Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Memórias de um trabalhador


Cíntia Banús
Especial para o Diário

30/07/2005 | 09:01


Oswaldo Lourenço, 80 anos, atualmente preside o Sindicato dos Aposentados e Pensionistas Ferroviários e Demais Categorias do Estado de São Paulo (SINDAPFER), mas sua ligação com os movimentos sociais é de longa data. Nasceu em Santos e mora em Santo André desde 1965. A idéia de colocar suas idéias no papel surgiu depois de ser muito procurado por estudantes e pesquisadores que pediam informações sobre os fatos que ele vivenciou. "Não fiz isso para escrever", disse Oswaldo, ao refletir sobre o fato de sua vida de lutas ter rendido um livro.

O resultado é o recém-lançado livro Companheiros de Viagem (Editora Maturidade, 314 págs., R$ 30), no qual o santista conta histórias desde sua infância até a participação no movimento armado contra o regime militar em 1964.

Oswaldo consegue transpor para a obra sua simplicidade. Os detalhes do Movimento Sindical Santista, chamada à época de "cidade vermelha" e o perfil de militantes e líderes esquerdistas, entre eles Carlos Marighella, fundador da Aliança Libertadora Nacional (ALN), são retratados de maneira clara e objetiva.

\r\n\r\n

O autor permeia a história das greves, prisões e torturas com passagens de suas aventuras amorosas até o casamento com Antonieta, a esposa e companheira, e o nascimento de suas três filhas. A publicação traz 16 páginas com fotos históricas da cidade natal, além de imagens de alguns dos companheiros de lutas, como Luiz Carlos Prestes e Vitelbino Ferreira.

\r\n\r\n

Lourenço pretende lançar em breve um segundo volume, que será dedicado à história do movimento dos aposentados. Ele chegou escrever sobre o tema para o Diário, mas garante que tem muito mais histórias para contar.

\r\n\r\n

Companheiros de viagem é um livro das memórias que Oswaldo conseguiu resgatar. "Não estava sozinho, dividi muitas coisas com meus companheiros, mas a maioria deles já morreu", explica. Aautobiografia que pode ser entendida como uma aula de história do Brasil.

\r\n\r\n

Sesc tem programação imperdível para blueseiros\r\n

\r\n\r\n

Dojival Filho<br>Do Diário do Grande ABC\r\n
 \r\n
Os fãs de blues das região têm um prato cheio e apimentado para degustar neste fim de semana, em que o Sesc Santo André reúne feras nacionais e internacionais. Os shows, que fazem parte do projeto Sesc in Blues, começam neste sábado, às 19h, com Robson Fernandes.

\r\n\r\n

Dono de um estilo que mistura o antigo e o moderno, Fernandes recebeu influências de feras como Sonny Boy Williamson II, Little Walter, James Cotton e Walter Norton. Ex-integrante da banda do guitarrista Danny Vincent, o músico firmou sua trajetória com personalidade, dividindo os holofotes com instrumentistas importantes do cenário do blues nacional, entre eles André Christovam, Marcos Ottaviano e a banda Blue Jeans.",1]);//-->

Filho de pai anarquista, Lourenço começou a se envolver com as lutas de classe aos 18 anos, quando trabalhava no Porto de Santos. "Fiz uma prova para a área administrativa, passei e a partir daí comecei a atuar no Sindicato.", conta.

O autor permeia a história das greves, prisões e torturas com passagens de suas aventuras amorosas até o casamento com Antonieta, a esposa e companheira, e o nascimento de suas três filhas. A publicação traz 16 páginas com fotos históricas da cidade natal, além de imagens de alguns dos companheiros de lutas, como Luiz Carlos Prestes e Vitelbino Ferreira.

Lourenço pretende lançar em breve um segundo volume, que será dedicado à história do movimento dos aposentados. Ele chegou escrever sobre o tema para o Diário, mas garante que tem muito mais histórias para contar.

