Fechar
Publicidade

Domingo, 1 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Autopeças crescem 11,5% nos primeiros quatro meses de 2005


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

05/05/2005 | 12:16


Como reflexo de exportações em alta, a indústria brasileira de autopeças registrou crescimento de 11,5% no faturamento no primeiro quadrimestre (janeiro a abril) deste ano na comparação com mesmo período de 2004. O nível de emprego no setor também se mantém em crescimento mês a mês neste ano, e no final de abril havia 193,7 mil postos de trabalho, 3,6% a mais do que em dezembro último. Os resultados, à primeira vista, são animadores, principalmente para o Grande ABC, que concentra 89 das 540 principais empresa de autopeças do Brasil.

O setor apresentou de janeiro até março deste ano exportações que somaram US$ 1,67 bilhão, 38% a mais do que no mesmo período de 2004, e saldo positivo (exportações menos importações) de US$ 7 milhões na balança comercial ante déficit de US$ 10 milhões no mesmo período de 2004.

Os dados foram divulgados quarta-feira pelo Sindipeças (Sindicato da Indústria de Peças e Componentes Automotores). Além da boa performance nos primeiros meses do ano, levantamento do sindicato com as empresas do segmento apontou que o ano pode ser encerrado com resultados bastante favoráveis.

No entanto, o presidente do Sindipeças, Paulo Butori, afirma que há uma “luz amarela acesa”, por conta da perspectiva de dificuldades no segmento a partir de junho. A preocupação é em relação ao cenário de taxas de juros básicas (Selic) em ascensão e de real valorizado em relação ao dólar. A taxa cambial atingiu quarta-feira o nível mais baixo desde 2002. (leia texto na página 2).

Por enquanto, a previsão é de crescimento de 12,7% no faturamento anual (para o total de US$ 18,6 bilhões em 2005) e de manutenção da rentabilidade média de vendas à taxa de 3% do faturamento, mesmo nível do ano passado. “Mas com a apreciação do real, que afeta a competitividade das exportações, essa margem pode ter uma queda”, afirma Butori.

O dirigente afirma que muitas empresas perderam rentabilidade com as vendas externas e começam a não renovar contratos de encomendas ao exterior. Ele disse ainda que uma alta na taxa Selic, pelo Banco Central, leva de três a quatro meses para impactar nas taxas de financiamento às indústrias, mas com elevações sucessivas o problema de acesso a crédito vai se agravar. “O cenário indica complicação para o quarto quadrimestre do ano”, diz.

O alerta vale especialmente para o Grande ABC, que concentra 89 das 540 indústrias de autopeças filiadas ao Sindipeças (ou 16% do total), e  tem 70% do PIB ligado à cadeia automotiva. “Se nada for feito, o ritmo de crescimento vai diminuir”, acrescenta Butori.

Dessa forma, as projeções favoráveis feitas quarta-feira pelo Sindipeças podem ser revistas em breve. O sindicato aponta, por enquanto, que o setor deverá fechar o ano com 198 mil pessoas empregadas, 5% mais que em 2004, e a balança comercial ficará positiva em US$ 400 milhões, montante estável em relação aos últimos dois anos, mas com exportações 11% maiores (US$ 6,7 bilhões em 2005).

Veículos – Além das vendas de autopeças ao exterior, o Sindipeças prevê o incremento estimado de 5% (para 2,33 milhões de veículos produzidos) na produção automobilística nacional, que também tem sido impulsionada pelas exportações. Devido à forte demanda, a estimativa é de que a capacidade ociosa do setor de autopeças se reduza de 15% em 2004 para a média de 13% neste ano.

Dentro da participação no faturamento, o Sindipeças apontou que as exportações devem crescer em importância (26% da fatia das vendas ante 20% em anos anteriores). Já o mercado de reposição deverá ficar com 14%, queda de dois pontos percentuais na comparação com 2004. O fornecimento às montadoras deverá se retrair de 56% no ano passado para 54%. Os restantes 6% deverão corresponder a vendas intersetoriais.

Butori afirma ainda que as vendas ao exterior, diretas e indiretas, têm dado escala e garantido rentabilidade ao setor. A complicação nessa área externa pode tornar mais difícil o problema da defasagem entre custos totais no setor (que têm grande peso de matérias-primas) e o repasse para as montadoras. A defasagem no ano passado ficou em 22,6%, segundo o sindicato.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;