Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Analistas dizem que venda da Ipiranga será difícil


Do Diário do Grande ABC

27/05/2000 | 15:33


Nao deve ser nada fácil vender uma empresa onde, para autorizar estudos sobre sua reestruturaçao societária, houve a necessidade da assinatura de 52 nomes, entre pessoas físicas e representantes de pessoas jurídicas. O grupo de acionistas contratou o banco Chase Manhattan para analisar uma possível venda do controle do conglomerado. A profusao de nomes e sobrenomes - controlam o grupo as famílias Gouvêa Vieira, Tellechea, Ormozábal, Bastos e Mello - foi apontada como uma das principais razoes pelo insucesso da venda.

``Na verdade, o que eles estao tentando negociar, segundo o mercado, nao passaria de 14% do total das açoes'', disse Carlos Eduardo Wright Domingues, coordenador da área de distribuiçao de derivados da Expetro.

Segundo ele, por causa desse percentual, pode-se perceber que o controle do conglomerado é dado por acordo de acionistas.

``Se as famílias venderem os supostos 14%, nao há transferência de confiança para os novos donos. Os possíveis compradores certamente analisaram tudo isso e ficaram receosos'', explicou o coordenador.

Além disso, o valor supostamente pedido pela fatia - US$ 1,8 bilhao - é mais da metade da avaliaçao de todo o grupo feita pelo próprio Chase para a venda (US$ 3 bilhoes). ``Quem pagaria esse valor por esse percentual de participaçao?'', perguntou Domingues.

Outro que compartilha que o excesso de nomes foi o motivo maior para o insucesso da venda da Ipiranga é Luis Otávio Laydner. ``As multinacionais buscam uma situaçao clara. Nao vao querer problemas com os minoritários. E estes, é claro, têm medo de serem prejudicados no processo de venda'', afirmou.

Adalberto Cordeiro Guerra, da Expetro, reiterou o pensamento. ``Nenhuma grande empresa entra em confusao. Ela quer comprar o que o grupo Ipiranga vale, e nao problemas'', disse.

``Os pequenos acionistas estao bastante atentos. Para que eles se unam e passem uma procuraçao para alguém nao é difícil. Se ocorrer isso, eles poderao se tornar um grupo forte e se tornar em mais um empecilho para a negociaçao da grupo empresarial. Num sistema de tantos cruzamentos e interligaçoes, como ocorre com a Ipiranga, isso poderia gerar um impasse'', comentou Domingues.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Analistas dizem que venda da Ipiranga será difícil

Do Diário do Grande ABC

27/05/2000 | 15:33


Nao deve ser nada fácil vender uma empresa onde, para autorizar estudos sobre sua reestruturaçao societária, houve a necessidade da assinatura de 52 nomes, entre pessoas físicas e representantes de pessoas jurídicas. O grupo de acionistas contratou o banco Chase Manhattan para analisar uma possível venda do controle do conglomerado. A profusao de nomes e sobrenomes - controlam o grupo as famílias Gouvêa Vieira, Tellechea, Ormozábal, Bastos e Mello - foi apontada como uma das principais razoes pelo insucesso da venda.

``Na verdade, o que eles estao tentando negociar, segundo o mercado, nao passaria de 14% do total das açoes'', disse Carlos Eduardo Wright Domingues, coordenador da área de distribuiçao de derivados da Expetro.

Segundo ele, por causa desse percentual, pode-se perceber que o controle do conglomerado é dado por acordo de acionistas.

``Se as famílias venderem os supostos 14%, nao há transferência de confiança para os novos donos. Os possíveis compradores certamente analisaram tudo isso e ficaram receosos'', explicou o coordenador.

Além disso, o valor supostamente pedido pela fatia - US$ 1,8 bilhao - é mais da metade da avaliaçao de todo o grupo feita pelo próprio Chase para a venda (US$ 3 bilhoes). ``Quem pagaria esse valor por esse percentual de participaçao?'', perguntou Domingues.

Outro que compartilha que o excesso de nomes foi o motivo maior para o insucesso da venda da Ipiranga é Luis Otávio Laydner. ``As multinacionais buscam uma situaçao clara. Nao vao querer problemas com os minoritários. E estes, é claro, têm medo de serem prejudicados no processo de venda'', afirmou.

Adalberto Cordeiro Guerra, da Expetro, reiterou o pensamento. ``Nenhuma grande empresa entra em confusao. Ela quer comprar o que o grupo Ipiranga vale, e nao problemas'', disse.

``Os pequenos acionistas estao bastante atentos. Para que eles se unam e passem uma procuraçao para alguém nao é difícil. Se ocorrer isso, eles poderao se tornar um grupo forte e se tornar em mais um empecilho para a negociaçao da grupo empresarial. Num sistema de tantos cruzamentos e interligaçoes, como ocorre com a Ipiranga, isso poderia gerar um impasse'', comentou Domingues.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;