Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

‘Saúde em Casa’ chega ao Jd.Inamar


Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

31/05/2004 | 21:44


Dentro de um mês, os cerca de 28 mil moradores do Jardim Inamar, em Diadema, passarão a ser atendidos pelo programa Saúde em Casa. O treinamento dos 42 agentes comunitários que acompanharão de perto a saúde das famílias começa nesta terça. Atualmente, 20 equipes atendem 72 mil pessoas em dez bairros da cidade, e mantêm sob controle o tratamento de hipertensos, diabéticos, mulheres grávidas e vacinação infantil.

O Saúde em Casa foi lançado pela Prefeitura em 2001 e até meados do ano passado contava com seis equipes, quando um convênio firmado com o Ministério da Saúde possibilitou a ampliação dos atendimentos. De acordo com a socióloga Maria de Fátima Queiroz, que coordena o programa, o número de equipes chegará a 34 em julho e deve dobrar até o final de 2005.

“Recebemos R$ 3 milhões do Proesf (Programa de Expansão da Saúde da Família) e a maioria dos recursos são investidos na compra de material permanente, como equipamentos hospitalares, por exemplo. Apesar do subsídio, a Prefeitura banca 90% do programa”, afirmou a coordenadora.

Cada equipe é formada por um médico generalista, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e por seis agentes comunitários, moradores do próprio bairro atendido e que fazem uma espécie de ronda da saúde. São eles que identificam os problemas apresentados por cada família, encaminham para consultas e depois acompanham o tratamento, além de realizar os trabalhos de prevenção e manter o histórico dos casos sempre atualizado.

Segundo a coordenadora, a proximidade entre as equipes e os moradores é a responsável pelo sucesso do programa. Maria de Fátima diz que o programa conseguiu mudar os indicadores de saúde em Diadema. Ela cita o exemplo do bairro Piraporinha. Ali, de cada cem moradores que dão entrada na UBS (Unidade Básica de Sáude), só oito precisam ser encaminhados para consulta com alguns especialista.

“O nosso maior desafio é diminuir ao máximo o encaminhamento para as especialidades. Quando o mesmo médico cuida da família inteira e faz o trabalho de prevenção, fica mais fácil”, disse.

A moradora da Vila Paulina, Gesemeire dos Santos, diz que o trabalho dos agentes é “ótimo”. Ela tem uma filha de 2 anos e está grávida de três meses. “Eles passam sempre na minha casa para saber como estou. Me encaminham para o pré-natal e minha filha está com as vacinas todas em dia”, elogiou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

‘Saúde em Casa’ chega ao Jd.Inamar

Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

31/05/2004 | 21:44


Dentro de um mês, os cerca de 28 mil moradores do Jardim Inamar, em Diadema, passarão a ser atendidos pelo programa Saúde em Casa. O treinamento dos 42 agentes comunitários que acompanharão de perto a saúde das famílias começa nesta terça. Atualmente, 20 equipes atendem 72 mil pessoas em dez bairros da cidade, e mantêm sob controle o tratamento de hipertensos, diabéticos, mulheres grávidas e vacinação infantil.

O Saúde em Casa foi lançado pela Prefeitura em 2001 e até meados do ano passado contava com seis equipes, quando um convênio firmado com o Ministério da Saúde possibilitou a ampliação dos atendimentos. De acordo com a socióloga Maria de Fátima Queiroz, que coordena o programa, o número de equipes chegará a 34 em julho e deve dobrar até o final de 2005.

“Recebemos R$ 3 milhões do Proesf (Programa de Expansão da Saúde da Família) e a maioria dos recursos são investidos na compra de material permanente, como equipamentos hospitalares, por exemplo. Apesar do subsídio, a Prefeitura banca 90% do programa”, afirmou a coordenadora.

Cada equipe é formada por um médico generalista, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e por seis agentes comunitários, moradores do próprio bairro atendido e que fazem uma espécie de ronda da saúde. São eles que identificam os problemas apresentados por cada família, encaminham para consultas e depois acompanham o tratamento, além de realizar os trabalhos de prevenção e manter o histórico dos casos sempre atualizado.

Segundo a coordenadora, a proximidade entre as equipes e os moradores é a responsável pelo sucesso do programa. Maria de Fátima diz que o programa conseguiu mudar os indicadores de saúde em Diadema. Ela cita o exemplo do bairro Piraporinha. Ali, de cada cem moradores que dão entrada na UBS (Unidade Básica de Sáude), só oito precisam ser encaminhados para consulta com alguns especialista.

“O nosso maior desafio é diminuir ao máximo o encaminhamento para as especialidades. Quando o mesmo médico cuida da família inteira e faz o trabalho de prevenção, fica mais fácil”, disse.

A moradora da Vila Paulina, Gesemeire dos Santos, diz que o trabalho dos agentes é “ótimo”. Ela tem uma filha de 2 anos e está grávida de três meses. “Eles passam sempre na minha casa para saber como estou. Me encaminham para o pré-natal e minha filha está com as vacinas todas em dia”, elogiou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;