Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Mulher assume comando da General Motors do Brasil


Wagner Oliveira
Do Diário do Grande ABC

23/06/2010 | 07:06


O comando da General Motors anunciou ontem reestruturação com a criação de comando exclusivo para a América do Sul . Há cerca de três anos dirigindo a GM no Brasil e Mercosul, Jaime Ardila foi designado para assumir toda a região. No País, a presidência passa para Denise C. Johnson, que deixa a vice-presidente de relações trabalhistas da GM nos Estados Unidos.

Norte-americana, Denise será a primeira mulher a comandar a filial brasileira - a segunda maior operação da General Motors fora dos Estados Unidos. Ela assume o posto no dia 1º.

Com as mudanças, Ardila poderá se dedicar mais a operações industriais na Argentina, Colômbia, Equador e Venezuela, assim como as atividades de vendas na Bolívia, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai. Ardila responderá diretamente ao chairman e CEO da GM, Ed Whitacre - indicado por Barack Obama para reerguer a multinacional.

A direção sul-americana ficará em São Caetano. "A prioridade do Jaime é garantir o melhor para nossos clientes nesta importante região em crescimento," disse Whitacre, em comunicado.

A separação da América do Sul, onde o Brasil tem peso de mais de 70%, pode ser considerado como ajuste fino depois da decisão de concentrar todo o comando internacional da GM, fora dos Estados Unidos, na China.

A direção da montadora avaliou que a GM pode aproveitar melhor o crescimento na América do Sul com foco na região, mas sem deixar de usufruir da estrutura global no planejamento e desenvolvimento de veículos e inovações tecnológicas.

Para a empresa, Ásia, Oriente Médio e Rússia podem também podem estreitar a sinergia com a China pela similaridade de produtos. Fuso horário e distância vinham causando desconforto entre China e Brasil, com reuniões varando as madrugadas.

Um dos jovens quadros da nova GM, Denise está mais alinhada com a proposta administrativa de Whitacre, que acabou, nos Estados Unidos, com a cultura GM de tomar decisões internas por colegiado - o que levou a extinção de vários postos de comando.

A nova presidente deverá impor a mesma filosofia no Brasil, onde cada cargo de comando vai ter que assumir os riscos por acertos e erros - o resultado passa a ser individual e não coletivo. Com isso, a empresa quer corrigir erros e acelerar o desenvolvimento sem abrir mão da prioridade nos resultados financeiros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mulher assume comando da General Motors do Brasil

Wagner Oliveira
Do Diário do Grande ABC

23/06/2010 | 07:06


O comando da General Motors anunciou ontem reestruturação com a criação de comando exclusivo para a América do Sul . Há cerca de três anos dirigindo a GM no Brasil e Mercosul, Jaime Ardila foi designado para assumir toda a região. No País, a presidência passa para Denise C. Johnson, que deixa a vice-presidente de relações trabalhistas da GM nos Estados Unidos.

Norte-americana, Denise será a primeira mulher a comandar a filial brasileira - a segunda maior operação da General Motors fora dos Estados Unidos. Ela assume o posto no dia 1º.

Com as mudanças, Ardila poderá se dedicar mais a operações industriais na Argentina, Colômbia, Equador e Venezuela, assim como as atividades de vendas na Bolívia, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai. Ardila responderá diretamente ao chairman e CEO da GM, Ed Whitacre - indicado por Barack Obama para reerguer a multinacional.

A direção sul-americana ficará em São Caetano. "A prioridade do Jaime é garantir o melhor para nossos clientes nesta importante região em crescimento," disse Whitacre, em comunicado.

A separação da América do Sul, onde o Brasil tem peso de mais de 70%, pode ser considerado como ajuste fino depois da decisão de concentrar todo o comando internacional da GM, fora dos Estados Unidos, na China.

A direção da montadora avaliou que a GM pode aproveitar melhor o crescimento na América do Sul com foco na região, mas sem deixar de usufruir da estrutura global no planejamento e desenvolvimento de veículos e inovações tecnológicas.

Para a empresa, Ásia, Oriente Médio e Rússia podem também podem estreitar a sinergia com a China pela similaridade de produtos. Fuso horário e distância vinham causando desconforto entre China e Brasil, com reuniões varando as madrugadas.

Um dos jovens quadros da nova GM, Denise está mais alinhada com a proposta administrativa de Whitacre, que acabou, nos Estados Unidos, com a cultura GM de tomar decisões internas por colegiado - o que levou a extinção de vários postos de comando.

A nova presidente deverá impor a mesma filosofia no Brasil, onde cada cargo de comando vai ter que assumir os riscos por acertos e erros - o resultado passa a ser individual e não coletivo. Com isso, a empresa quer corrigir erros e acelerar o desenvolvimento sem abrir mão da prioridade nos resultados financeiros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;