Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Pontiac Solstice: em busca do sol


Sueli Osório
Enviada a Indaiatuba

14/06/2006 | 08:21


Outro modelo que veio ‘a passeio’ para terras brasileiras, assim como o Chevrolet Cobalt (veja matéria na página 7), mas que não será vendido aqui pela GM, é o Pontiac Solstice.

O conversível foi mostrado pela primeira vez como um conceito no Salão de Detroit (EUA) em 2002. A boa resposta do público ao modelo durante o evento ajudou a colocar o esportivo rapidamente em produção.

Hoje, a procura pelo roadster é tão grande que há uma fila de espera de cerca de seis meses para quem deseja comprá-lo nos Estados Unidos, o que se deve em boa parte ao preço, já que custa a partir de U$ 20.490. A Pontiac, do grupo GM, produz 20 mil unidades do carro ao ano.

Equipado com motor de 2,4 litros e quatro cilindros, o Solstice desenvolve 172 cv de potência a 6.400 rpm e torque de 23,5 mkgf a 4.400 rpm. A transmissão é manual de cinco velocidades.

Fiel ao conceito original, o modelo manteve as linhas arrojadas e a tração traseira. O leve motor de alumínio ajuda a otimizar o equilíbrio da dianteira com a traseira do veículo. As rodas de 18 polegadas são de série, assim como os freios a disco nas quatro rodas. O sistema ABS é opcional.

Conduzir o modelo a princípio é diferente pela posição de dirigir, bem baixa. O motorista tem a sensação de estar sentado bastante próximo do assoalho. Também leva algum tempo até se acostumar com a visibilidade, reduzida pela própria posição do condutor, limitando-se ao espaço entre o capô e parte do pára-brisa, além dos retrovisores.

Embora não desperte tanta empolgação ao pisar no acelerador, já que o modelo não é tão potente como o Cobalt, por exemplo, o mais agradável é conduzi-lo justamente com a capota aberta e sentir o vento tocando o rosto, principalmente em um dia ensolarado de outono.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pontiac Solstice: em busca do sol

Sueli Osório
Enviada a Indaiatuba

14/06/2006 | 08:21


Outro modelo que veio ‘a passeio’ para terras brasileiras, assim como o Chevrolet Cobalt (veja matéria na página 7), mas que não será vendido aqui pela GM, é o Pontiac Solstice.

O conversível foi mostrado pela primeira vez como um conceito no Salão de Detroit (EUA) em 2002. A boa resposta do público ao modelo durante o evento ajudou a colocar o esportivo rapidamente em produção.

Hoje, a procura pelo roadster é tão grande que há uma fila de espera de cerca de seis meses para quem deseja comprá-lo nos Estados Unidos, o que se deve em boa parte ao preço, já que custa a partir de U$ 20.490. A Pontiac, do grupo GM, produz 20 mil unidades do carro ao ano.

Equipado com motor de 2,4 litros e quatro cilindros, o Solstice desenvolve 172 cv de potência a 6.400 rpm e torque de 23,5 mkgf a 4.400 rpm. A transmissão é manual de cinco velocidades.

Fiel ao conceito original, o modelo manteve as linhas arrojadas e a tração traseira. O leve motor de alumínio ajuda a otimizar o equilíbrio da dianteira com a traseira do veículo. As rodas de 18 polegadas são de série, assim como os freios a disco nas quatro rodas. O sistema ABS é opcional.

Conduzir o modelo a princípio é diferente pela posição de dirigir, bem baixa. O motorista tem a sensação de estar sentado bastante próximo do assoalho. Também leva algum tempo até se acostumar com a visibilidade, reduzida pela própria posição do condutor, limitando-se ao espaço entre o capô e parte do pára-brisa, além dos retrovisores.

Embora não desperte tanta empolgação ao pisar no acelerador, já que o modelo não é tão potente como o Cobalt, por exemplo, o mais agradável é conduzi-lo justamente com a capota aberta e sentir o vento tocando o rosto, principalmente em um dia ensolarado de outono.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;