Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Passeio pelo Norte

Arquivo Pessoal/Susan Barcelar Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Marcela Munhoz

19/10/2017 | 07:00


Nas férias, desde que se mudou para Mauá há sete anos, Susan Barcelar, 33 anos, vai até Manaus, no Amazonas, para desfrutar sua folga ao lado dos pais. Em julho, por causa do casamento do irmão, estendeu o passeio a Boa Vista, capital de Roraima, e se surpreendeu com Lethem, da Guiana. A cidade, que fica a uma hora e meia de Boa Vista e separada pelo Rio Tacutu, possui cerca de 15 mil pessoas. Para entrar é preciso vacina contra a febre amarela, ter passaporte válido e carimbo, que pode ser obtido no posto de Polícia Federal mais próximo.

“Fiquei impressionada com a quantidade de galpões repletos de produtos importados a preço mais acessível. Eles aceitam pagar em real (a moeda oficial é o dólar guianense ), mas é preciso levar em espécie”, recomenda Susan. Boa época para visitar Lethem é no fim de semana de Páscoa, quando acontece o rodeio anual.

Já em Boa Vista, Susan aplaudiu a natureza, apesar de não ter conseguido curtir uma ‘praia’ – termo usado quando é possível aproveitar as margens para tomar sol – já que o Rio Branco estava cheio. Formado pela confluência dos rios Tacutu e Uraricoera, passa por período de chuvas de abril a setembro e de seca de outubro a março. “Gostei também de provar a paçoca. Prato salgado feito com farinha e carne seca, amassados no pilão”, ressalta.

Em Manaus, segundo a moradora de Mauá, é essencial ir ao centro histórico revitalizado e dedicar bom tempo ao Palácio da Justiça – inaugurado em 1900 – e ao Teatro Amazonas, monumento renascentista, cuja estreia foi em 1896. Trata-se da expressão mais significativa da riqueza de Manaus durante o ciclo da borracha. Abre para a visitação de terça a sábado, das 9h às 17h. Confira mais em www.cultura.am.gov.br.


* Também quer contar como foi a sua aventura? Escreva para minhaviagem@dgabc.com.br, com o assunto Minha Viagem.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Passeio pelo Norte

Marcela Munhoz

19/10/2017 | 07:00


Nas férias, desde que se mudou para Mauá há sete anos, Susan Barcelar, 33 anos, vai até Manaus, no Amazonas, para desfrutar sua folga ao lado dos pais. Em julho, por causa do casamento do irmão, estendeu o passeio a Boa Vista, capital de Roraima, e se surpreendeu com Lethem, da Guiana. A cidade, que fica a uma hora e meia de Boa Vista e separada pelo Rio Tacutu, possui cerca de 15 mil pessoas. Para entrar é preciso vacina contra a febre amarela, ter passaporte válido e carimbo, que pode ser obtido no posto de Polícia Federal mais próximo.

“Fiquei impressionada com a quantidade de galpões repletos de produtos importados a preço mais acessível. Eles aceitam pagar em real (a moeda oficial é o dólar guianense ), mas é preciso levar em espécie”, recomenda Susan. Boa época para visitar Lethem é no fim de semana de Páscoa, quando acontece o rodeio anual.

Já em Boa Vista, Susan aplaudiu a natureza, apesar de não ter conseguido curtir uma ‘praia’ – termo usado quando é possível aproveitar as margens para tomar sol – já que o Rio Branco estava cheio. Formado pela confluência dos rios Tacutu e Uraricoera, passa por período de chuvas de abril a setembro e de seca de outubro a março. “Gostei também de provar a paçoca. Prato salgado feito com farinha e carne seca, amassados no pilão”, ressalta.

Em Manaus, segundo a moradora de Mauá, é essencial ir ao centro histórico revitalizado e dedicar bom tempo ao Palácio da Justiça – inaugurado em 1900 – e ao Teatro Amazonas, monumento renascentista, cuja estreia foi em 1896. Trata-se da expressão mais significativa da riqueza de Manaus durante o ciclo da borracha. Abre para a visitação de terça a sábado, das 9h às 17h. Confira mais em www.cultura.am.gov.br.


* Também quer contar como foi a sua aventura? Escreva para minhaviagem@dgabc.com.br, com o assunto Minha Viagem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;