Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

MLST denuncia maus tratos em prisões; Polícia Militar do DF nega


Da Agência Brasil

14/06/2006 | 18:42


O MLST (Movimento de Libertação dos Sem-Terra) denunciou nesta terça-feira às organizações de direitos humanos que integrantes do movimento teriam sofrido maus tratos enquanto estavam presos no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília. A denúncia é que a Polícia Militar de Brasília e a Polícia Legislativa torturaram os militantes no ginásio. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal nega as acusações

De acordo com o membro do diretório nacional do MLST Aparecido Dias, os militantes ficaram sentados na mesma posição durante 48 horas, sem dormir, sem alimentação, com frio e apanhavam com tapas na cabeça. Segundo Dias, os militantes que desejavam ir ao banheiro tinham de andar 100 metros de joelhos até o local. Além disso, o movimento denuncia que mulheres chegaram a sofrer beliscões nos seios.

Segundo o chefe do Ciops (Centro Integrado de Operações de Segurança Pública) da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, coronel Weslei Antônio Maretti, apesar do local ser impróprio para acomodar os presos, não houve nenhum tipo de tortura contra os integrantes do MLST. "Foi uma ação excepcional, em razão do número de pessoas que foram presas. O local que surgiu para colocá-las foi um ginásio, que não é um local apropriado para se manter pessoas detidas, mas era o que era possível, uma vez que não havia nas dependências policiais acomodações que comportasse esse número de pessoas".

O coronel afirmou também que a ação no ginásio foi acompanhada por movimentos de direitos humanos, representantes da Secretaria de Segurança Pública, da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) , da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados e do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), que foram verificar a situação dos presos. "São acusações mentirosas, qualquer denúncia sobre maus tratos teria sido vista, teria sido ouvida”, concluiu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

MLST denuncia maus tratos em prisões; Polícia Militar do DF nega

Da Agência Brasil

14/06/2006 | 18:42


O MLST (Movimento de Libertação dos Sem-Terra) denunciou nesta terça-feira às organizações de direitos humanos que integrantes do movimento teriam sofrido maus tratos enquanto estavam presos no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília. A denúncia é que a Polícia Militar de Brasília e a Polícia Legislativa torturaram os militantes no ginásio. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal nega as acusações

De acordo com o membro do diretório nacional do MLST Aparecido Dias, os militantes ficaram sentados na mesma posição durante 48 horas, sem dormir, sem alimentação, com frio e apanhavam com tapas na cabeça. Segundo Dias, os militantes que desejavam ir ao banheiro tinham de andar 100 metros de joelhos até o local. Além disso, o movimento denuncia que mulheres chegaram a sofrer beliscões nos seios.

Segundo o chefe do Ciops (Centro Integrado de Operações de Segurança Pública) da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, coronel Weslei Antônio Maretti, apesar do local ser impróprio para acomodar os presos, não houve nenhum tipo de tortura contra os integrantes do MLST. "Foi uma ação excepcional, em razão do número de pessoas que foram presas. O local que surgiu para colocá-las foi um ginásio, que não é um local apropriado para se manter pessoas detidas, mas era o que era possível, uma vez que não havia nas dependências policiais acomodações que comportasse esse número de pessoas".

O coronel afirmou também que a ação no ginásio foi acompanhada por movimentos de direitos humanos, representantes da Secretaria de Segurança Pública, da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) , da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados e do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), que foram verificar a situação dos presos. "São acusações mentirosas, qualquer denúncia sobre maus tratos teria sido vista, teria sido ouvida”, concluiu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;