Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Grupo cria associação em defesa do Parque Central


Gislayne Jacinto
Do Diário do Grande ABC

27/05/2001 | 19:16


Mais de 50 moradores de Santo André realizaram uma reunião neste domingo pela manhã no Parque Central, situado entre o bairro Paraíso e a Vila Assunção, com o objetivo de criar uma associação para acompanhar as medidas que a Prefeitura pretende tomar para recuperar o local. A entidade deverá ser batizada como Associação dos Amigos do Parque Central. Os moradores deixaram nomes, endereços e telefones para futuros contatos.

O geólogo Paulo Pelachin, um dos coordenadores do movimento para criar a associação, acha que as reivindicações ganharão força com o surgimento do movimento. “Muitos estão interessados em recuperar e mudar as condições do parque. Hoje, até tráfego de caminhões para despejar lixo tem no parque. Sem falar na queima de resíduos e na falta de segurança.”

O técnico químico Milton Thome considera como “péssimo” o estado do Parque Central. “O parque deveria ser cuidado por estudantes de Ecologia. Isso já foi feito em outros lugares e deu certo”, disse.

O empresário Carlos Eugênio Flud reclamou do depósito de lixo. “Os caminhões trafegam no mesmo lugar que as pessoas caminham no parque. Além disso, não há policiamento e sequer um telefone público”, disse.

A falta de segurança fez com que o consultor Alfredo Viana deixasse de ir ao parque. “A maioria das pessoas tem medo de assaltos.”

A entrada do parque, com portões malconservados e guarita vazia coberta pela pichação, também são motivos de críticas. “A entrada também não é propícia aos deficientes e idosos. Existe simplesmente um morro na entrada do parque, dificultando o acesso”, afirmou o engenheiro Antonio Gaiarsa.

A trilha para caminhadas e cooper está cheia de buracos e os moradores avaliam que isso põe em risco a integridade física das pessoas. O pedido é uma pista pavimentada.

A criação da associação tem o apoio do vereador Fernando Gomes (sem partido), que enviou sua assessoria ao local para auxiliar os moradores. Gomes já denunciou ao Ministério Público o abandono do parque e depósito de resíduos no local.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Grupo cria associação em defesa do Parque Central

Gislayne Jacinto
Do Diário do Grande ABC

27/05/2001 | 19:16


Mais de 50 moradores de Santo André realizaram uma reunião neste domingo pela manhã no Parque Central, situado entre o bairro Paraíso e a Vila Assunção, com o objetivo de criar uma associação para acompanhar as medidas que a Prefeitura pretende tomar para recuperar o local. A entidade deverá ser batizada como Associação dos Amigos do Parque Central. Os moradores deixaram nomes, endereços e telefones para futuros contatos.

O geólogo Paulo Pelachin, um dos coordenadores do movimento para criar a associação, acha que as reivindicações ganharão força com o surgimento do movimento. “Muitos estão interessados em recuperar e mudar as condições do parque. Hoje, até tráfego de caminhões para despejar lixo tem no parque. Sem falar na queima de resíduos e na falta de segurança.”

O técnico químico Milton Thome considera como “péssimo” o estado do Parque Central. “O parque deveria ser cuidado por estudantes de Ecologia. Isso já foi feito em outros lugares e deu certo”, disse.

O empresário Carlos Eugênio Flud reclamou do depósito de lixo. “Os caminhões trafegam no mesmo lugar que as pessoas caminham no parque. Além disso, não há policiamento e sequer um telefone público”, disse.

A falta de segurança fez com que o consultor Alfredo Viana deixasse de ir ao parque. “A maioria das pessoas tem medo de assaltos.”

A entrada do parque, com portões malconservados e guarita vazia coberta pela pichação, também são motivos de críticas. “A entrada também não é propícia aos deficientes e idosos. Existe simplesmente um morro na entrada do parque, dificultando o acesso”, afirmou o engenheiro Antonio Gaiarsa.

A trilha para caminhadas e cooper está cheia de buracos e os moradores avaliam que isso põe em risco a integridade física das pessoas. O pedido é uma pista pavimentada.

A criação da associação tem o apoio do vereador Fernando Gomes (sem partido), que enviou sua assessoria ao local para auxiliar os moradores. Gomes já denunciou ao Ministério Público o abandono do parque e depósito de resíduos no local.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;