Companheiros de viagem é um livro das memórias que Oswaldo conseguiu resgatar. "Não estava sozinho, dividi muitas coisas com meus companheiros, mas a maioria deles já morreu", explica. Aautobiografia que pode ser entendida como uma aula de história do Brasil.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Memórias de um trabalhador

Cíntia Banús
Especial para o Diário

30/07/2005 | 09:01


Oswaldo Lourenço, 80 anos, atualmente preside o Sindicato dos Aposentados e Pensionistas Ferroviários e Demais Categorias do Estado de São Paulo (SINDAPFER), mas sua ligação com os movimentos sociais é de longa data. Nasceu em Santos e mora em Santo André desde 1965. A idéia de colocar suas idéias no papel surgiu depois de ser muito procurado por estudantes e pesquisadores que pediam informações sobre os fatos que ele vivenciou. "Não fiz isso para escrever", disse Oswaldo, ao refletir sobre o fato de sua vida de lutas ter rendido um livro.

O resultado é o recém-lançado livro Companheiros de Viagem (Editora Maturidade, 314 págs., R$ 30), no qual o santista conta histórias desde sua infância até a participação no movimento armado contra o regime militar em 1964.

Oswaldo consegue transpor para a obra sua simplicidade. Os detalhes do Movimento Sindical Santista, chamada à época de "cidade vermelha" e o perfil de militantes e líderes esquerdistas, entre eles Carlos Marighella, fundador da Aliança Libertadora Nacional (ALN), são retratados de maneira clara e objetiva.

\r\n\r\n

O autor permeia a história das greves, prisões e torturas com passagens de suas aventuras amorosas até o casamento com Antonieta, a esposa e companheira, e o nascimento de suas três filhas. A publicação traz 16 páginas com fotos históricas da cidade natal, além de imagens de alguns dos companheiros de lutas, como Luiz Carlos Prestes e Vitelbino Ferreira.

\r\n\r\n

Lourenço pretende lançar em breve um segundo volume, que será dedicado à história do movimento dos aposentados. Ele chegou escrever sobre o tema para o Diário, mas garante que tem muito mais histórias para contar.

\r\n\r\n

Companheiros de viagem é um livro das memórias que Oswaldo conseguiu resgatar. "Não estava sozinho, dividi muitas coisas com meus companheiros, mas a maioria deles já morreu", explica. Aautobiografia que pode ser entendida como uma aula de história do Brasil.

\r\n\r\n

Sesc tem programação imperdível para blueseiros\r\n

\r\n\r\n

Dojival Filho<br>Do Diário do Grande ABC\r\n
 \r\n
Os fãs de blues das região têm um prato cheio e apimentado para degustar neste fim de semana, em que o Sesc Santo André reúne feras nacionais e internacionais. Os shows, que fazem parte do projeto Sesc in Blues, começam neste sábado, às 19h, com Robson Fernandes.

\r\n\r\n

Dono de um estilo que mistura o antigo e o moderno, Fernandes recebeu influências de feras como Sonny Boy Williamson II, Little Walter, James Cotton e Walter Norton. Ex-integrante da banda do guitarrista Danny Vincent, o músico firmou sua trajetória com personalidade, dividindo os holofotes com instrumentistas importantes do cenário do blues nacional, entre eles André Christovam, Marcos Ottaviano e a banda Blue Jeans.",1]);//-->

Filho de pai anarquista, Lourenço começou a se envolver com as lutas de classe aos 18 anos, quando trabalhava no Porto de Santos. "Fiz uma prova para a área administrativa, passei e a partir daí comecei a atuar no Sindicato.", conta.

O autor permeia a história das greves, prisões e torturas com passagens de suas aventuras amorosas até o casamento com Antonieta, a esposa e companheira, e o nascimento de suas três filhas. A publicação traz 16 páginas com fotos históricas da cidade natal, além de imagens de alguns dos companheiros de lutas, como Luiz Carlos Prestes e Vitelbino Ferreira.

Lourenço pretende lançar em breve um segundo volume, que será dedicado à história do movimento dos aposentados. Ele chegou escrever sobre o tema para o Diário, mas garante que tem muito mais histórias para contar.

Companheiros de viagem é um livro das memórias que Oswaldo conseguiu resgatar. "Não estava sozinho, dividi muitas coisas com meus companheiros, mas a maioria deles já morreu", explica. Aautobiografia que pode ser entendida como uma aula de história do Brasil.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;