no carro que homenageava a Grécia, e Hebe Camargo afirmou, depois do desfile, que seu patrão estava sendo tão bem recebido porque dá emprego a muita gente.

Outros funcionários do SBT, como Carla Perez, Babi, Fabiane Andrade e Adriana Bombom saíram a frente da bateria da escola. O apresentador Carlos Massa, o Ratinho, desfilou em um dos carros alegóricos, criticou a Embratur e o governo federal por não divulgarem o carnaval no Rio, que é o melhor do mundo. O apresentador da Record, Raul Gil, também esteve no Sambódromo para prestigiar Silvio Santos, mas ele foi embora cedo.

Nos camarotes não faltaram rostos conhecidos como o ator Arnold Schwarzenegger, a top model brasileira Gisele Bündchen, Luciana Giménez e figuras do futebol, como Romário e Zico, entre outros.

A segunda metade do espetáculo começa nesta segunda à noite. Entre as mais esperadas escolas estão a Imperatriz Leopoldinense, campeã em 1999 e 2000, e que quer repetir seu título com um samba dedicado à cachaça.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;